esquina

Imagem maldita

A indesejada dos governos mineiros

Silvana Arantes
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2019

Era ela a culpada. Só podia ser ela. A suspeita espalhou-se pelos corredores do Palácio da Liberdade – sede do governo mineiro –, alguns anos depois da mudança da capital, de Ouro Preto para Belo Horizonte, em 1897.

A primeira vítima, dizem, foi o governador Silviano Brandão, que, em fim de mandato, resolvera concorrer em 1902 à Vice-Presidência do país na chapa liderada pelo paulista Rodrigues Alves. Vitorioso nas eleições de março, Brandão, porém, não resistiu: morreu em 25 de setembro, sete semanas antes da posse no Rio de Janeiro, então capital federal. Tinha 54 anos.

Seis anos depois foi a vez do governador João Pinheiro, morto aos 47 anos, quando atravessava a metade da sua gestão. Ela parecia ter especial gosto por interromper os governos, como voltou a fazer em 1924: Raul Soares, também no meio do mandato, foi a nova vítima, aos 46 anos.

Ficou, então, decidido: era preciso dar um basta.

O secretário do Interior determinou que fosse levada embora do palácio do governo, o quanto antes, a tela A Má Notícia, do pintor Belmiro de Almeida. Todos queriam distância daquela pintura com a reputação de espalhar desgraça entre os políticos com os quais convive. A tela foi degredada para uma secretaria.

“Diziam que o espírito de Maria Papuda havia se incorporado ao quadro e que, durante as madrugadas, circulava pelo Palácio da Liberdade”, contou Rafael Perpétuo, coordenador do Museu Mineiro.

Maria Papuda seria uma das moradoras desalojadas do local onde foi construída Belo Horizonte. A alcunha “Papuda” se deve, provavelmente, ao fato de a mulher sofrer de bócio, que causa o aumento da glândula tireoide e, assim, o agigantamento da região do pescoço. “A incidência de bócio em Belo Horizonte era tão grande nessa época que Oswaldo Cruz foi chamado para estudar o fenômeno. A razão disso era a falta de iodo na alimentação”, explicou o jornalista Angelo Oswaldo, que foi presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e secretário de Cultura de Minas Gerais.

 

O mineiro Belmiro de Almeida pintou A Má Notícia durante uma temporada em Paris, onde estudou. Apresentou o quadro no Brasil pela primeira vez em 1897, quando tinha 39 anos, na inauguração do Liceu de Artes e Ofícios, em Ouro Preto. A obra de estilo naturalista foi bem recebida pelo público, e o governo mineiro se apressou em adquiri-la.

O óleo sobre tela em formato circular (emoldurado num quadro de 167 x 168 centímetros) representa uma mulher de longuíssimos cabelos ruivos, tombada sobre uma poltrona e com a mão direita sobre a testa, como se desconsolada com a notícia que chegou por uma carta, que vemos caída ao chão da sala burguesa. Como tem uma moldura preta, a missiva certamente traz o comunicado de uma morte – o que explica o título do quadro.

A Má Notícia não é a obra mais reputada de Belmiro de Almeida. Arrufos, pintada dez anos antes e hoje no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, desfruta de mais apreço entre os críticos, com a sua mise-en-scène de uma briga de casal. “Tanto em Arrufos quanto em A Má Notícia, Belmiro se mostra um pintor virtuosista. Ele retrata ambientes cheios de tapeçarias orientais para mostrar, com as minúcias e filigranas de um desenho muito trabalhado, que tem domínio técnico de seu ofício”, disse Angelo Oswaldo. O jornalista ressaltou que o pintor – nascido em 1858, no Serro –, apesar de suas idas e vindas a Paris, estava sempre um pouco atrasado em relação à arte europeia. “Ele começou a fazer pintura pontilhista quando os europeus já estavam fazendo cubismo”, exemplificou.

Apesar disso, Belmiro de Almeida, que morreu em Paris, aos 77 anos, é um dos nomes relevantes da arte brasileira do século XIX. Não só: é também um notável caricaturista, que, no século seguinte, atuou com regularidade em importantes revistas da época, como O Malho e A Cigarra.

 

Despejada do Palácio da Liberdade e indesejada por todos, A Má Notícia vagou por secretarias e repartições, até ser transferida, em 26 de maio de 1942, para o acervo do Museu Mineiro, que, porém, ainda não tinha sede – e só quarenta anos mais tarde ganharia uma.

“Senhor diretor, venho pedir-vos a gentileza de conservar sob os cuidados do Arquivo Público Mineiro, até que o governo organize a seção de pinacoteca do estado, o quadro A Má Notícia, que vos remeto acompanhado do presente ofício. Sirvo-me da oportunidade para apresentar minhas cordiais saudações”, escreveu um “inspetor do expediente, contabilidade e material” da Secretaria de Educação e Saúde Pública, no documento endereçado ao então diretor do Arquivo Público Mineiro. Ali, o quadro foi conservado distante dos olhos do público – e dos governadores, que puderam cumprir até o fim os seus mandatos (descontados os que renunciaram).

A fama de A Má Notícia prosperou, em sentido positivo, no Museu Mineiro, inaugurado finalmente em 1982, no charmoso edifício de estilo eclético em que funcionara, na República Velha, o Senado Mineiro (naquela época, o estado tinha sistema bicameral, como algumas outras unidades da federação). Em 2005, a tela chegou a servir de “garota-propaganda” do museu e foi exposta num shopping de Belo Horizonte em uma ação publicitária cujo slogan era “A Má Notícia vai às compras”.

Enquanto isso, o governo apressava-se na construção da Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, a cerca de 20 quilômetros do Museu Mineiro. Em 2010, o chefe do Poder Executivo, as secretarias e vários departamentos do estado se mudaram para lá, abandonando os prédios da Praça da Liberdade, transformados tempos depois em museus e centros culturais. Hoje, A Má Notícia está tão longe da sede do governo quanto o governo do Centro de Belo Horizonte.

Em 2017, depois da restauração de algumas áreas expositivas, o Museu Mineiro foi integralmente reaberto ao público. Desde então A Má Notícia, de relíquia agourenta, passou a queridinha dos visitantes. “É a pérola do nosso acervo”, disse Perpétuo. A tela de Belmiro de Almeida ocupa lugar de destaque na elegante Sala das Sessões, tendo à sua frente uma cadeira que fazia parte do mobiliário do velho Senado. É melhor que ninguém se sente ali.

Silvana Arantes

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

3

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

6

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

7

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

8

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

9

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

10

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana