diário

Assim caminhava a universidade

Memórias de um ex-estudante em seis anos de curso de administração na PUC

Luís Carlos Silva Eiras
O telefone toca. É meu amigo: “Vem correndo. Tem prova”. Saio em disparada. Mas prova de quê?
O telefone toca. É meu amigo: “Vem correndo. Tem prova”. Saio em disparada. Mas prova de quê? FOTO: HENRY YU_2007

Luís Carlos Silva Eiras já freqüentou diversos bancos escolares. Começou no Grupo Escolar Dr. Carlos Cavalcanti, em Cambuí, Minas Gerais, onde nasceu, em 1950. Passou por vários colégios de Belo Horizonte, onde mora, até se formar em eletrônica na antiga Escola Técnica Federal de Minas Gerais. Em 1969, ao sentar rapidamente nas carteiras da Escola de Jornalismo da Universidade Federal de Minas Gerais, descobriu que ali os bancos universitários eram bem diferentes. Anos depois, entrou na PUC, para cursar Administração e Economia, onde fez as anotações para o diário abaixo – revisitadas, recentemente, com espanto. Também assistiu a aulas de Análise de Sistemas e, há dois anos, às de mestrado em Ciência da Informação, da UFMG. Aprendeu o suficiente para ganhar a vida como jornalista, analista de sistemas e escritor.

1976
PRIMEIRO DIA DE AULA Nós, alunos, entusiasmados por termos passado no vestibular, comparecemos em massa e somos apresentados às maravilhas do “seminário”. A teoria é a seguinte: o professor faz uma exposição do tema; os alunos, divididos em pequenos grupos, debatem entre si e fazem um relatório das conclusões; cada grupo fala seu relatório para a turma e, terminando, o professor tira as conclusões finais.

Dessa teoria vai nascer um excelente subproduto: a prova em grupo. O aluno que sabe, fala; o que tiver a melhor letra, escreve; os demais assinam – assinaturas que podem ser conseguidas antes da prova, liberando-os para outras atividades como ler revistas, conversar, ir embora etc. Para o professor também é ótimo: são menos provas a corrigir. Uma turma de 40 alunos, por exemplo, pode ser facilmente reduzida a oito provas.

SEGUNDO PERÍODO Sala cheia. Mas já se escuta, dos que chegam atrasados, aquilo que será, ao mesmo tempo, o grito de guerra e a única preocupação real de todo o curso:

O professor já fez a chamada?

TERCEIRO PERÍODO Uma aluna, funcionária da Fiat, convida os colegas a visitar a empresa. O convite é discutido durante uma aula de materialismo histórico. Vários alunos – alguns do Diretório Acadêmico – argumentam se é válido a universidade, ainda que privada, mas ainda assim um templo do saber, “compactuar com o imperialismo”, “com o capitalismo decadente” etc. Chamado a opinar, o jovem professor explica, dialeticamente, que as “multinacionais sofrem de crise de identidade”, e que se trata de uma “tentativa de aliciamento da opinião pública, na qual os estudantes são a peça principal”. A discussão termina com um consenso “religioso”: cada um deve ir, ou não, conforme a consciência política que tiver. No dia da visita, apesar das facilidades (ônibus, almoço), aparecerão, além da funcionária, apenas eu e mais um colega. A turma se recusará a ver o materialismo histórico de perto, que teve um lado constrangedor: um ônibus de luxo, um enorme refeitório e muita comida para tão poucas pessoas.

AULA DE HISTÓRIA ECONÔMICA O professor marca o trabalho em grupo que servirá de prova final.

– É claro, explica, que aquele que tiver melhor apresentação vai ganhar uns pontinhos a mais do que aquele que apresentar um monte de papel de rascunho.

Um aluno bancário já tem a solução:

– Um colega meu tem um trabalho genial que ele fez no semestre passado. Esse cara deu a nota máxima. É só tirar xerox, bater a primeira folha com o nome da gente e colocar uma capa de outra cor.

TODOS OS PERÍODOS O pessoal do Diretório Acadêmico interrompe as aulas para que os estudantes assistam a uma conferência (um filme? uma demonstração?) em solidariedade ao povo da Nicarágua (do Chile? do Irã? dos povos indígenas?). São distribuídos panfletos onde fica claro que “o povo brasileiro apóia a luta” desse povo. Na hora da conferência (do filme? etc.), a maioria aproveita e vai embora.

Um mês depois. O pessoal do DA interrompe a aula para que os estudantes assistam a uma conferência (um filme? etc.) e distribui uns panfletos. O professor é liberal:

– Quem quiser, pode sair. Mas eu vou continuar dando a matéria, que cai na prova de quarta-feira, e vou fazer chamada no final da aula.

Nenhum aluno sai.

O professor de Análise de Sistemas entra na sala e se dirige aos poucos alunos presentes:

– Boa noite, gente. Tudo bem? Como é que está o trabalho? Alguma dúvida? Nenhuma dúvida? Qualquer dúvida é só falar. [Faz uma pequena pausa, os alunos mal notam a sua presença]. Lembrem-se de que o trabalho tem que ser entregue no último dia de aula e vale todos os pontos. Nenhuma dúvida? Então, boa noite para vocês.

E se retira. Assim são suas aulas. Duram sempre menos de cinco minutos. É fácil deduzir por que poucos alunos estão presentes.

1977
AULA DE ESTATÍSTICA II Também conhecida como aula do professor das fichinhas. O professor carrega sempre uma pasta com um pequeno arquivo de plástico cheio de fichinhas. Sua aula consiste em transcrever o que está escrito nelas para o quadro. Nenhuma pergunta fora do que está escrito nas fichinhas pode ser feita. Um dia, ele as esquecerá em algum lugar e não poderá dar aula.

Ao longo do período surge uma dúvida atroz. Deve a turma continuar com um professor, recém-formado na própria universidade e que não sabe dar aula e, muito menos, a matéria? Ou ficar, oficialmente, sem aula? Um professor ruim é melhor do que nada? Ou nada é melhor do que um professor ruim? A turma discute, como disse o outro, o que fazer.

Surgem duas correntes. Uma, idealista, acha que se o professor sair, através de um abaixo-assinado, a universidade pode demorar em substituí-lo, a turma ficará sem aula vários dias, e o próximo professor não terá tempo para ensinar toda a matéria. A outra, realista, acha a mesma coisa. Mas vê nisso inúmeras vantagens.

Estou no quarto período, tenho mais oito pela frente. Descubro então que a universidade é coisa séria: posso ter no máximo quinze faltas numa matéria; mas já tenho dezesseis. Falo com o professor que, envergonhado, pede desculpas por ter feito tantas chamadas. Se dispõe, com a máxima boa vontade, a me ajudar. Vamos até a secretaria. Lá mostramos, inclusive, que, pelas notas de trabalhos e provas, já fui aprovado, tenho uma das maiores médias da turma. A secretária não se impressiona com o paradoxo (alguém que não esteve presente para saber, mas tem todas as provas que sabe).

– A universidade não pode abrir precedentes. A universidade é uma coisa séria, diz ela.

Vou repetir a matéria no próximo semestre, mas com uma vantagem: não preciso comparecer às aulas, o professor garantirá minha presença, só tenho que entregar os trabalhos, que serão os mesmos deste semestre.

Um colega de sala, cujo pai é dono de várias concessionárias de carro, também descobre que só pode ter vinte faltas, mas já tem 23. Quando lhe falo da chateação que ele vai ter, ele não se preocupa, é uma aula a menos que terá que assistir e, no mais, fará um “curso de férias” dado pela própria universidade. Aquilo que não aprendeu num semestre, aprenderá em quinze dias. Eu não sabia disso.

Conversando sobre o caso acima, descubro mais. Pode uma pessoa estar duas vezes por dia, ao mesmo tempo, em dois lugares diferentes? Na universidade, pode. O aluno se matricula na matéria A de manhã, e na matéria B à noite, matérias que, à noite, possuem o mesmo horário. Depois, explica para os professores da matéria A (da manhã e da noite) a sua situação (se for o mesmo professor tanto melhor), que concordam que o professor da noite irá transferir, assim, tempo ao aluno para fazer a matéria B.

Na prática, o aluno:

1) de manhã, está “oficialmente” assistindo a aulas na universidade, quando, na verdade, está em outro lugar;

2) à noite, ele passa pela sala de matéria A e, no meio da aula, corre para a sala de matéria B, conseguindo presença nas duas.

Esta é a fórmula básica. Há variações. Esses métodos possibilitarão aos mais espertos, com dinheiro, paciência e tempo, se formarem antes da maioria.

TODOS OS PERÍODOS Véspera das provas. Entro na enorme fila do xerox. Xerocamos tudo que nos parece matéria: cadernos, livros, apostilas, rascunhos, colas, anotações. Um punhado de cópias, seja lá do que for, sob os braços, nos traz certa segurança. Um parêntese: entende-se como apostila um conjunto de papéis grampeados – e ilegíveis, seja pela péssima datilografia, seja pela obscura mimeografia, seja pelo conteúdo propriamente dito. São trechos de diversos livros, escritos às vezes em várias línguas. A maioria das matérias é estudada nessas apostilas.

1978
Algumas bombas explodem, em intervalos regulares, nos corredores, no pátio, nos banheiros masculinos. Não, não. Não se trata de bombas terroristas. Apenas de alguns universitários demonstrando o seu senso de humor com cabeças-de-negro. Na primeira bomba, os alunos e professores se assustam e as provas são interrompidas por alguns instantes. Depois, a cada explosão, os alunos se limitam a gritar “Galôôôôô!”. Afinal, estamos em Belo Horizonte.

Antes da prova começar, já sei as respostas, que estão numa xerox. Isso às vezes acontece. Sobretudo se a prova foi aplicada antes em outra turma, onde temos conhecidos. O que nos exige um pouco de paciência: é preciso não terminar a prova muito depressa!

QUINTO PERÍODO O professor de contabilidade dá uma prova, que envolve complicados cálculos numéricos, tipo “vestibular” para “ferrar” a turma. Mas uma aluna, que, pelas roupas e pelo carro, parece uma das mais ricas da turma, gravou todas as fórmulas numa calculadora e, assim, resolve a prova num instante. Mais: utilizando uma das memórias, grava os resultados e passa a calculadora para os colegas. É só apertar algumas teclas e o visor vai mostrando o resultado das questões: 1 – A. 2 – A. 3 – C. 4 – E. 5 – B etc.

Nove da noite, hora do jogo, um Atlético x Cruzeiro, decisão de campeonato. Mas o professor é do tipo “ferrador”: recusa-se a mudar o horário da prova. Porém, outra maravilha da tecnologia salva os alunos. Um deles traz uma televisão do tamanho de um maço de cigarros e a instala, sem som, nas costas de um colega. Os que estão na frente e não podem ver, recebem, junto com as colas, informações sobre o desenrolar da peleja.

1979
AULA DE ESTUDOS DE PROBLEMAS BRASILEIROS O professor, um militar, marca um trabalho para ser entregue no final do semestre: 50 folhas de papel almaço, escritas a mão, sobre qualquer aspecto do progresso e desenvolvimento do Brasil, nos últimos dezoito anos.

– Escritos a mão! Escritos a mão! Não aceito nada datilografado!, repete, com veemência.

Como todo mundo, compro as 50 folhas, pego a Enciclopédia Abril e peço para minha mulher: “Copia esta parte sobre o Brasil até acabarem as folhas”. Como minha mulher tem letra pequena, peço que ela copie, além de “Brasil”, o item “Brasões” e parte de “Brecht”. O professor não notará.

OITAVO PERÍODO, faltam quatro. Uma aluna tranca sua matrícula. Quando voltar, daqui a um ano, vai ter uma grata surpresa: terá que pagar os dois semestres que faltou com multas, juros e correção monetária. “Como?!”, ela perguntará, perplexa. “Se tranquei a matrícula? Se não freqüentei a escola?” E obterá a seguinte resposta dos funcionários: “A universidade estava guardando o seu lugar”.

E ela pagará, como os impostos.

No intervalo, circulam rumores de que será decretada greve geral para exigir do governo mais verbas para educação.

AULA DE “CULTURA RELIGIOSA” (SIC) O professor, um padre, é superliberal, moderno. Veste-se como a maioria dos alunos (tênis, jeans, camisa de malha) e sua fala é entrecortada de pequenos palavrões, que dão notável consistência à sua modernidade. Tem grande popularidade, mormente entre as alunas mais velhas. Ele fala sobre a importância e o exemplar sacrifício dos santos e, quando cita Joana D’Arc, eu, repetindo a piada que Bernard Shaw escreveu na introdução da Santa Joana, digo que a santa foi, na verdade, a primeira mártir do Protestantismo.

– A Virgem de Orleans?! – espanta-se o padre.

– Ela mesma – confirmo.

O padre se transtorna. “É uma das coisas mais estúpidas que eu já ouvi”, proclama. Gasta todo o resto da aula, olhos vermelhos, dedo em riste, a me atacar. Mas eu fico feliz. Uma velha piada, escrita em 1923, destruiu em segundos o liberalismo da “nova” Igreja.

1980
Resolvo matar aula. Nenhuma novidade nisso: tenho uma filha pequena e quero ficar o máximo de tempo brincando com ela. Quando chego em casa com uns brinquedos, o telefone toca. É meu amigo Valmir. “Vem correndo, cara, que tem prova valendo 25 pontos”, diz. Saio em disparada. Mas prova do quê?, esqueci de perguntar. Quando chego, Valmir já terminou a prova, está de saída e me passa um papel com as respostas. É a salvação da lavoura.

DÉCIMO PERÍODO, faltam só dois! Depois de quatro anos de estudos, vários alunos adquiriram um estranho vício: ir até a universidade e voltar. Consiste em se dirigir até à escola, ficar alguns minutos andando pelas salas e corredores, tomar um café e voltar. Dessa volta esses alunos conseguem retirar um estranho, mas inquestionável prazer. Me incluo entre eles.

No fundo de uma sala, quatro alunos jogam truco. Um quinto, na primeira fila, lê jornal. As demais carteiras estão vazias. Vez por outra, alguém aparece na porta, olha dentro da sala e se retira. Terminada a leitura, o aluno do jornal o deixa sobre a carteira e também vai embora. O pessoal do truco fica.

Em comparação com o primeiro dia de aula, no distante 1976, há poucos alunos. A maioria desistiu: falta de dinheiro, de paciência, mudou de emprego, de cidade. Mas muitos, fazendo várias matérias simultâneas e nas férias, já se formaram. Assumiram negócios da família, foram promovidos, se mandaram para o exterior. E eu tenho mais um ano.

UM DOMINGO Minha mulher ganha na Loteria Esportiva. À noite, a televisão diz que são muitos os ganhadores, que o prêmio vai de 12 mil a 45 mil cruzeiros. Fazemos as contas, não é muito. Mas vai dar para pagar os dois meses que estou devendo na universidade, e fazer as provas de final de ano sem problemas.

1981
OS DOIS ÚLTIMOS PERÍODOS A comissão de formatura reclama da dificuldade de se fazer reuniões. Há dúvidas sobre quem trancou matrícula, quem vai terminar o curso, quem simplesmente sumiu.

SÁBADO À TARDE Contabilidade de Custos, cinco aulas seguidas, o professor de terno e gravata, apesar do sábado e do calor. A turma é grande, já que alunos de vários cursos e períodos foram agrupados. Alguns dormem no fundo da sala. Será por que não dormiram de sexta para sábado, vindo direto para a universidade? Mas, para muitos, mais uma vez, a tecnologia vem salvá-los. Fones nos ouvidos, podem escolher, durante as aulas, entre músicas gravadas ou as que vêm das FM’s.

No meio da aula saio para um café. Dois operários da construção civil, a mando da reitoria, limpam muros e paredes sujas de slogans e cartazes. Um deles comenta: “Estudante é que nem mosquito. Não pode ver parede limpa”.

Luís Carlos Silva Eiras

Luís Carlos Silva Eiras, jornalista e analista de sistemas, é editor do blog otestedeturing.blogspot.com.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

Foro de Teresina #51: Moro no STF, o sigilo de Queiroz e Flavio e os protestos contra o governo

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Ministro toma caldo no #TsunamiDaEducação

Maia viaja, governo escorrega e Centrão deixa Weintraub falando sozinho na Câmara enquanto protestos tomam conta do país

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

Varda por Agnès – narcisismo encantador

Interação é a pedra angular na obra da cineasta

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

Uma motosserra na mão e um projeto na cabeça

Proposta de Flávio Bolsonaro extingue reserva legal obrigatória; espaço sob risco de desmatamento equivale a seis vezes a área do estado de São Paulo

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Mais textos
2

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

3

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

4

Uma motosserra na mão e um projeto na cabeça

Proposta de Flávio Bolsonaro extingue reserva legal obrigatória; espaço sob risco de desmatamento equivale a seis vezes a área do estado de São Paulo

7

Generais agora miram chanceler

Presidente do Senado também engavetou nomes sugeridos por Araújo para embaixadas

8

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

9

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

10

Quatro em cada dez internautas já ouviram podcast no Brasil

Pesquisa inédita do Ibope foi divulgada neste sábado na Maratona Piauí CBN de Podcast