questões de gênero

Matemática da inclusão

Prêmios recebidos pelas duas únicas pesquisadoras do Impa destacam a importância da igualdade de gênero na disciplina

Bernardo Esteves
25set2020_16h13
Carolina Araujo, vencedora do prêmio Ramanujan –
Carolina Araujo, vencedora do prêmio Ramanujan – Intervenção de Paula Cardoso sobre foto de Carolina Araujo

Dois prêmios recebidos em setembro por pesquisadoras que atuam no Brasil confirmam o bom momento da matemática feita no país, à qual não tem faltado reconhecimento internacional. Mas dessa vez as conquistas também chamam a atenção para a importância da diversidade nessa disciplina e nas ciências em geral. As laureadas – a brasileira Carolina Araujo e a italiana Luna Lomonaco – são as duas únicas mulheres na equipe de 46 pesquisadores do Instituto de Matemática Pura e Aplicada, o Impa, a mais prestigiosa instituição do país dedicada à disciplina.

Carolina Bhering de Araujo, uma matemática de 44 anos nascida em Niterói, foi agraciada com o Prêmio Ramanujan, láurea distribuída a jovens pesquisadores que trabalham em países em desenvolvimento. Ela é a segunda mulher a receber o prêmio, distribuído anualmente desde 2005. É a quinta vez que a distinção vai para pesquisadores atuantes no Brasil – já a receberam nomes como Marcelo Viana, diretor do Impa, e Fernando Codá Marques, hoje na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos. “Me sinto extremamente honrada de fazer parte desse time”, disse Araujo à piauí.

O prêmio celebra as “contribuições excepcionais”da pesquisadora fluminense para a geometria algébrica, um ramo da matemática situado na confluência da álgebra com a geometria. O resultado mais significativo obtido por ela foi a “caracterização dos espaços projetivos e hiperquádricas”, um trabalho de difícil explicação para não matemáticos. Ela começou a atacar o problema durante seu doutorado, cursado em Princeton e concluído em 2004. “Naquele momento ainda não tínhamos ferramentas para resolver o problema”, contou a matemática, e por isso ela tratou de criá-las. A solução definitiva veio em 2008, com a contribuição de dois colegas. “As técnicas que desenvolvemos para resolver o problema abriram toda uma linha de pesquisa.”

Araujo foi premiada também por suas contribuições para promover a inclusão de gênero na matemática. “Há poucas mulheres nessa área, e creio que isso aconteça porque as meninas são desestimuladas desde pequenas”, disse a pesquisadora. Filha de uma engenheira, ela teve seu interesse pela disciplina incentivado na infância e não vivenciou esse obstáculo, mas a realidade é diferente para a maioria das crianças. “Infelizmente ainda há o estereótipo de que matemática é coisa de menino.”



Vice-presidente do Comitê para Mulheres na Matemática da União Internacional de Matemática, Araujo está à frente de ações que buscam mudar esse panorama. Mas sua luta por mais diversidade na matemática não se limita à equidade de gênero. “Queremos também a inclusão das pessoas negras e de grupos sociais que são consistentemente excluídos da matemática”, afirmou. “Essa exclusão se repete num círculo vicioso e cria a percepção de não pertencimento nas pessoas desses grupos.” 

Para Araujo, a diversidade é benéfica para a matemática e para as ciências, porque tende a gerar soluções mais criativas e eficientes. Ela contou que só conseguiu resolver o problema que enfrentou em seu doutorado porque contou com a colaboração de pesquisadores que trouxeram perspectivas diferentes para atacá-lo. “É importante que as pessoas tragam suas histórias e seus olhares para resolver problemas”, afirmou. “Não queremos uma ciência em que todos pensem igual.”

Promover uma matemática mais inclusiva é também uma bandeira de Luna Lomonaco, pesquisadora do Impa que no começo do mês foi a primeira mulher agraciada com o Prêmio Reconhecimento da Umalca, a União Matemática da América Latina e do Caribe. A láurea contemplou suas pesquisas na área de sistemas dinâmicos, campo da matemática dedicado à investigação dos fenômenos caóticos. 

No discurso que fez na cerimônia de entrega do prêmio, Lomonaco contou que, durante sua graduação, na Università degli Studi di Padova, por muito tempo se sentiu diminuída pela forma como os professores minavam sua autoestima e alimentavam sua síndrome do impostor. “Fiquei muito tempo com a sensação de que eu não era boa o bastante, de que eu estava incomodando, roubando tempo e oxigênio daqueles que têm valor de verdade.” A aluna sentia-se olhada com desprezo quando fazia perguntas sobre coisas que não entendia – até que parou de fazê-las. “Comecei a me convencer de que era idiota, também porque era tratada como idiota.” 

Luna Lomonaco / Foto: Divulgação/IMPA

 

Lomonaco disse que, nos dezesseis anos que transcorreram desde sua entrada na universidade, ouviu histórias parecidas, vindas principalmente de colegas mulheres. “Somos frequentemente diminuídas quando não sabemos algo, e isso faz mal à comunidade como um todo”, afirmou. “Quero dizer a todos, em particular a todas, que matemática é sobre entender coisas e não se pode apressar o entendimento. Às vezes, demora. Mas sigam tentando e confiando que poderão entender.”

O prêmio às duas pesquisadoras do Impa chega num bom momento da matemática brasileira, apesar dos cortes de verbas do governo federal para a ciência nos últimos anos. Em 2018, o Brasil foi promovido à elite da matemática mundial e sediou o principal evento mundial da disciplina. Quatro anos antes, o carioca Artur Avila se tornou o primeiro pesquisador formado num país em desenvolvimento a ganhar a Medalha Fields, o principal prêmio da disciplina.

“Temos muito poucas mulheres matemáticas no Brasil, e esses prêmios demonstram que elas fazem pesquisa de alta qualidade”, disse Avila à piauí. O pesquisador acredita que esse tipo de reconhecimento pode estimular mais meninas a seguir carreira acadêmica na disciplina. Mas o caminho será longo até que haja igualdade de gênero na matemática: a única mulher dentre os sessenta ganhadores da Medalha Fields é a iraniana Maryam Mirzakhani, laureada também em 2014.

Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo É Dia de Ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Editoras na berlinda

As editoras de revistas científicas foram objeto de uma polêmica inflamada na internet durante a semana que passou. A discussão foi desencadeada por uma coluna do ambientalista George Monbiot no jornal The Guardian, que as definiu como “os capitalistas mais impiedosos do mundo ocidental” e as acusou de violar o direito humano de acesso ao conhecimento. A mais ácida das reações despertadas pelo artigo veio de um editor do grupo Nature, para quem Monbiot usou argumentos simplistas e ignorou mudanças recentes do mercado editorial.

9

Crise na Bahia: Cláudia Leitte rouba sotaque de Ivete Sangalo

TODOS OS SANTOS - A greve de policiais na Bahia gerou uma onda de saques, pânico e rebolation nunca antes registrada. Em Itapuã, foram surrupiados o torso de seda, o brinco de ouro, o pano-da-costa, a bata engomada e a sandália enfeitada que a baiana tinha. Denúncias anônimas dão conta de que onomatopeias de Carlinhos Brown são traficadas à luz do Farol da Barra. Já em Amaralina, duas rimas de Caetano Veloso foram furtadas. Ou não.

10

Cremosa como um brie

Água incolor, insípida e inodora é para deseducados