Físicos criam o paradoxo “Lula de Schrödinger”

09jul2018_19h02
O paradoxo manda acrescentar um ágio de 5% ao resultado da equação
O paradoxo manda acrescentar um ágio de 5% ao resultado da equação

DESEMBARGADOR DE PARTÍCULAS – “Lula não é uma pessoa nem uma ideia, é um estado quântico.” Foi com essas palavras que a cientista Gleisi Hoffstein, especialista em relatividade, explicou o estado físico do ex-presidente Lula, que foi libertado, preso e libertado de novo no último domingo – tudo isso sem sair da Carceragem da Polícia Federal, em Curitiba.

O vaivém jurídico acabou por chacoalhar os cânones da física, criando um novo paradoxo quântico. “O Gato de Schrödinger pode estar morto e vivo ao mesmo tempo, mas isso é pra físico iniciante”, explicou o famoso cientista Merval Hawking. “Muito mais complicado é explicar a situação jurídica do Lula depois de tanta liminar.” Há quem diga que o caso pode levar a ciência a confirmar a existência de uma quarta dimensão (e de uma quinta jurisdição). “O que vemos é um presidente que pode estar preso e solto ao mesmo tempo. Pode estar em Curitiba e São Bernardo. Pode ser e não ser pré-candidato. É um desafio enorme para os limites da ciência, da física e da ética”, continuou Merval Hawking.

Os principais centros de estudos científicos já preparam um simpósio em que outras teorias sobre a situação do presidente serão apresentadas. Há o estudo sobre o “Lula de Schroeder”, que investiga a relação do presidente com a projeção dos meios de comunicação; o “Lula de Heinrich”, que investiga as ligações do ex-presidente com o ator Cláudio Heinrich, astro de “Malhação”; e também o “Lula de Gessinger”, que faz um paralelo entre o político petista e as letras do grupo gaúcho Engenheiros do Havaí no espaço-tempo da infinita highway.