Em reação à carta da ONU para Lula, Bolsonaro apela à OTAN

17ago2018_18h49
A carta de Bolsonaro foi devolvida pelos Correios por conter o endereço de “Chalé do Noel, Lapônia”
A carta de Bolsonaro foi devolvida pelos Correios por conter o endereço de “Chalé do Noel, Lapônia”

VERBA VOLANT, SCRIPTA MANENT – A coordenação da campanha do presidenciável Jair Bolsonaro entrou hoje com um pedido para que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), aliança militar internacional, o apoie. O movimento de Bolsonaro veio após a equipe de Lula apresentar uma carta em que a Organização das Nações Unidas (ONU) deu seu aval à participação do ex-presidente nas eleições deste ano.

“A carta é minha, o papel é meu, a impressora é minha, e eu escrevo pra quem bem entender, ok?”, respondeu o ex-capitão quando questionado sobre a correspondência. O documento foi liberado para a imprensa, e nele se lê: “Dona Otan, por favor, me envie uma cartinha dizendo que eu posso matar vagabundo. Também gostaria de usar o verbo ‘estuprar’ e o termo ‘mimimi’ sem que nenhum vagabundo faça mimimi nem mereça ser estuprado pela minha pessoa.”

Outros candidatos seguiram o mesmo caminho e apelaram a órgãos internacionais. O MDB afirma que até o começo da semana vai receber a resposta da Organização Mundial do Comércio (OMC) em relação à candidatura de Henrique Meirelles. O presidente Michel Temer aproveitou a movimentação para enviar correspondência à Transilvânia. O governo da Romênia, país onde se situa a famosa região, foi rápido ao frisar que não conhece Temer e não deseja ter sua imagem associada ao político. Já o candidato Cabo Daciolo declarou: “Mandei um telegrama para estabelecer contato com a única entidade capaz de deter o avanço das forças escusas que se apoderam da nossa nação: o governo de Nárnia. Venceremos!”.