esquina

AARG!

Revista de celebridades abraça ideais igualitários

Clarissa Vasconcellos
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2010

Ao sair de uma festa, a ubíqua Paris Hilton escorregou. Na tentativa de ampará-la, o guarda-costas – sempre há um, tão importante quanto a lancha ou o fim de semana em St. Barts – encostou a mão num dos seios da moça. Clic. Dali a pouco, a imagem chegava às redações especializadas em investigar a fundo quem anda pondo a mão em quem – contanto, é claro, que sujeito e/ou objeto sejam da espécie homo celebris.

Dentre tantas dessas publicações que honram o jornalismo, a espanhola Cuore (sim, a palavra é italiana) merece destaque. Naquele dia, a foto de Hilton trouxe grande alegria à redação madrilena. “Essa aqui está ótima”, iluminou-se Silvia Collado, editora-chefe de fotografia. “Ela está até com um sorrisinho, feliz com a apalpada.” Mais uma celebridade sucumbia à impiedade semanal de Cuore.

A revista nasceu há três anos para aplacar um anseio não confessado dos não-VIPS: o de se comprazer com o fato de que celebridades metem o pé na jaca. Os editores da Cuore, finos conhecedores da alma humana, partem de um princípio insofismável: muito melhor do que o sublime desfile de deuses e deusas pelos tapetes vermelhos do grand monde é o tropeção que eles dão na calçada, se possível pondo à mostra a roupa de baixo. Cuore vive dos pequenos prazeres de testemunhar que Madonna e Jennifer Lopez, para não falar em Amy Winehouse ou Britney Spears, são espetacularmente falíveis, ou que Nicole Kidman e Scarlett Johansson também têm lá suas gordurinhas localizadas. “É uma filosofia 100% livre de Photoshop”, define Silvia, repetindo um slogan da revista.

Joanetes, celulite, estrias, pelos à mostra, seios caídos, manchas de suor e mazelas assemelhadas da nossa triste condição são prospectados com zelo de relojoeiro suíço. Todas as manhãs, Silvia analisa cada centímetro de celebridades flagradas em poses apolíneas ou dionisíacas. Apolo e Dioniso são deixados para os outros. A sua função é separar o joio do trigo – para publicar o joio. Das fotos, Silvia pinça tão somente as mais impublicáveis e as encaminha aos seus dois colegas de comando, a redatora-chefe Mayka Sánchez e o diretor Álvaro García.

“Dizem que fizemos essas varizes com o computador, mas são dela!”, protesta Álvaro García diante de uma foto da atriz Eva Longoria de biquíni. Certificando-se de que convenceu o interlocutor quanto ao rigor dos seus critérios jornalísticos, García modera a indignação e prossegue: sim, as chamadas são obrigatoriamente espalhafatosas. O primeiro número da revista, que chegou às bancas em maio de 2006, trazia na capa as seguintes informações: “Bisturi que te vi. As famosas que mais se gastaram em plástica”, “Celulites: Oh, não! Nem as estrelas escapam” e a ambígua “Todos os cabelos de Penélope [Cruz]”.

O sucesso foi instantâneo e o caminho estava traçado. Era uma questão de tempo para a publicação das reportagens investigativas “Dentes amarelos” (com presença marcante de Amy Winehouse), “Aarg! Por que não se depilam?” (Julia Roberts) e as churchillianas “Espinhas, suor e herpes” e “Vícios, anorexia e halitose”.

As nádegas têm especial destaque na publicação, como na edificante matéria “É rica, famosa, top-model… Mas tem essa bunda! Suba sua autoestima com Kate Moss”. No concurso “As Piores Bundas do Ano”, foram agraciadas Britney Spears, Beyoncé e Victoria Beckham. A revista foi processada cinco vezes. Ganhou quatro.

 

A cada novo oficial de justiça que bate à porta, aumenta o ânimo para exibir varizes alheias. Toda olheira merece atenção. Sim, pequenas tristezas são exibidas sem grande alarde, mas quando a falta de gosto no vestuário, as estripulias do acaso ou as indignidades do tempo adquirem proporções mesopotâmicas, a revista toma o cuidado de alertar o leitor estampando um carimbo indelével: Aarg! Num número recente, mereceram Aargs a cantora Rihanna (um volume no seu maiô revelava que ela estava naqueles dias), a viúva profissional Courtney Love (celulite mórbida), a atriz Cameron Diaz (axilas não depiladas) e, claro, Amy Winehouse, cuja camisa parecia lambuzada de gordura. Volta e meia a revista lança um especial Aarg que leitores e celebridades aguardam ansiosamente, por razões opostas.

 

Cuore tem suas prediletas: Amy Winehouse (que não deve ligar) e Britney Spears (que deve). Spears costuma protagonizar a seção Corpo de Delito, na qual se exibem as metamorfoses de celebridades: ontem, barriga tanquinho; hoje, dobras de pele flácida. A cantante também bate cartão nas páginas dedicadas à fauna mais malvestida da semana. Nelas, a competição mais cerrada vem de La Toya Jackson, mas as pernas desnudas e gordotas de Spears enfiadas num par de botas de plástico rosa com detalhes de pelúcia branca são efetivamente imbatíveis. O carimbo confirma: Aarg!

A redação é formada por vinte jornalistas na faixa dos 30 anos. As mesas de trabalho estão atulhadas de revistas, enfeites coloridos e mimos variados que equivalem ao nosso conhecido “jabá” e que ali, com saudável franqueza, recebem o nome de sobornos. Naquela semana, os jogos de videogame Band Hero e Virtua Tennis 2009 haviam feito a alegria da moçada. Devidamente aprovados, seriam anunciados no número seguinte, na seção intitulada Esta Semana nos Subornaram com…

A Cuore (“Otra forma de contar el corazón“) custa 1,50 euro. A tiragem é de 350 mil exemplares semanais, próxima à de Hola, tia espanhola da nossa Caras. Já é a terceira revista de celebridades mais vendida na Espanha, e a empresa que a publica só vem aumentando a carteira de títulos. Existe um especial Cuore Pelos (“La única revista que necesitas para tu cabello“), um Cuore Biuty (beleza “para una mujer de verdad“), um Cuore Stars (astrologia: “Tu futuro y el de tus celebrities favoritas“), Cuore Stilo (“Toda la moda de las famosas“), um Cuore Bio (“Todos los secretos de tus celebrities favoritas“) e um Cuore Tiempos (passatempos: “Tu cuoreantídoto al aburrimiento“), além do carro-chefe Cuore Aarg.

“Trazemos as estrelas de volta a terra. Dizemos não só que você poderia ser essa mulher rica, bonita e famosa, mas que talvez você esteja melhor do que ela”, elabora Álvaro García, explicando os sentimentos elevados que o norteiam. Yolanda Colías, a secretária de redação, complementa: “Trabalhamos para aumentar a autoestima das pessoas.” Funciona, contanto que não se fique quebrando a cabeça para descobrir por que razão se é igual a uma celebridade Cuore. Não é bem que sejamos parecidos com Courtney Love. É que Courtney Love tem tantas estrias que pelo menos no quesito flacidez a gente empata. Nunca seremos belos como eles; eles então que sejam feios como nós. Para no mímino 350 mil pessoas, já é um consolo.

Clarissa Vasconcellos

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Quero ver Bolsonaro se eleger só com voto de general”

Eleitorado tradicional do presidente, militares de baixa patente e pensionistas rejeitam projeto de Previdência e mostram decepção com o ex-capitão 

The world without the Amazon

A climate model predicts the effects of turning the forest into cattle pastures: 25% less rain in Brazil and higher temperatures, with “catastrophic” consequences for agriculture and energy production

Six conclusions about a model of the world without the Amazon

The price that Brazil and the world will pay if the forest continues to be cut down so that livestock can graze

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; especialistas cobram do governo federal transparência em uso de programa para conter derrames de óleo

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos