chegada

A diplomacia do pin

O dia em que o Itamaraty competiu em pontualidade com o cerimonial do casamento de William e Kate em Westminster

Clara Becker
Festa no Itamaraty: os 109 formandos deste ano representam 8% do serviço diplomático do país
Festa no Itamaraty: os 109 formandos deste ano representam 8% do serviço diplomático do país FOTO: ORLANDO BRITO_OBRITONEWS_2011

As instruções do cerimonial à Turma Embaixador Paulo Nogueira Batista, 2009–2011, eram claras. Traje escuro para os homens; passeio para as mulheres. No último dia 20 de abril, os condecorados e seus familiares deveriam chegar ao Palácio Itamaraty a partir das 11 horas e dirigir-se diretamente ao subsolo. Lá, seriam submetidos a uma triagem cromática: os portadores de pins laranja teriam assentos reservados na parte superior do Auditório Wladimir Murtinho; os portadores de pins azuis teriam direito apenas a acompanhar a cerimônia através de telões na Sala San Tiago Dantas.

A turma dos 109 novos diplomatas que se formou naquela quarta-feira representa um naco de 8% do serviço exterior brasileiro. Ela faz parte das chamadas “turmas de 100” – também alcunhadas de “overbooking”, “coração de mãe” e “101 dálmatas”. Foram instituídas cinco anos atrás para povoar a expansão geográfica da política externa do presidente Lula e já somam 500 servidores, o equivalente a um terço de todos os diplomatas brasileiros em atividade. Até 2005, formavam-se em média apenas trinta diplomatas ao ano.

A embaixadora Maria de Lujan Caputo Winkler, chefe do cerimonial do Itamaraty, coordenou o evento deste ano com um cronograma digno dos Windsor e um caleidoscópio de pins.

Como cada formando tinha direito a três convidados – um pin laranja e dois azuis –, instaurou-se um cenário de conflito, pondo à prova a habilidade diplomática dos formandos. A quem entregar o pin laranja? Quem teria direito ao território fronteiriço aos formandos, mais próximo à presidenta? Os dias que antecederam à formatura foram de negociações intensas, nem sempre se chegando a um acordo. Houve quem se inspirasse na partilha da África europeia, que resolveu a divisão territorial usando uma régua, e distribuísse os com a frieza do acaso, desconsiderando vínculos sanguíneos. Outros, à la Israel–Palestina, não conseguiram evitar a escalada para o impasse e contaram com a sorte de familiares ausentes de outros colegas para conseguir que sogra e nora se sentassem lado a lado.



“São muitas pessoas, por isso elaboramos esse sistema complexo de pins para identificá-las”, explicou a embaixadora. “A confecção deles foi solicitada à Presidência. Cada cor dá acesso a um lugar.” Os pins  verdes do pessoal de apoio, e os cinza da chefia, eram os únicos de acesso irrestrito. Os formandos ganharam pins pretos. As autoridades e professores tinham pins brancos com faixa laranja e podiam circular pelo subsolo, parte inferior do auditório e 3º andar. Os pins vermelhos e brancos, que participavam da cerimônia de Imposição de Insígnias e Medalhas da Ordem do Rio Branco, só tinham acesso ao térreo e mezanino.

O script do cerimonial determinava:

Às 11h58, a senhora presidenta da República, o vice-presidente da República, o ministro de Estado das Relações Exteriores, o secretário-geral das Relações Exteriores, bem como o diretor-geral do Instituto Rio Branco entrarão no auditório e tomarão seus lugares à mesa. Às 12h00, a senhora presidenta da República declarará aberta a sessão.

Os veteranos da casa, lembrando-se do atraso de quase duas horas de Luiz Inácio Lula da Silva na formatura do ano passado, leram o horário quebrado do roteiro com curiosidade antropológica. Como se sabe, a meia horinha de atraso faz parte do DNA brasileiro, e remonta a Pedro Álvares Cabral, que descobriu o Brasil com 30 minutos de atraso.

Segundo o cronograma, os familiares deveriam ocupar seus lugares treze minutos antes da chegada da presidenta no auditório. Às 11h50, em meio ao irrefreável afã da plateia em fotografar tudo e todos, a voz do locutor anunciou: “Senhoras e senhores, queiram ocupar seus lugares. Em poucos minutos daremos início à cerimônia. Roga-se a todos que desliguem seus celulares.” Nos cinco minutos seguintes, o pedido foi reiterado mais duas vezes. Na segunda, os “poucos minutos” foram substituídos por “instantes”. Na terceira, os “instantes” se transformaram em “poucos instantes” e o burburinho diminuiu. E não é que às 11h58 em ponto a presidenta Dilma Rousseff adentrou o salão? Sua pontualidade ofuscou os tantos discursos sobre política externa que se seguiram. Foi o grande assunto da tarde.

 

Seguiu-se a cerimônia da entrega de medalhas a quatro formandos (dois primeiros colocados no concurso de ingresso, e dois no curso de formação do Instituto Rio Branco). Segundo o protocolo, eles deveriam cumprimentar a presidenta da República, o vice-presidente da República e o ministro de Estado com um aperto de mão. Os demais integrantes da mesa devem ser saudados com leve aceno de cabeça. Todos seguiram o manual, menos Dilma, que sapecou um beijo em Natasha Pinheiro Agostini, única mulher entre os medalhistas de 2011.

De resto, tudo ocorreu como previsto no informe do cerimonial: Às 13h00, após anúncio do locutor, familiares e professores devem subir pela escada ao fundo do auditório, e, depois, pela escada em caracol e pela escada azul, até o 3º andar, para participarem da recepção-buffet.

Nos tempos das turmas de trinta, os formandos almoçavam à mesa com o chefe da nação e eram servidos à francesa. A alocação de lugares seguia o critério de antiguidade, com os primeiros colocados sentados mais perto do chefe da nação.

Já nas “turmas de 100”, os formandos contentam-se com uma foto oficial, na qual os melhores colocados têm direito à maior proximidade com o dono do poder. “Numeramos o estrado já com a colocação de cada um para não haver confusão na hora. Só chamamos a presidenta quando todos estão a postos”, explicou a chefe do cerimonial.

Por fim, formandos e familiares foram alimentados com as diversas opções da recepção-buffet. No evento deste ano, a tapioca, o risoto de queijo brie com pera, a moqueca capixaba com farofa de banana e a galinha-d’angola com purê de cará foram servidos em cumbucas que permitiam aos presentes comer em pé. A música da banda Acordes de Roboré, menos controversa do que o acordo homônimo de 1958 entre Brasil e Bolívia, pareceu agradar a todos.

Dilma preferiu almoçar no apartamento privativo reservado ao chanceler, no térreo. O espaço com sala de estar e quarto – para o caso de o ministro não ter tido tempo de descansar entre viagens – é usado para receber autoridades nos almoços e jantares.

Clara Becker

Clara Becker é jornalista e vive no Irã. É coautora dos livros The Football Crónicas e Los Malos

Leia também

Últimas Mais Lidas

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Mais textos
4

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

6

A Terra é redonda: O mundo dá voltas

Os terraplanistas estão se aproximando do poder: chegou a hora de falar deles

7

Depois do atentado

Como a morte de Marielle Franco mudou nossas vidas

8

O bigode da modernidade ataca novamente

As peripécias manhosas do brônzeo estadista que veio do Maranhão e não largou a rapadura

9

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA