colunistas

Hora de acordar

Um caminho para cobrir o governo Bolsonaro

Malu Gaspar
28nov2018_18h20

Na quinta-feira, 22 de novembro, o presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou pelo Twitter mais um ministro de seu futuro governo. “Gostaria de comunicar a todos a indicação de Ricardo Vélez Rodríguez, filósofo, autor de mais de trinta obras, atualmente professor emérito da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, para o cargo de ministro da Educação.” A reação da imprensa, dos acadêmicos da área de educação e uma boa parte do público foi um sonoro “Quem!?” Até então, a chamada grande mídia havia investido trabalho e tempo discutindo nomes como o do diretor do Instituto Ayrton Senna Mozart Neves Ramos e o do procurador da República Guilherme Schelb, soprados aos ouvidos dos jornalistas por membros da equipe de transição ou do entorno de Bolsonaro. Dois jornais, inclusive, chegaram a anunciar que Neves Ramos havia sido escolhido, para em seguida serem desmentidos pelo próprio presidente eleito via Twitter.

Nas horas que se seguiram ao anúncio de Bolsonaro, artigos foram escritos com dados básicos do currículo de Vélez Rodríguez. Peças de sua retórica antipetista e pró-Escola Sem Partido emergiram nas redes sociais, num tom de rematado espanto. No final daquela noite, eu era uma das que postavam no Twitter trechos de artigos de Vélez Rodríguez e buscavam mais informações sobre ele, quando topei com um blog do professor, que havia sido mencionado em matéria do El País. No texto mais recente, de 7 de novembro e intitulado “Um roteiro para o MEC”, Vélez Rodríguez já dizia ter sido indicado para “a possível escolha pelo senhor presidente eleito Jair Bolsonaro” por “vozes de algumas pessoas ligadas à educação e à cultura, entre os quais se destaca o professor e amigo Olavo de Carvalho”. A questão que mais me incomodou, imediatamente, não tinha nada a ver com o novo ministro, e sim com a cobertura jornalística. Como foi possível que um sujeito que tinha toda essa chance de ser escolhido ministro de uma pasta importante como a da Educação tivesse dito com todas as letras que estava entre os cotados, e o nome dele sequer tivesse sido mencionado nos grandes jornais, sites e tevês que passam dia e noite falando do governo de transição? Será que nós, jornalistas, vamos continuar a repetir, no governo Bolsonaro, os mesmos erros cometidos na campanha eleitoral?

Pesquisando mais um pouco, descobri que Vélez Rodríguez era apontado como possível ministro por alguns dos influenciadores digitais de direita, como o blogueiro Bernardo Küstner, que tem um canal no YouTube com mais de 550 000 seguidores, ou Filipe Martins, que além de blogueiro é assessor internacional do PSL e muito próximo dos filhos de Bolsonaro. E, no entanto, o espanto diante da indicação de Vélez Rodríguez foi o mesmo que assomou diante do crescimento de Bolsonaro nas pesquisas e do arrastão direitista que tomou as urnas no primeiro turno. Não que Bolsonaro fosse ignorado pela grande mídia. Mas a visão predominante sempre foi a de que a candidatura tinha um “teto”. Quando ele provou que essa premissa estava errada, a parte da opinião pública que ou se alinha à esquerda ou ao centro do espectro ideológico passou a apontar o dedo para os supostos “culpados” pela reversão de expectativa. Um deles foi a “mídia” – que, ao cobrir a candidatura do ex-capitão da mesma forma que cobria as outras, “normalizou” Bolsonaro ao invés de apontar de forma eficiente suas “monstruosidades”. Cansei de ler e ouvir, em debates, listas de WhastApp, textões no Facebook e trolagens no Twitter esse mesmo argumento. E mil vezes pensei em responder com outro textão, mas desisti diante de tarefas que considerei mais urgentes. Agora encasquetei.

Há muita falha e autocrítica a ser feita pela imprensa quanto à cobertura dessas eleições. O que se constata, aliás, é que vimos falhando há muito tempo. Mas as ideias de que ela possa ser responsabilizada pela ascensão de Bolsonaro ou que tenha “normalizado” Bolsonaro apenas mostram que, como os jornalistas, os críticos da imprensa não estão entendendo nada.

No início do ano, a Folha de S.Paulo publicou que uma servidora do gabinete de Bolsonaro trabalhava, na verdade, na sua casa em Angra dos Reis. O mesmo jornal verificou que os Bolsonaro tinham treze imóveis avaliados em 15 milhões de reais, mesmo atuando exclusivamente na vida pública. A Folha também mostrou que sua segunda ex-mulher fugiu para a Noruega com medo das ameaças de Bolsonaro. Depois, a Veja apurou que ela o havia acusado de ter um patrimônio maior do que o declarado à Justiça Eleitoral, e de ter roubado um cofre com dinheiro e joias que ela mantinha em uma agência do Banco do Brasil. Foram amplamente divulgadas sua admiração pelo coronel Brilhante Ustra, que dirigiu o mais notório centro de torturas do regime militar, suas opiniões sobre os direitos das mulheres e sobre homossexuais. Inúmeros artigos e entrevistas, no Brasil e no exterior, reverberaram a ideia de que as eleições no Brasil eram um embate entre a civilização e a barbárie, a democracia e a ditadura, direitos civis e fascismo – com Bolsonaro sendo sempre a segunda opção. Sua trajetória e suas opiniões foram minuciosamente escrutinadas, justamente como deve ser com todo aquele que postula um cargo público. Que se saiba, nenhum aspecto que esses críticos da mídia considerariam fatal para a candidatura do PSL deixou de ser divulgado.

Ainda assim, tenho a impressão de que ficarei velhinha ouvindo dizer que Bolsonaro foi “normalizado” – no pressuposto de que o único tratamento correto para o ex-capitão do Exército fosse o de aberração, e na presunção de que, se ele tivesse sido retratado com tintas mais fortes, poderia não ter ganhado a eleição. Pois a autocrítica que eu defendo parte exatamente desse ponto. Quem faz esse tipo de afirmação atribui à imprensa um poder que ela não tem. Se a imprensa sofreu uma derrota nestas eleições, não foi porque Bolsonaro ganhou. Ela foi derrotada porque muitas vezes deixou de cumprir sua função primordial como instituição – que, ao contrário do que pedem alguns críticos, não é ser militante de nada a não ser da busca pelos fatos. Falhamos porque, para os leitores e telespectadores, a eleição trouxe um Vélez Rodríguez por dia, uma quantidade impressionante de assuntos e pessoas que não faziam parte do cardápio dos jornais até se apresentarem como fatos consumados.

Elas estavam por aí, na internet e nas ruas. Quando Lula deixou a disputa e as pesquisas constataram que Bolsonaro era o favorito, em setembro, já fazia pelo menos dois anos que ele e seus aliados mantinham redes sociais ativas, com milhões de seguidores, e multiplicavam os grupos de WhatsApp que se revelaram um diferencial das eleições. Olavo de Carvalho, o guru de Bolsonaro, já era um fenômeno editorial e nas redes, mas só agora estamos descobrindo que ele tem poder e influência na nomeação de ministros. Há tempos ele vem criticando o movimento Escola Sem Partido, mas essa divergência que pode ter efeitos sobre a política educacional do governo também vinha passando despercebida. Carlos Bolsonaro foi responsável pela ascensão digital do pai e é uma metralhadora giratória até para dentro do bolsonarismo, mas só agora descobrimos sua importância. Os generais se batem contra o grupo de Gustavo Bebianno desde que a campanha começou, mas até agora não sabíamos disso. O bolsonarismo e a nova direita fizeram 52 deputados federais e emergiram com uma força imprevista, mas ainda não os conhecemos muito bem e nem entendemos a dinâmica entre eles.

Há algumas explicações para esse “branco” que atingiu as redações brasileiras. Não discordo que os jornalistas sejam um contingente predominantemente de esquerda ou de centro, e não descarto que a ideologia possa ter minado a cobertura das eleições. É verdade também que o jornalismo tem sido progressivamente contaminado pelo ambiente polarizado das redes sociais e vem transformando opinião em commodity – fazendo parecer necessário todo mundo dar opinião sobre tudo, e gerando uma confusão entre o espaço da opinião e o da informação. Mas, para mim, a principal razão para explicar o que se passou na cobertura das eleições tem a ver com o caráter disruptivo da candidatura Bolsonaro. Nas últimas duas décadas, o jornalismo nacional se acostumou a transitar no ambiente da social-democracia. O jornalismo político mainstream é um integrante ativo do sistema político, e subestimou as chances de vitória de Bolsonaro da mesma forma que todo o sistema. Depois de tantos anos vendo os sociais-democratas petistas e tucanos se alternarem no poder, os jornalistas passaram a se comportar como se o “sistema” fosse invencível, e nem mesmo a onda direitista que vem varrendo algumas partes do mundo nos fez duvidar dessa premissa. Pela mesma razão, subestimamos as redes sociais como arena política, e deixamos de cobri-la como tal. O fato é que Bolsonaro não pode mais ser encarado como esdrúxulo e absurdo. Ele é a nova realidade do poder e assim tem de ser compreendido.

O desafio que temos pela frente é grande, mas a oportunidade, também. A ruptura que Bolsonaro representa na política ocorreu em paralelo e é uma consequência das transformações vividas pela mídia nos últimos tempos. Assim como o presidente eleito está deslocando o eixo do poder no Brasil para a direita, buscando imprimir uma nova lógica na negociação com o Congresso e na comunicação com os eleitores, as redes sociais e seus protagonistas empurram o jornalismo para uma reinvenção. Da mesma forma que Bolsonaro forçou uma mudança, essa reinvenção vai acontecer de uma forma ou de outra, porque há uma crescente demanda por informação, investigação e serviço público que não será suprida pelas redes sociais. Nos Estados Unidos, em que a mídia passou por uma  auto-análise parecida com a que estamos enfrentando agora após a eleição de Donald Trump, já se notam os resultados.

A polarização política continua, como mostram a dicotomia entre a Fox News e a CNN. Mas o jornalismo reagiu, com transformações como a do The New York Times, que aumentou sua base de assinantes investindo fortemente em núcleos investigativos e em novos formatos e plataformas online. Ou a do Washington Post, que adotou uma postura mais combativa contra o governo Trump. Startups criadas antes da ascensão do atual presidente, como a ProPublica, exclusivamente destinado à investigação, ou o Texas Tribune, que se dedica à cobertura de políticas públicas, também surgiram como novidade importante, conquistando respeito, credibilidade e engajamento de leitores órfãos de informação de qualidade.

Tais iniciativas têm um traço em comum: são produto de um jornalismo que desapegou das antigas formas de cobertura para oferecer ao leitor ou espectador bem mais do que se divulga nas redes sociais. Que aceita a nova multiplicidade de atores no ambiente político e tenta retratar essa nova ordem de forma organizada e séria, apesar do estranhamento. Que se dispõe a fazer esforço para escapar ao método das cortinas de fumaça e armadilhas diárias colocadas no caminho por um governante que encara a mídia como inimigo. E que tenta não perder o foco no interesse público, apesar da cacofonia perturbadora do novo momento.

Creio que aí temos um norte. Há um mundo a desbravar, que vem se movimentando há tempos sem que tivéssemos nos dado ao trabalho de investigá-lo com rigor e abrangência. Há uma nova ordem política emergindo, por força das urnas, e o jornalismo não pode mais perder tempo se escandalizando com ele. Que a esquerda esteja perdida ou em crise de identidade é compreensível e natural. Mas o jornalismo profissional não tem (ou não deveria ter) nada a ver com isso. O trabalho diante de nós é gigantesco, e tem de começar com uma reflexão sobre os vacilos, os pré-julgamentos, os erros e a (auto)complacência que turvaram a nossa visão nos últimos tempos. Só assim poderemos aprender com o que aconteceu e não mais deixar a história desfilar na nossa frente como se fosse um vídeo bizarro do YouTube.

 

Malu Gaspar (siga @malugaspar no Twitter)

Malu Gaspar, repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da Editora Record

Mais textos de Malu Gaspar

The guarantor

The rise and controversies of the economist Paulo Guedes, the ultraliberal who has entered into a marriage of convenience with Jair Bolsonaro

No submundo do marketing político

Como funciona o mercado ilegal de santinhos virtuais via zap

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

Bolsonaro: “Esse demônio não sabia fazer essas coisas”

Antes da cirurgia, aos médicos, o candidato ironizou seu algoz: “Nem pegou direito, não vai dar nada”

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

O outro candidato na vida do Posto Ipiranga

Antes de se aliar a Bolsonaro, o economista Paulo Guedes tentou fazer negócios com Henrique Meirelles. Mas ficou falando sozinho

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

Por um fio

Acusado de mentir sobre a Odebrecht, o presidente do Peru pode cair nesta quinta-feira – ao acompanhar a crise no país vizinho, impossível não sentir que já vimos essa história aqui

Fim de festa

Com a saída de Marcelo Odebrecht da prisão, a Lava Jato se aproxima de seu capítulo final. O discurso agora é de “cautela” nas investigações

Meirelles, o falante

O ministro da Fazenda dá sinais de que quer ser candidato – mas arrisca matar sua candidatura ao se expor demais

Mais textos