esquina

Bancando um Banksy

Um nonagenário adota um grafite

Chico Felitti
ANDRÉS SANDOVAL_2018

Quando vi aquele quadro sendo triturado, me deu uma dor no coração. Foi uma tragédia que poderia ter sido evitada”, disse o homem de quase 2 metros e de cabelos brancos, com uma voz grossa embrulhada por um sotaque nova-iorquino. Saul Zabar comentava o leilão de 5 de outubro realizado na Sotheby’s, em Londres, em que uma pintura do grafiteiro Banksy se autodestruiu depois de ter sido comprada por 1 milhão de libras (algo perto de 5 milhões de reais). O comprador é tão anônimo quanto o artista que há duas décadas espalha grafites políticos pelo mundo. Na base da moldura havia, camuflado, um triturador de papel que picotou a tela – uma menina segurando um balão em formato de coração – assim que o martelo foi batido. O autor do lance levou a obra assim mesmo.

Zabar estava na esquina da rua West 79 com a Broadway, em frente ao Banksy que ele chama de seu. “Olha aqui, essa pintura sobrevive faz cinco anos”, disse com a segurança de um crítico de arte, apontando para o desenho da sombra de um menino com uma marreta, prestes a atingir um cano de água que, como um hidrante, fica na calçada, para ser usado em caso de incêndio.

É o último trabalho aberto ao público que restou do grafiteiro mais famoso do mundo nas ruas de Nova York, e Zabar se considera o guardião da obra. O estêncil apareceu num domingo de 2013, na parede dos fundos de uma loja da rede Designer Shoe Warehouse – um saldão de sapatos onde uma sandália Louboutin de 399 dólares sai por 120 dólares. Zabar, que é dono de uma mercearia do outro lado da rua, e também do prédio onde funciona o saldão, correu para lá.

“Cheguei e vi que a polícia tinha feito um cordão de isolamento, de tanta gente que tinha ido ver.” O grafiteiro havia espalhado pela internet pistas sobre o local de estreia da nova obra. Era a primeira vez que o comerciante de 90 anos via um trabalho dele. “Achei magnífico! Não era grafite, era arte de verdade”, disse Zabar, traçando uma linha divisória que o próprio Banksy condena. A obra, sem batismo oficial, foi apelidada de Hammer Boy (menino do martelo).

 

Assim que a polícia liberou a rua, Zabar providenciou uma placa de acrílico transparente para ser aparafusada sobre a obra. O lugar, que ainda funciona como depósito de sacos de lixo dos comércios do quarteirão, recebe uma faxina uma vez por semana. A proteção já foi pichada oito vezes, numa das quais a concorrência de Banksy pedia o fim da intervenção do mercado na arte. Escreveram com spray preto. “Deixem que a rua decida [o destino do grafite]!”

No outono de 2013, Banksy passou um mês em Nova York, onde deixou 31 pinturas. A 15 quilômetros do Hammer Boy, o artista anônimo pintou duas gueixas na parede de uma lavanderia, no número 48 da avenida Graham, em Williamsburg, o epicentro da gentrificação na cidade. Menos de uma semana depois, o dono do prédio instalou em cima do grafite uma porta corrediça de metal, dessas que fecham bancas de jornal no Brasil. A associação de moradores protestou, em vão: nascia ali um Banksy particular, fechado para o público. Um robô com uma lata de spray na mão teve um destino parecido em Coney Island. Assim que ficou sabendo que o desenho era valioso, o proprietário do edifício que ocupa o número 1402 da avenida Neptune mandou instalar uma porta metálica em cima.

Um coração que havia sido grafitado num armazém no Brooklyn teve um destino ainda mais privatizado. O galerista Stephan Keszler, estimando que a obra valesse entre 400 e 600 mil dólares, pagou pela remoção do pedaço de parede e levou-o a uma feira de arte em Miami em 2014. As 3 toneladas de tijolo encalharam. O jornal New York Post fez um levantamento do destino de todos os Banksys da cidade e cravou que o do Zabar’s é o único que continua na rua, aberto à visitação do público.

 

Os Zabar fugiram da Ucrânia na década de 30 e trabalharam no comércio desde que aportaram. O mercado, originalmente um armazém de secos e molhados no Brooklyn, cresceu com a fama de vender o melhor salmão defumado da cidade. “Ainda é, escreve aí”, bradou o velho homem de negócios. “Defumamos em casa, venha conferir”, continuou, como numa feira livre. Na década de 50, o Zabar’s chegou a contar com quatro unidades em Nova York, três das quais fecharam durante as crises dos anos 70.

Em 2018, a loja movimenta milhões de dólares por mês. Numa tarde comum, seus quatro andares têm fila de meia hora nos caixas; os atendentes lembram feirantes de luxo: “Oi, dona Dana, quer provar a ameixa hoje? Tá fresquinha.” No café, no térreo, há uma foto do grafite de Banksy pendurada na parede. “A gente o chama de nosso menininho”, disse o advogado aposentado Adrian Smith, enquanto bebia um cappuccino com três amigos. Embora frequentem o café todo fim de tarde, nunca atravessaram a rua para ver a pintura ao vivo.

Mas dezenas de turistas passam pelos fundos da loja de sapatos todos os dias. Enquanto Zabar falava de sua relação com Banksy, ouviu-se um “É aqui no meio do lixo?”, em português. Era o dentista capixaba João Camargo e sua mulher, que tinham chegado ali guiando-se pelo celular. “É bonitinho, né? Mas meio pequeno”, avaliou o brasileiro.

Zabar sorriu ao saber que o visitante tinha passado para ver sua pintura: “Viu? É um ponto turístico!” Uma senhora de cabelo arrepiado tingido de vermelho interrompeu a conversa. “Você é o Zabar, né? O do mercado.” Ela se apresentou como Liza Sapir, maquiadora da Broadway, e começou a dar sua opinião sobre a pequena aglomeração que se formava na calçada. “Acho a atitude louvável, mas colocar a logomarca da loja em cima estraga a intenção. Virou marketing.” Ela apontou para a parte superior do acrílico que cobre a pintura, onde está escrito: “Ajude o Zabar’s a proteger essa obra incomum.”

O comerciante deu de ombros e bufou: “Não vou poder nem colocar a assinatura na obra que eu salvei?” Em seguida, virou as costas e voltou para seu armazém. Enquanto ele caminhava ainda deu para ouvir um resmungo: “Para que serve a arte então?”

Chico Felitti

Leia também

Últimas Mais Lidas

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

Novo cargo, novo trampolim para Doria no Facebook

Depois de quase dois anos de queda, interações no perfil do tucano mais que dobram após a posse; movimento é atípico em relação a outros governadores

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

Espanto e incredulidade entre nós

Cultivar o passado ou lidar com a realidade: formas de reagir a novos tempos na política

Mais textos
1

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

2

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

3

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

4

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

5

Genocídio

Em reportagem de 1969, o extermínio sem fim dos índios no Brasil

6

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

8

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século