esquina

Consciência do traço

Uma escola paulistana de caligrafia

Ana Lima Cecilio
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016

O paulista Marcelo Eduardo Junqueira terminou o exercício que estava fazendo e levantou-se para mostrá-lo ao professor, que aguardava de plantão em sua escrivaninha. Era um dos oito alunos reunidos naquela tarde na sala de estudos da centenária Escola de Caligrafia De Franco, na Zona Oeste da capital paulista. Funcionário do metrô, Junqueira é um moreno musculoso de 42 anos, que usa camiseta justa e unhas pintadas de “nude chocolate”. É também aprendiz de tatuador no Senac, e matriculou-se no curso de caligrafia por exigência do ofício pretendido. “Hoje as meninas gostam muito de tatuar frases”, explicou. Queria ter mais firmeza na letra, mas ainda titubeava na escrita “com mais firulas”.

Esferográfica vermelha em punho, o professor Flávio José De Franco Júnior passou os olhos com rapidez pela folha algo rasurada em que o aluno copiara várias vezes as letras do alfabeto em letra inglesa manuscrita. De Franco deteve-se sobre as letras escritas de forma mais apressada e com a inclinação imperfeita. Sem desviar a atenção do papel pautado, caprichando no volteio das maiúsculas, o professor levantou os olhos e observou: “Para fazer caligrafia é preciso ter muita concentração, deixar a ansiedade lá fora.” Junqueira acusou o golpe: “Essa foi pra mim”, disse, antes de voltar para a sala de exercícios para refazer a lição.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Ana Lima Cecilio

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia