chegada

A diplomacia do pin

O dia em que o Itamaraty competiu em pontualidade com o cerimonial do casamento de William e Kate em Westminster

Clara Becker
Festa no Itamaraty: os 109 formandos deste ano representam 8% do serviço diplomático do país
Festa no Itamaraty: os 109 formandos deste ano representam 8% do serviço diplomático do país FOTO: ORLANDO BRITO_OBRITONEWS_2011

As instruções do cerimonial à Turma Embaixador Paulo Nogueira Batista, 2009–2011, eram claras. Traje escuro para os homens; passeio para as mulheres. No último dia 20 de abril, os condecorados e seus familiares deveriam chegar ao Palácio Itamaraty a partir das 11 horas e dirigir-se diretamente ao subsolo. Lá, seriam submetidos a uma triagem cromática: os portadores de pins laranja teriam assentos reservados na parte superior do Auditório Wladimir Murtinho; os portadores de pins azuis teriam direito apenas a acompanhar a cerimônia através de telões na Sala San Tiago Dantas.

A turma dos 109 novos diplomatas que se formou naquela quarta-feira representa um naco de 8% do serviço exterior brasileiro. Ela faz parte das chamadas “turmas de 100” – também alcunhadas de “overbooking”, “coração de mãe” e “101 dálmatas”. Foram instituídas cinco anos atrás para povoar a expansão geográfica da política externa do presidente Lula e já somam 500 servidores, o equivalente a um terço de todos os diplomatas brasileiros em atividade. Até 2005, formavam-se em média apenas trinta diplomatas ao ano.

A embaixadora Maria de Lujan Caputo Winkler, chefe do cerimonial do Itamaraty, coordenou o evento deste ano com um cronograma digno dos Windsor e um caleidoscópio de pins.

Como cada formando tinha direito a três convidados – um pin laranja e dois azuis –, instaurou-se um cenário de conflito, pondo à prova a habilidade diplomática dos formandos. A quem entregar o pin laranja? Quem teria direito ao território fronteiriço aos formandos, mais próximo à presidenta? Os dias que antecederam à formatura foram de negociações intensas, nem sempre se chegando a um acordo. Houve quem se inspirasse na partilha da África europeia, que resolveu a divisão territorial usando uma régua, e distribuísse os com a frieza do acaso, desconsiderando vínculos sanguíneos. Outros, à la Israel–Palestina, não conseguiram evitar a escalada para o impasse e contaram com a sorte de familiares ausentes de outros colegas para conseguir que sogra e nora se sentassem lado a lado.

“São muitas pessoas, por isso elaboramos esse sistema complexo de pins para identificá-las”, explicou a embaixadora. “A confecção deles foi solicitada à Presidência. Cada cor dá acesso a um lugar.” Os pins  verdes do pessoal de apoio, e os cinza da chefia, eram os únicos de acesso irrestrito. Os formandos ganharam pins pretos. As autoridades e professores tinham pins brancos com faixa laranja e podiam circular pelo subsolo, parte inferior do auditório e 3º andar. Os pins vermelhos e brancos, que participavam da cerimônia de Imposição de Insígnias e Medalhas da Ordem do Rio Branco, só tinham acesso ao térreo e mezanino.

O script do cerimonial determinava:

Às 11h58, a senhora presidenta da República, o vice-presidente da República, o ministro de Estado das Relações Exteriores, o secretário-geral das Relações Exteriores, bem como o diretor-geral do Instituto Rio Branco entrarão no auditório e tomarão seus lugares à mesa. Às 12h00, a senhora presidenta da República declarará aberta a sessão.

Os veteranos da casa, lembrando-se do atraso de quase duas horas de Luiz Inácio Lula da Silva na formatura do ano passado, leram o horário quebrado do roteiro com curiosidade antropológica. Como se sabe, a meia horinha de atraso faz parte do DNA brasileiro, e remonta a Pedro Álvares Cabral, que descobriu o Brasil com 30 minutos de atraso.

Segundo o cronograma, os familiares deveriam ocupar seus lugares treze minutos antes da chegada da presidenta no auditório. Às 11h50, em meio ao irrefreável afã da plateia em fotografar tudo e todos, a voz do locutor anunciou: “Senhoras e senhores, queiram ocupar seus lugares. Em poucos minutos daremos início à cerimônia. Roga-se a todos que desliguem seus celulares.” Nos cinco minutos seguintes, o pedido foi reiterado mais duas vezes. Na segunda, os “poucos minutos” foram substituídos por “instantes”. Na terceira, os “instantes” se transformaram em “poucos instantes” e o burburinho diminuiu. E não é que às 11h58 em ponto a presidenta Dilma Rousseff adentrou o salão? Sua pontualidade ofuscou os tantos discursos sobre política externa que se seguiram. Foi o grande assunto da tarde.

 

Seguiu-se a cerimônia da entrega de medalhas a quatro formandos (dois primeiros colocados no concurso de ingresso, e dois no curso de formação do Instituto Rio Branco). Segundo o protocolo, eles deveriam cumprimentar a presidenta da República, o vice-presidente da República e o ministro de Estado com um aperto de mão. Os demais integrantes da mesa devem ser saudados com leve aceno de cabeça. Todos seguiram o manual, menos Dilma, que sapecou um beijo em Natasha Pinheiro Agostini, única mulher entre os medalhistas de 2011.

De resto, tudo ocorreu como previsto no informe do cerimonial: Às 13h00, após anúncio do locutor, familiares e professores devem subir pela escada ao fundo do auditório, e, depois, pela escada em caracol e pela escada azul, até o 3º andar, para participarem da recepção-buffet.

Nos tempos das turmas de trinta, os formandos almoçavam à mesa com o chefe da nação e eram servidos à francesa. A alocação de lugares seguia o critério de antiguidade, com os primeiros colocados sentados mais perto do chefe da nação.

Já nas “turmas de 100”, os formandos contentam-se com uma foto oficial, na qual os melhores colocados têm direito à maior proximidade com o dono do poder. “Numeramos o estrado já com a colocação de cada um para não haver confusão na hora. Só chamamos a presidenta quando todos estão a postos”, explicou a chefe do cerimonial.

Por fim, formandos e familiares foram alimentados com as diversas opções da recepção-buffet. No evento deste ano, a tapioca, o risoto de queijo brie com pera, a moqueca capixaba com farofa de banana e a galinha-d’angola com purê de cará foram servidos em cumbucas que permitiam aos presentes comer em pé. A música da banda Acordes de Roboré, menos controversa do que o acordo homônimo de 1958 entre Brasil e Bolívia, pareceu agradar a todos.

Dilma preferiu almoçar no apartamento privativo reservado ao chanceler, no térreo. O espaço com sala de estar e quarto – para o caso de o ministro não ter tido tempo de descansar entre viagens – é usado para receber autoridades nos almoços e jantares.

Clara Becker

Clara Becker é jornalista e vive no Irã. É coautora dos livros The Football Crónicas e Los Malos

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Foro de Teresina #102: Tensão máxima no Planalto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

4

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

5

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

6

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

7

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

8

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

9

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA