questões raciais

#charlottesville

Como minha cidade natal se tornou o foco da disputa política nos Estados Unidos

Flora Thomson-DeVeaux
A Suprema Corte americana proibiu a segregação escolar de brancos e negros em 1954. Na tentativa de barrar a integração, a Câmara estadual da Virgínia autorizou, em 1958, que colégios fossem fechados; as aulas tiveram que ser improvisadas
A Suprema Corte americana proibiu a segregação escolar de brancos e negros em 1954. Na tentativa de barrar a integração, a Câmara estadual da Virgínia autorizou, em 1958, que colégios fossem fechados; as aulas tiveram que ser improvisadas FOTO: ED CLARK_1958_THE LIFE PICTURE COLLECTION_GETTY IMAGES

  English version

Passei a manhã do dia 12 de agosto numa cerimônia de quase três horas numa sinagoga de Chicago. Aquela era apenas uma das etapas da comemoração do casamento de minha irmã mais velha, Amelia, recém-convertida ao judaísmo. Crescemos numa família de orientação religiosa que podia ser descrita como agnóstica, e que flertava com uma ideologia hippie tardia. Talvez por isso, era ao mesmo tempo encantador e desconfortável vê-la ali, cantando em hebraico, carregando a Torá e sendo celebrada pelas mulheres de uma comunidade que eu mal conhecia.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Flora Thomson-DeVeaux

É escritora, tradutora, brasilianista e diretora de pesquisa na Rádio Novelo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Às vésperas de protestos, PM associa “antifas” à violência

Polícia mineira usa símbolos e bandeiras do movimento antifascista para “reconhecimento de  possíveis manifestantes violentos”

Aula de longe, mas ao pé do ouvido

Municípios do Rio Grande do Norte apostam no rádio para manter ensino durante a quarentena e atraem adultos de volta à escola

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Mais textos
1

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

5

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

6

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

7

A gestação do menino diabo

Como traduzir Memórias Póstumas de Brás Cubas para o inglês com dicionários frágeis e bases de dados gigantescas

8

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão

9

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

10

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho