esquina

Clandestinos

Os camelôs dos trens da Central

Alan Miranda
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2018

Eram três da tarde de uma quarta-feira quando um rapaz atormentado desceu da plataforma da estação e deitou o pescoço sobre os trilhos, à espera do trem. Dois camelôs que batem ponto na estação resolveram intervir. Da plataforma, Rafael Porto orientava o colega que desceu para resgatar o suicida. “Apaga ele e traz aqui para cima que a gente acorda ele depois”, gritou. O parceiro acatou a sugestão e aplicou um “mata-leão” no rapaz. Porto se encarregou de fazer a massagem cardíaca que ressuscitou o jovem.

O camelô de 24 anos contava a história numa roda de conversa recente na própria estação Realengo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Disse que o rapaz morava naquela região e estudava na UFRJ. Era bancado pelo pai, que não aceitava sua orientação sexual e, por isso, queria se matar. Tão logo recobrou a consciência, mostrou-se contrariado pelo fracasso da tentativa.

Porto se solidarizou com o estudante, mas lamentou não cobrar seu galardão pelo gesto de heroísmo. “Ele tinha dois celulares na mochila, um meio velho, quase guindei pra mim”, comentou. “Não vai se queimar à toa”, recomendou um agente de segurança que ouvia o relato. “Daqui a pouco aparece um aí com a mochila cheia de celular e tu arruma um novinho.”

O ambulante é uma das centenas de pessoas que trabalham diariamente nas estações e trens metropolitanos do Rio de Janeiro, que ligam diferentes subúrbios à Central do Brasil. Vende água, refrigerante e cerveja. Começa o dia às três da tarde na estação Realengo. Quando os dois isopores ficam um pouco mais leves, entra num trem e continua a vender nos vagões até as nove da noite. A rotina lhe rende cerca de 1 mil reais por mês, com os quais sustenta a esposa, uma filha de 7 anos e um de 5 (os nomes dos três estão tatuados nos braços dele).

O agente de segurança que ouvia o caso entrou na conversa, mas poderia ter repreendido o camelô. Porto e seus colegas de isopor estão ali na condição de clandestinos. A venda por ambulantes é proibida por um decreto federal que regulamenta os transportes ferroviários – a menos que seja autorizada pela concessionária que opera os trens, no caso do Rio, a SuperVia. A fiscalização é feita pelos agentes da empresa que vigiam as 102 estações. Eles são orientados a conduzir para fora da estação os camelôs pegos em flagrante e, desde o ano passado, estão autorizados a apreender as mercadorias.

Muitos vigilantes ficam receosos de coibir os camelôs. “Tem que fazer uma boa amizade com eles, porque tu não sabe quem é quem, se o cara saiu de cadeia e tá aí vendendo bananada”, disse um agente de 40 anos que trabalha na estação Campo Grande. A maioria faz vista grossa para os ambulantes. Enquanto o fiscal da SuperVia dava entrevista à piauí, um PM fardado que saía da estação apontou para dois camelôs que atravessavam a linha do trem, a poucos metros dali. “Alá o filha da puta!” O agente os censurou com dois silvos breves do apito e a ameaça: “Vou botar pra rodar a catraca!”

A piauí quis saber da concessionária por que os agentes de fiscalização são coniventes com os camelôs e se a empresa tem interesse em legalizar a situação dos ambulantes, mas recebeu uma nota genérica como resposta. Afirmou que suas equipes de segurança auxiliam no trabalho da polícia e realizam operações diárias para garantir a ordem e o bem-estar dos passageiros. “Essas ações resultam em constantes retiradas de vendedores ilegais do sistema”, disse a nota.

 

Os fiscais estão longe de ser a única dor de cabeça dos camelôs. Alguns ambulantes contam que, por atuarem na ilegalidade, estão sujeitos ao “derrame”, uma taxa cobrada por policiais militares, fardados ou à paisana – os camelôs que não pagam seriam ameaçados de apreensão das mercadorias ou de expulsão do trem ou estação.

Também é preciso jogo de cintura para lidar com os passageiros que olham torto para os vendedores. Cláudio Vieira, um homem corpulento de barba grossa e 28 anos, é do tipo que não leva desaforo para casa – nem deixa os colegas levarem. “Se algum passageiro vem esculachar o camelô, eu logo me meto. Tem uns que você não pode nem esbarrar, que já vêm na ignorância. Falei uma vez pra um cara: Não quer contato? Vai de Uber!” O nicho de Vieira é o da exclusividade: só vende o que ninguém mais tem. Certa vez, contou, chegou a faturar 3 mil reais num único dia de trabalho. Na ocasião, vendia carregadores de celular em forma de pokébola – um acessório para a captura de pokémons numa série de jogos populares entre as crianças.

Já o camelô Victor Geovani, de 24 anos, o Gegê, vende bebida gelada nos trens há quatro anos. Em 2015, presenciou um assalto na estação Deodoro. Enquanto um ladrão rendia passageiros com um revólver, outros dois recolhiam o butim numa mochila. Planejavam desembarcar antes que o trem zarpasse, mas um não conseguiu saltar a tempo. “Quando ele pensou em correr, era tarde”, rememorou Geovani, um dos cinco camelôs que estavam no vagão e atacaram o assaltante depois que a porta se fechou. “A gente deu uma coça e largou ele em Magalhães Bastos.”

Conforme o número de roubos nos trens aumenta, a repressão aos camelôs aperta. É comum eles serem associados a contraventores, inclusive pela polícia. Minutos antes de dar entrevista à piauí, Geovani foi obrigado por dois PMs fardados a sair da estação. Disseram-lhe que avisasse seus “amiguinhos” da Vila Aliança – a favela da Zona Oeste onde mora – que, se não parassem os assaltos, a coisa ficaria feia. “Eles acham que a gente fica de fofoquinha com os caras”, protestou. “Se fosse pra tá lá, eu não tava aqui, pô!”

Nem todos são tão destemidos. Rafael Porto, o camelô que ajudou a salvar o estudante suicida, não quer saber de conflito com policiais e agentes de segurança. O jeito de bom moço lhe dá sossego, mas é preciso estar sempre alerta. Quando o dever o chamou, o ambulante interrompeu a entrevista. O vigilante da SuperVia precisava de ajuda para subir um carrinho de bebê até a catraca. Porto foi em direção à mãe e se prontificou a carregá-lo escada acima.

Alan Miranda

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

3

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

7

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

9

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”