perfil

A exilada

Por que a ativista Buba Aguiar teve de deixar a favela de Acari, no Rio

Tiago Coelho
“Se mataram a Marielle, o que vai acontecer comigo?”, repetia Buba Aguiar poucas horas depois da morte da vereadora do PSOL. Àquela altura, a militante e outros dois parceiros do coletivo Fala Akari já haviam decidido fugir da comunidade
“Se mataram a Marielle, o que vai acontecer comigo?”, repetia Buba Aguiar poucas horas depois da morte da vereadora do PSOL. Àquela altura, a militante e outros dois parceiros do coletivo Fala Akari já haviam decidido fugir da comunidade VINCENT ROSENBLATT_2018

Assim que entrou por uma das principais vias do Complexo de Acari, Buba Aguiar correu os olhos miúdos pelas imediações. Parecia conferir se tudo continuava do mesmo jeito desde que partira, à revelia, na madrugada do dia 15 de março. A favela se alastra à margem da avenida Brasil, na Zona Norte do Rio de Janeiro, e tem cerca de 27 mil habitantes. Naquela tarde de julho, a ativista negra de 26 anos, baixa e  com cabelos encaracolados, retornava à comunidade onde havia morado por mais de uma década. Integrante do coletivo Fala Akari, que luta pelos interesses da favela, a jovem estava ali para acompanhar o trabalho da Defensoria Pública do estado. Desde a intervenção federal no Rio, decretada pelo presidente Michel Temer em fevereiro, grupos de defensores percorrem as áreas pobres da cidade com o intuito de explicar quais são os direitos de seus moradores durante as abordagens das forças de segurança.

Os doze representantes da Defensoria que participavam da ação se dividiram em duas frentes. Cada uma adentrou o complexo por um ponto. Aguiar se juntou à equipe liderada pelo defensor Daniel Lozoya. O grupo se aproximava dos moradores e entregava panfletos com perguntas e respostas. Uma das indagações: “O que os agentes de segurança podem?” A resposta: revistar uma pessoa sem mandado judicial nos casos de prisão ou quando houver clara suspeita sobre seus atos; levá-la à delegacia para verificação se ela estiver sem documentos; revistar qualquer veículo sem mandado judicial desde que o dono acompanhe a operação; prender um indivíduo apenas se ele for pego em flagrante cometendo algum crime ou por mandado judicial; entrar na casa de alguém somente com mandado judicial.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Tiago Coelho

Repórter da piauí e roteirista

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

5

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos