Moro pede licença e se apresenta ao PSG no lugar de Neymar

09jul2019_18h33
Moro pretende se associar ao VAR para não ter suas jogadas reavaliadas
Moro pretende se associar ao VAR para não ter suas jogadas reavaliadas
13ª VARA DE JUSTIÇA DESPORTIVA – Notícia bombástica no mercado da bola. Depois de longo mistério, a diretoria do Paris Saint Germain anunciou final feliz do caso Neymar. Após brigar com jogadores, técnicos, dirigentes, patrocinadores, torcedores, massagistas e gandulas do clube, o Menino Ney deixa o PSG, passando a camisa 10 para o recém-contratado Menino Moro, que tirou licença do governo para se apresentar, na próxima semana, no estádio Parque des Princes. A transação ainda envolveu o empréstimo do procurador Deltan Dallagnol, que vai reforçar a lateral direita do clube no lugar de Daniel Alves.
“A gente aprendeu que o jogador mais caro do mundo não é suficiente para trazer o título da Liga dos Campeões”, explicou o cheque Al-Khelaifi, dono da equipe. “Então resolvemos trazer logo um juiz, que pode marcar pênalti, anular gol e influenciar diretamente no placar, principalmente se o time oposto tiver patrocínio de empreiteira.” A troca frustrou o cheque, que vislumbrava a possibilidade da dupla NeyMoro: “Os dois têm muita afinidade: São bons em vazamentos na grande área, têm relações com processos jurídicos no meio de campo e escolhem os melhores parças pra segurar na defesa. Seria imbatível.”

“No tocante a isso aí, é um acerto que o Ernesto Araújo fez com a União Européia e o pai do Neymar, tá ok? O Brasil tem essa qualidade única daqui, como o Nióbio, que é o juiz que apita e joga ao mesmo tempo. Então nós temos que explorar isso daí, tá ok?”, afirmou o presidente Jair Bolsonaro, sobre a transferência de Moro para o time francês. “Esse é o único acordo de Paris que pretendemos respeitar kkkkk”, disse o presidente posteriormente via Twitter.

Arquivo
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009
O The piauí Herald não é uma seção noticiosa, mas exclusivamente de humor, com sátiras da realidade política do Brasil.