perfil

A exilada

Por que a ativista Buba Aguiar teve de deixar a favela de Acari, no Rio

Tiago Coelho
“Se mataram a Marielle, o que vai acontecer comigo?”, repetia Buba Aguiar poucas horas depois da morte da vereadora do PSOL. Àquela altura, a militante e outros dois parceiros do coletivo Fala Akari já haviam decidido fugir da comunidade
“Se mataram a Marielle, o que vai acontecer comigo?”, repetia Buba Aguiar poucas horas depois da morte da vereadora do PSOL. Àquela altura, a militante e outros dois parceiros do coletivo Fala Akari já haviam decidido fugir da comunidade VINCENT ROSENBLATT_2018

Assim que entrou por uma das principais vias do Complexo de Acari, Buba Aguiar correu os olhos miúdos pelas imediações. Parecia conferir se tudo continuava do mesmo jeito desde que partira, à revelia, na madrugada do dia 15 de março. A favela se alastra à margem da avenida Brasil, na Zona Norte do Rio de Janeiro, e tem cerca de 27 mil habitantes. Naquela tarde de julho, a ativista negra de 26 anos, baixa e  com cabelos encaracolados, retornava à comunidade onde havia morado por mais de uma década. Integrante do coletivo Fala Akari, que luta pelos interesses da favela, a jovem estava ali para acompanhar o trabalho da Defensoria Pública do estado. Desde a intervenção federal no Rio, decretada pelo presidente Michel Temer em fevereiro, grupos de defensores percorrem as áreas pobres da cidade com o intuito de explicar quais são os direitos de seus moradores durante as abordagens das forças de segurança.

Os doze representantes da Defensoria que participavam da ação se dividiram em duas frentes. Cada uma adentrou o complexo por um ponto. Aguiar se juntou à equipe liderada pelo defensor Daniel Lozoya. O grupo se aproximava dos moradores e entregava panfletos com perguntas e respostas. Uma das indagações: “O que os agentes de segurança podem?” A resposta: revistar uma pessoa sem mandado judicial nos casos de prisão ou quando houver clara suspeita sobre seus atos; levá-la à delegacia para verificação se ela estiver sem documentos; revistar qualquer veículo sem mandado judicial desde que o dono acompanhe a operação; prender um indivíduo apenas se ele for pego em flagrante cometendo algum crime ou por mandado judicial; entrar na casa de alguém somente com mandado judicial.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Tiago Coelho

Repórter da piauí e roteirista

Leia também

Últimas Mais Lidas

As salgaterias do sertão

Migrantes aprendem a fazer salgados em São Paulo, voltam para o interior da Paraíba e viram empreendedores locais 

Domingo carioca com astronauta na Lua

Como o Rio viu do MAM, entre futebol, ansiedade e vaias, o pouso da Apollo 11 em solo lunar

Foro de Teresina #60: A canetada de Toffoli, a chapa de Eduardo e o cachê de Dallagnol

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Estou me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar – descobrindo o desconhecido

Os desencontros entre o documentarista e seus personagens

Zero Três vira o Zero Um entre Bolsonaros 

Eduardo é nome preferido do pai para embaixada em Washington, no lugar de diplomata mais ligado ao grupo de Flavio e a olavistas

Boatos sobre políticas públicas serão o foco da nova edição do projeto Comprova

Iniciativa, no ar a partir de hoje, conta com a participação da piauí e de mais 23 veículos de todo o país

Falta de verbas e governo Bolsonaro ameaçam legado do SUS

Cientistas projetam piora de indicadores de saúde pública caso haja estagnação dos recursos para a área

Foro de Teresina #59: A popularidade de Bolsonaro, o Congresso após a Previdência e o espólio de Moro

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

As salgaterias do sertão

Migrantes aprendem a fazer salgados em São Paulo, voltam para o interior da Paraíba e viram empreendedores locais 

2

Zero Três vira o Zero Um entre Bolsonaros 

Eduardo é nome preferido do pai para embaixada em Washington, no lugar de diplomata mais ligado ao grupo de Flavio e a olavistas

4

Domingo carioca com astronauta na Lua

Como o Rio viu do MAM, entre futebol, ansiedade e vaias, o pouso da Apollo 11 em solo lunar

5

O pranto dos livros

Texto de 17 de janeiro de 1997, extraído de um dos quase cem cadernos deixados pelo autor de Formação da Literatura Brasileira

7

O corpo crítico

Por que me rebelei contra o sistema médico-hospitalar

8

Foro de Teresina #60: A canetada de Toffoli, a chapa de Eduardo e o cachê de Dallagnol

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Jeitinho sobre rodas

O bolsonarismo e o trânsito