esquina

De mãos dadas

Os resistentes do Porto

Adriana Negreiros
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2019

O fotógrafo Juliano Mattos, de 36 anos, levantou, apanhou o computador e, de volta à cama, iluminou o quarto com a tela aberta em um editor de texto. Pôs-se a digitar as primeiras frases que construíra enquanto se revirava no colchão durante a noite insone, assombrado pela lembrança dos dedos imitando uma arma. Jair Bolsonaro havia sido eleito presidente do Brasil. Na véspera, logo depois do resultado das urnas, ele e um punhado de amigos, abraçados, cantaram Sorriso Negro, do repertório de Ivone Lara, tentando ignorar a alegria do grupo que, ao lado, celebrava a vitória do “Mito”.

A cena havia se passado em frente à Casa da Música, um dos principais pontos turísticos do Porto, ao norte de Portugal, onde Mattos vive. Dentre os eleitores brasileiros que votaram na cidade, 66,5% escolheram Jair Bolsonaro. Diante dos números, a atitude mais prudente seria evitar qualquer brasileiro desconhecido.

Depois de algumas horas de digitação frenética, Mattos deu por concluído o manifesto da recém-criada Frente de Imigrantes Brasileiros Antifascistas do Porto – a Fibra. Na sequência, buscou na internet um desenho de perfil da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada em março de 2018. No Photoshop, sobrepôs duas cópias da ilustração – uma vermelha e outra preta –, acrescentou-lhes raízes na base (em referência aos indígenas do Brasil) e aplicou o resultado sobre fundo amarelo. Quando terminou, já eram quase duas da tarde.

No dia seguinte, o fotógrafo apresentou o resultado para um grupo de amigos mais chegados – entre eles, as cariocas Juliana Costa, 26 anos, e Vivian Andrade, de 28. Costa é um protótipo da estudante de humanas: com cabelos que já foram descoloridos e óculos de aros grossos, cursa mestrado em história e realiza um estudo comparativo entre as mulheres intelectuais da corte portuguesa e as da corte espanhola dos séculos XIV e XV. Andrade, por sua vez, não corresponde em nada ao estereótipo de cientista: festeira e com jeitão hippie, é doutoranda em física com bolsa do programa Ciência sem Fronteiras.

O manifesto foi aprovado na íntegra: considera as ideias de Bolsonaro “bisonhas” e ataca os “arroubos conspiracionistas do astrólogo aspirante a pseudofilósofo Olavo de Carvalho”. Todos gostaram da sigla, mas a maioria rejeitou a logomarca, com receio de que a imagem da vereadora gerasse problemas. Então o fotógrafo substituiu o perfil pelo desenho de um punho erguido, igualmente resgatado da internet – o gesto foi adotado como símbolo por movimentos de resistência surgidos ao longo do século XX. Em novembro criou uma página no Facebook que usou para divulgar o primeiro evento da frente: um ato contra a posse de Jair Bolsonaro, diante do Consulado do Brasil no Porto, em 1º de janeiro.

 

Mattos nasceu em São Paulo e cresceu em Aracaju, de onde se mudou aos 18 anos. Em Portugal – terra da mãe –, aproximou-se dos grupos de esquerda, com alguns dos quais ainda mantém relação. Dois deles – a Frente Unitária Antifascista e o Núcleo Antifascista do Porto – ofereceram apoio logístico na organização do evento contra o novo presidente brasileiro. Graças à ajuda, os integrantes da Fibra – que, à época, eram pouco mais de quinze, sem liderança constituída – conseguiram receber um público itinerante de cerca de 300 pessoas com faixas e megafones que ecoavam palavras de ordem contra Bolsonaro. No segundo evento, em um centro cultural do Porto, o grupo apresentou o filme O Processo – um documentário de Maria Augusta Ramos sobre o impeachment de Dilma Rousseff – para uma plateia de cerca de sessenta pessoas.

Mesmo organizados às pressas, os eventos atraíram a atenção para a Fibra, que em pouco tempo já tinha mais de sessenta integrantes, a maioria mulheres, muitas delas estudantes da Universidade do Porto. Com a popularidade também vieram as críticas e ameaças. Em entrevista ao jornal Público, Mattos criticou o chefe de Estado de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, por declarar que o encontro com Jair Bolsonaro, a cuja posse compareceu, foi uma “reunião de irmãos”. Na página do grupo no Facebook, um rapaz se indignou com o brasileiro que se metia em assuntos da política de seu país: “Não faltava mais nada, vir estrangeiros mandar nos portugueses. Se não gostam de cá estar, façam as malas e boa viagem.”

Os jovens passaram a receber desaforos em mensagens privadas. Em uma delas, um homem com duvidosas pretensões poéticas disse que Mattos deveria ir embora, “tu e toda a lixeira que aqui vem desaguar, escondidos no meu país a roubar”. Prosseguiu informando que “a guerra começou”. “Vais a bem ou queres ir a mal?”, concluiu. Ao levar a mensagem à delegacia, o fotógrafo foi informado de que nada poderia ser feito a respeito – segundo o policial que o atendeu, a ameaça não era explícita. Pelo sim, pelo não, o pessoal da Fibra passou a adotar medidas de segurança e não divulga mais nas redes sociais o local dos encontros semanais.

 

Nas reuniões do grupo, os brasileiros contrários a Bolsonaro encontram gente com quem têm a liberdade de desabafar, comentam as notícias do Brasil e se solidarizam com os amigos em dificuldades em Portugal. No terceiro evento público, uma feijoada vegana cujo ingresso (4 euros) arrecadou fundos para a confecção de adesivos e panfletos, o diretor de cinema Daniel Eizirik, de Porto Alegre, apresentou três curtas sobre os indígenas Guarani Mbya, do Rio Grande do Sul, e pediu aos presentes – em torno de sessenta pessoas, quase todos brasileiros – que ajudassem a dar visibilidade às ameaças sofridas pelo povo. Nas rodas de conversa, um assunto recorrente era o pedido de amigos do Brasil interessados em saber o que fazer para se mudar para Portugal.

“Não podemos facilitar a fuga, mas estamos dispostos a colaborar com informações sobre a documentação”, explicou Vivian Andrade, que se prepara para retornar ao Brasil e fazer um pós-doutorado. A Fibra também pretende oferecer cursos de defesa pessoal para quem se sinta ameaçado em situações do dia a dia, como os encontros em supermercados, livrarias ou bares em que o tema “Bolsonaro” venha à baila. A recomendação é que ninguém aceite provocação e tente, na medida do possível, neutralizar os ataques vindos do outro lado. Na medida do possível.

Adriana Negreiros

Jornalista freelancer, foi editora das revistas Playboy e Claudia. É autora de Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Leia também

Últimas Mais Lidas

Às vésperas de protestos, PM associa “antifas” à violência

Polícia mineira usa símbolos e bandeiras do movimento antifascista para “reconhecimento de  possíveis manifestantes violentos”

Aula de longe, mas ao pé do ouvido

Municípios do Rio Grande do Norte apostam no rádio para manter ensino durante a quarentena e atraem adultos de volta à escola

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Mais textos
1

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

5

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

6

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

7

A gestação do menino diabo

Como traduzir Memórias Póstumas de Brás Cubas para o inglês com dicionários frágeis e bases de dados gigantescas

8

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão

9

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

10

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho