esquina

Extra! Extra! Flamengo contrata Maradona!

Garrincha garante que o craque dá conta do recado

Natacha Maranhão

Depois de mais uma temporada vitoriosa na qual foi o vice-artilheiro do campeonato, Maradona resolveu mudar de time. Agora joga no Flamengo. Poderia ter ido para o Botafogo ou – santo Deus, que os torcedores do Boca Juniors nunca saibam disso – até para o River. Só que preferiu o Flamengo.

Mas vamos aos pingos nos is: Botafogo Esporte Clube, e não Botafogo de Futebol e Regatas, o time de Garrincha e Nilton Santos. River Atlético Clube, e não Club Atlético River Plate, o grande rival portenho do Boca Juniors, time do coração de Maradona. E Esporte Clube Flamengo, e não Clube de Regatas do Flamengo, aquele da Gávea. Nada de Rio de Janeiro ou Buenos Aires. Estamos em Teresina. Foi só terminar o último jogo da temporada, que culminou com a queda do Esporte Clube Flamengo para a segunda divisão, que Everaldo Cunha, presidente do rubro-negro piauiense, correu para conversar com o craque canhoto, autor de pelo menos 200 gols, segundo as contas do próprio artilheiro.

O Maradona piauiense na verdade é maranhense, nascido em Bacabal. Joga desde que se entende por gente, mas foi aos 18 anos que resolveu transformar em meio de vida o seu poderoso chute com a canhota. Antes disso, já era Maradona. Ainda miúdo, nas escolinhas de futebol, os colegas ficavam impressionados com a perna esquerda de Aldides Barroso de Castro. E, como o nome dele não era lá tão fácil de aprender, Maradona foi ficando. Hoje só quem chama Aldides de Aldides é a família. Mesmo assim, raramente.

 

O cenário futebolístico do Piauí tem os seus exotismos. Na terra em que Maradona joga no Flamengo, Garrincha é um respeitado comentarista esportivo. O papa das páginas de esporte da imprensa nativa ganhou o apelido porque é a cara do gênio das copas de 58 e 62, inclusive nas pernas tortas. Como o Garrincha original, o xará também ama os gramados e entende do riscado. Ele garante: Maradona, além de homem sério, joga que é uma beleza. Foi esse jogão que motivou o cartola do Flamengo a não hesitar na hora de contratar o carrasco que lhe dava pesadelos. “Fui logo senão levavam ele”, justifica o presidente rubro-negro.

Segundo Garrincha, aos 37 anos Maradona é cobiçado por todos os times das redondezas. Com ele em campo, é certeza de vários gols a cada partida. E ele ainda leva vantagem sobre muito jogador mais novo, porque não fuma e não bebe. Homem regrado, Maradona é casado há vinte anos com Francisca Reyjane dos Santos Moraes, conhecida como Loura, que também joga profissionalmente no futebol piauiense. O casal amantíssimo tem dois filhos: Tamya Tércya, que aos 15 anos já é íntima dos gramados e da bola, e Tales Tyrone, pimpolho de 10 anos de quem se supõe que: a) em breve também estará dando seus chutes; b) que, a exemplo de Aldides, também receberá um apelido.

Com a legítima autoridade de craque, Maradona não se furta a dar uns palpites sobre a seleção brasileira. Na opinião dele, o melhor jogador atualmente é Kaká. “Tem habilidade, velocidade e técnica”, analisa. Ronaldinho Gaúcho? “Até antes da última Copa eu achava ele o melhor do Brasil, mas me decepcionei”, confessa com uma ponta de melancolia. Alguma palavra sobre Ronaldo, o Fenômeno? Severo, sem um segundo de hesitação: “Na minha seleção ele não joga”. Sobre as promessas para a próxima Copa, Maradona acredita em Alexandre Pato, que trocou recentemente o Internacional de Porto Alegre pelo Milan, e em William, que, aos 18 anos, deixou o Corinthians e foi dar pontapés na Ucrânia, num time chamado Shakhtar Donetsk: “Esses dois são muito bons”.

O presidente do Esporte Clube Flamengo fez exigências ao novo contratado: “Pelo menos, que ele meta nos outros tanto gol quanto já meteu em nós – mais de quinze! Já estava de bom tamanho. Mas se fizer o dobro, aí está perfeito”. Se depender do histórico e da fama de Maradona, a torcida do Mais Querido – epíteto do rubro-negro piauiense – pode ficar sossegada. Aos outros times, só restará correr atrás de um Manga, de um Yashin, de um Banks ou, vá lá, de um Taffarel.

Natacha Maranhão

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Mais textos
2

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

6

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo