esquina

À beira do xeque-mate

Um clube de xadrez em crise

Daniel Salles
IMAGEM: ANDRÉS SANDOVAL

Luismar Brito considerou alta a probabilidade de achar ao menos um oponente naquela quarta-feira abafada do inverno paulistano. “Se chove ou faz frio, as chances são mínimas”, explicaria depois. Eram quatro da tarde quando ele avançou até o número 154 da rua Araújo, a uma quadra do célebre edifício Copan, no Centro da cidade. Ao me avistar perto do elevador, julgou estar com sorte e esboçou um sorriso. “Vai para o clube?”, indagou, medindo o possível adversário de cima a baixo. Informado de que se tratava de um mero repórter a trabalho, desmanchou o sorriso. Recuperou o ânimo assim que desembarcou no 3º andar do predinho e ouviu uma conversa. Mas se decepcionou novamente tão logo percebeu que era apenas Marcos Bertolete, o secretário da agremiação, ao telefone. Como de hábito, o Clube de Xadrez São Paulo se encontrava às moscas.

Espalhadas sobre um carpete que imita um tabuleiro, nas cores mostarda e roxo, as quase cinquenta mesas da instituição centenária só costumam acomodar uma quantidade razoável de enxadristas às sextas e aos sábados. É quando ocorrem os torneios regulares, que rendem 100 ou 200 reais de prêmio e arrebanham, em média, trinta competidores. Para participar, quem não é sócio precisa desembolsar 10 ou 15 reais. Os associados, que devem contribuir com uma mensalidade de 40 reais, ficam isentos da taxa nas disputas de sexta e pagam somente 5 reais nas de sábado. Resumem-se a vinte gatos pingados – na lista de sócios, constam outros oitenta nomes, que não estão com as contas em dia ou nunca dão as caras.

O clube viu o jogo virar umas três décadas atrás, mal as partidas online de xadrez ganharam terreno. Antes, nos anos 70, a entidade viveu momentos gloriosos. Três dos quatro andares do prédio se destinavam à prática do esporte, um deles com direito a restaurante e barbearia, para a sorte dos mais de 800 associados da época. “Os executivos faziam a happy hour ali e até traziam as esposas”, contou Bertolete, um quase sessentão que usa óculos de armação grossa e se aloja numa salinha em frente ao elevador. Frequentador do espaço há vinte anos, assumiu o posto de secretário há sete. “Quando aceitei o cargo, o lugar estava em petição de miséria”, relembrou. Bonachão, passa boa parte do expediente assistindo a filmes no YouTube. “A coisa andava tão ruim por aqui que não tinha computador nem wi-fi, e a iluminação era péssima.”

 

Fundado em junho de 1902 por um grupo de alemães, o clube se localiza no atual endereço desde novembro de 1960. Tirando o estacionamento, todo o edifício pertence à associação. Foi doado por um grupo liderado pelo mineiro Márcio Elísio de Freitas. O advogado e enxadrista, que presidiu tanto a agremiação quanto a Confederação Brasileira de Xadrez, morreu em 1988. Hoje quem comanda a entidade é seu filho, o empresário Celso Villares de Freitas.

Como os sócios rarearam e as contas se tornaram difíceis de saldar, a instituição agora se limita a um andar. Os outos três estão nas mãos de inquilinos. O primeiro é ocupado pela Academia Paulista de Esgrima. No piso acima, funciona um templo maçônico e, no último andar, o estúdio do fotógrafo moçambicano Zee Nunes, especializado em moda. A vizinhança convive em aparente harmonia e, segundo consta, nenhum esgrimista ou maçom se converteu em enxadrista ou vice-versa.

 

Paraibano de João Pessoa, Luismar Brito não leva o jogo propriamente na esportiva. Ganha a vida com eventuais prêmios de torneios e ensinando as manhas do tabuleiro para seis alunos por semana. “Está cada vez mais difícil arranjar novos”, queixou-se, enquanto se acomodava numa das mesas do clube. “Quem vai querer professor quando dá para aprender tudo pela internet?”

Os cabelos brancos e as bochechas caídas de Brito não negam seus 63 anos. Ungido mestre pela Federação Internacional de Xadrez, começou a manejar os peões ainda criança, por influência de um avô. Desde então, não parou mais de competir. Na década de 70, quando já ostentava o título de campeão paraibano, tentou a sorte no Rio de Janeiro e em São Paulo. Depois, resolveu morar nos Estados Unidos, onde venceu o concorrido torneio National Open, de 1984, em Las Vegas. Também passou temporadas na Inglaterra e na Austrália. De volta ao Brasil, conviveu com enxadristas famosos, como o gaúcho Henrique da Costa Mecking, o Mequinho, que chegou a ser o terceiro melhor do mundo.

Brito sempre torceu o nariz para o avanço da informática sobre o xadrez, embora reconheça suas vantagens. “O computador nos ajuda a estudar e a corrigir as jogadas, além de permitir que enfrentemos oponentes de diversos países sem sair de casa. É por isso que o esporte vem evoluindo tanto.” Mas disputar partidas com o próprio computador não o anima. “Qual a graça? A gente cansa; a máquina, não.” Ele se recorda bem do mítico jogo entre o enxadrista Garry Kasparov, nascido no Azerbaijão, e o Deep Blue, computador que podia calcular 200 milhões de lances por segundo. Desenvolvido pela IBM, o cérebro eletrônico derrotou o campeão mundial em maio de 1997. “Foi um choque. Não achei que Kasparov perderia.”

O azerbaijano, que já visitou São Paulo, nunca pisou na sede do clube, diferentemente de outras lendas da modalidade, como o cubano José Raúl Capablanca e o franco-russo Alexander Alekhine. Apesar de não pertencer à constelação das grandes estrelas, Brito sabe que suas conquistas lhe conferem status de autoridade. Não à toa, desfruta de alguns privilégios na agremiação. Um deles é o de frequentá-la sem ser associado. “O clube sai ganhando em me ter como habitué”, resumiu, à medida que tirava da bolsa um velho notebook. Já que ninguém mais apareceu naquele dia, passou a tarde jogando contra um japonês que nunca viu na vida.

Daniel Salles

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor