esquina

Aleluia, Camará!

Capoeirista evangélico domina a Bíblia e a ginga

Roberto Kaz
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2008

Eram oito da noite quando o segurança Rodrigo Teixeira, de 32 anos, chegou à Igreja Pentecostal Nova Vida, no subúrbio carioca de Rocha Miranda. Vestia calça branca e uma camisa de padrão camuflagem. Cumprimentou o pastor e, com a permissão dele, começou a mover as cadeiras para abrir um grande círculo na assembléia. Enquanto o coro feminino terminava de ensaiar, juntou cinco pessoas no centro da clareira e ordenou: “Vamos lá! Gingando!” Há três anos, uma vez por semana, ele e seus alunos se reúnem na igreja para os treinos da Associação de Capoeira Missionária. Até pouco tempo atrás, as palavras “capoeira” e “evangélico” só costumavam aparecer na mesma frase em boletins de ocorrência. Não mais.

Teixeira, ou contramestre Arrepiado, sua alcunha no mundo da capoeira, é um homem pequeno e atarracado, que carrega no braço esquerdo a tatuagem de um berimbau. “É da época em que eu não era protestante”, explica. “Hoje eu sei que o corpo é o templo do Espírito Santo. Não cometo mais esse tipo de violência.” Ele começou a jogar capoeira aos 9 anos. Aos 25, converteu-se ao protestantismo e abandonou a luta, porque capoeira era uma prática associada ao candomblé. O hiato duraria quatro anos. Um dia, um amigo lhe mostrou o CD Capoeira Missionária I, que numa das faixas trazia a (para ele) seminal O Mestre se Converteu. A letra se perguntava: Cadê o Mestre,/ que dizia, que cantava,/ que na rua ele batia,/ que na roda ele matava? E respondia: Se converteu,/ o Mestre se converteu. Olha aí, meu camará,/ quero ser amigo seu.

Era a sua estrada de Damasco: “Foi como se eu tivesse sido chamado para fazer aquele trabalho.” Tomado de entusiasmo, resolveu levar a gravação ao pastor. Este respondeu que na igreja dele podia haver judô, jiu-jítsu, caratê, sumô e até vale-tudo, mas capoeira, não. O apóstolo teimou e convenceu o guia espiritual a ouvir a obra em casa. Equânime, propôs: “Se Deus responder que sim, amém. Se responder que não, amém também.” Ao ouvir a passagem que dizia Deixei de ser mandingueiro,/ não carrego mais patuá./ Jesus Cristo é mais forte,/ pra livrar da morte, olelê,/ pra livrar da morte, olalá, o pastor concluiu que Deus emitira um sim.

Teixeira fundou então a Associação de Capoeira Missionária, cujo estatuto reza: “Dentre os ensinamentos que Cristo nos deixou, destacamos o domínio próprio, a solidariedade, a honestidade, o respeito e a amizade, além do exercício físico requerido pela capoeira.” Embora ainda não tenham encontrado a passagem exata do Novo Testamento em que Jesus alude ao exercício físico requerido pela capoeira, os pentecostais se deixaram convencer, de sorte que hoje, com três anos de vida, o grupo já se multiplicou em quatro núcleos. Para abrir uma filial, o capoeirista precisa dominar os códigos da luta e da Bíblia. “Não pode só ser evangélico”, Teixeira ensina. “Tem que saber transmitir a palavra de Deus. Nós somos missionários.”

Os pontos de capoeira foram adaptados. Teixeira mistura rimas religiosas com cantigas tradicionais, desde que não façam referência a orixás: “Uma que nós sempre cantamos é Paranauê“, que ele considera “só uma música sobre o estado do Paraná”. Seu estilo de lutar mudou depois da conversão, diz ele. “Antes a minha filosofia era: ‘Eu jogo a minha capoeira, você joga a sua. Mas se você tentar me dar um chute, eu te dou um soco primeiro.’ Agora, quando vejo que alguma coisa está para acontecer, paro a roda e pergunto: ‘O que é que você vai ganhar com isso? Vai valer a pena?'” Caso o oponente não seja lá muito cristão e Teixeira acabe tomando um chute no rim, simplesmente oferece o outro.

No palco, cerca de trinta mulheres gritam numa sessão de descarrego: “Jesus!”, “Senhor!”, “Satanás!”, “Aleluia!” Teixeira põe um CD no aparelho de som. Ouve-se um berimbau, iniciando a primeira música: A chuva cai, molhando o chão./ Sou capoeira cem por cento, meu irmão./ Cem por cento com Jesus./ Cem por cento é o Senhor./ O Senhor tem toda a glória,/ toda a glória e louvor. Com piruetas precisas, ele rasga o salão de ponta a ponta e pede aos alunos que o imitem. Eles obedecem diligentemente.

Às nove da noite, depois de uma breve roda de que só três dos dez alunos participam, Teixeira interrompe a música para se pronunciar. Parabeniza três meninas: “Estão assimilando rápido.” Lembra que o uniforme custa 30 reais e pede aos alunos que tragam mais fiéis. Põe a mão na cabeça de um garoto de 6 anos – “Esse é o Jônatas, nosso discípulo. Uma salva de palmas pro Jônatas.” – e, em seguida, com a autoridade de um pastor, comanda o último exercício do dia: “Vamos orar. Eu amo jogar capoeira, mas amo muito mais a presença de Deus.”

Roberto Kaz

Roberto Kaz

Repórter da piauí, é autor do Livro dos Bichos, pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

O índio contra o império

Enquanto articula uma frente antiamericana com a Venezuela e o Irã, o presidente Evo Morales diz que, se a Petrobras não investir no país, confiscará os campos de gás da companhia

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Presidencialismo do desleixo

O modo Bolsonaro de governar