esquina

Extra! Extra! Flamengo contrata Maradona!

Garrincha garante que o craque dá conta do recado

Natacha Maranhão

Depois de mais uma temporada vitoriosa na qual foi o vice-artilheiro do campeonato, Maradona resolveu mudar de time. Agora joga no Flamengo. Poderia ter ido para o Botafogo ou – santo Deus, que os torcedores do Boca Juniors nunca saibam disso – até para o River. Só que preferiu o Flamengo.

Mas vamos aos pingos nos is: Botafogo Esporte Clube, e não Botafogo de Futebol e Regatas, o time de Garrincha e Nilton Santos. River Atlético Clube, e não Club Atlético River Plate, o grande rival portenho do Boca Juniors, time do coração de Maradona. E Esporte Clube Flamengo, e não Clube de Regatas do Flamengo, aquele da Gávea. Nada de Rio de Janeiro ou Buenos Aires. Estamos em Teresina. Foi só terminar o último jogo da temporada, que culminou com a queda do Esporte Clube Flamengo para a segunda divisão, que Everaldo Cunha, presidente do rubro-negro piauiense, correu para conversar com o craque canhoto, autor de pelo menos 200 gols, segundo as contas do próprio artilheiro.

O Maradona piauiense na verdade é maranhense, nascido em Bacabal. Joga desde que se entende por gente, mas foi aos 18 anos que resolveu transformar em meio de vida o seu poderoso chute com a canhota. Antes disso, já era Maradona. Ainda miúdo, nas escolinhas de futebol, os colegas ficavam impressionados com a perna esquerda de Aldides Barroso de Castro. E, como o nome dele não era lá tão fácil de aprender, Maradona foi ficando. Hoje só quem chama Aldides de Aldides é a família. Mesmo assim, raramente.

 

O cenário futebolístico do Piauí tem os seus exotismos. Na terra em que Maradona joga no Flamengo, Garrincha é um respeitado comentarista esportivo. O papa das páginas de esporte da imprensa nativa ganhou o apelido porque é a cara do gênio das copas de 58 e 62, inclusive nas pernas tortas. Como o Garrincha original, o xará também ama os gramados e entende do riscado. Ele garante: Maradona, além de homem sério, joga que é uma beleza. Foi esse jogão que motivou o cartola do Flamengo a não hesitar na hora de contratar o carrasco que lhe dava pesadelos. “Fui logo senão levavam ele”, justifica o presidente rubro-negro.



Segundo Garrincha, aos 37 anos Maradona é cobiçado por todos os times das redondezas. Com ele em campo, é certeza de vários gols a cada partida. E ele ainda leva vantagem sobre muito jogador mais novo, porque não fuma e não bebe. Homem regrado, Maradona é casado há vinte anos com Francisca Reyjane dos Santos Moraes, conhecida como Loura, que também joga profissionalmente no futebol piauiense. O casal amantíssimo tem dois filhos: Tamya Tércya, que aos 15 anos já é íntima dos gramados e da bola, e Tales Tyrone, pimpolho de 10 anos de quem se supõe que: a) em breve também estará dando seus chutes; b) que, a exemplo de Aldides, também receberá um apelido.

Com a legítima autoridade de craque, Maradona não se furta a dar uns palpites sobre a seleção brasileira. Na opinião dele, o melhor jogador atualmente é Kaká. “Tem habilidade, velocidade e técnica”, analisa. Ronaldinho Gaúcho? “Até antes da última Copa eu achava ele o melhor do Brasil, mas me decepcionei”, confessa com uma ponta de melancolia. Alguma palavra sobre Ronaldo, o Fenômeno? Severo, sem um segundo de hesitação: “Na minha seleção ele não joga”. Sobre as promessas para a próxima Copa, Maradona acredita em Alexandre Pato, que trocou recentemente o Internacional de Porto Alegre pelo Milan, e em William, que, aos 18 anos, deixou o Corinthians e foi dar pontapés na Ucrânia, num time chamado Shakhtar Donetsk: “Esses dois são muito bons”.

O presidente do Esporte Clube Flamengo fez exigências ao novo contratado: “Pelo menos, que ele meta nos outros tanto gol quanto já meteu em nós – mais de quinze! Já estava de bom tamanho. Mas se fizer o dobro, aí está perfeito”. Se depender do histórico e da fama de Maradona, a torcida do Mais Querido – epíteto do rubro-negro piauiense – pode ficar sossegada. Aos outros times, só restará correr atrás de um Manga, de um Yashin, de um Banks ou, vá lá, de um Taffarel.

Natacha Maranhão

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia