carta de Havana

Detetive particular

Um autor de romances policiais navega pela realidade menos visível de Cuba

Jon Lee Anderson
Por dinheiro, cubanas posam com uma noiva em Havana. Herói da ficção de Leonardo Padura, Mario Conde vive numa cidade que é o inverso de um paraíso de trabalhadores, e se considera “o merdinha de um detetive particular num país onde não existem detetives nem pessoas particulares”
Por dinheiro, cubanas posam com uma noiva em Havana. Herói da ficção de Leonardo Padura, Mario Conde vive numa cidade que é o inverso de um paraíso de trabalhadores, e se considera “o merdinha de um detetive particular num país onde não existem detetives nem pessoas particulares” FOTO: DMITRI MARKINE_WWW.DMITRIMARKINE.COM

Poucos meses atrás, a Embaixada da Espanha em Havana organizou uma festa em homenagem à literatura cubana. O evento, que teve lugar no Palácio Velasco Sarrá, um prédio neocolonial nos limites da Cidade Velha, constituiu um verdadeiro tratado sobre a cautela. Fidel Castro havia fechado o centro cultural da embaixada espanhola em 2003, por medo de que cultivasse a subversão, e a sede começava a reativar sua programação. O embaixador descreveu a noite como parte da “atividade diplomática de que precisamos para nossa adaptação à realidade cubana”.

O momento alto da noite era uma palestra de Leonardo Padura Fuentes, um homem baixo, moreno, de compleição sólida, com a barba embranquecida e a expressão impenetrável de um experiente pároco de aldeia. Padura é uma figura incomum na Cuba de hoje: um romancista, jornalista e crítico da sociedade que sempre driblou a censura do Partido Comunista. Mais conhecido como autor de meia dúzia de romances policiais que conquistaram uma apaixonada legião de seguidores, tanto na ilha como fora dela, Padura não é um dissidente à moda de Soljenítsin, tampouco é um mero autor comercial. Para os intelectuais cubanos e a classe dos profissionais bem informados do país, mais que um romance, cada novo livro de Padura constitui um documento, um modo de entender a realidade cubana. Embora em público fale com cuidado, em particular o escritor admite: “As pessoas pensam que o que eu digo serve de baliza para o que pode ou não pode ser dito em Cuba.” Ano passado, ele recebeu o Prêmio Nacional de Literatura de Cuba, um reconhecimento tanto de sua obra literária quanto de sua destreza política.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Jon Lee Anderson

Jon Lee Anderson é jornalista americano, repórter da revista The New Yorker, na qual esta reportagem foi originalmente publicada. É autor de Che Guevara: Uma Biografia e A Queda de Bagdá,pela Objetiva.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #113: Bolsonaro fura o teto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Mais textos
4

A dupla exclusão

Como a quarentena joga luz sobre as crises do clima e das cidades

5

O jogo dos dois erros

Por que Bolsonaro se equivoca ao minimizar a pandemia e ao tentar se eximir da crise econômica

6

De braços cruzados na Guanabara

Sem renda na pandemia, guias de turismo dependem de cestas básicas para sobreviver

7

O caseiro

De como todos os poderes da República - Executivo, Legislativo, Judiciário, polícia, imprensa, governo, oposição - moeram Francenildo dos Santos Costa

9

120 batimentos por minuto, o corpo individual e coletivo em ação

Filme sobre grupo de militância contra HIV causa poderosa impressão de autenticidade documental e ganha força ao individualizar personagens

10

A voz chegou à praça…

A erupção que abalou o mundo árabe e a história dando um de seus saltos mais singulares