chegada

Lamento por uma capa precoce

A história de uma ilustração tristemente visionária

Maria Cecilia Marra e Bruce McCall

Bruce McCall, famoso por conferir verossimilhança realista a cenas delirantemente improváveis, conta com um entusiasmado fã-clube na piauí. Segundo uma tipologia que o próprio artista criou, seu trabalho se divide em três temas principais: Futurismo Retrô, uma visão bem-humorada de como o passado representou o futuro; Nostalgia Espúria, a saudade de um tempo utópico que jamais existiu; e Surrealismo Urbano, categoria preferida pela revista The New Yorker – para a qual fez mais de setenta capas nos últimos 37 anos –, que consiste em exacerbar até as raias do absurdo as características concretas da cidade.

Quando, em meados do ano passado, Trump deixou de ser apenas um topete bizarro para se tornar um candidato viável à Presidência dos Estados Unidos, achamos que a hora de um McCall na nossa capa tinha finalmente chegado. “Jurei não tocar nessa história horrível de Trump”, veio a resposta curta. Insistimos, mas McCall não arredou pé: “Ele é tão perigoso que é impossível satirizá-lo.” Lamentamos, solidários, e avisamos que não desistiríamos de publicar uma capa dele num futuro qualquer. Poucos dias depois ele ressurgiu: “Acho que tenho uma solução. Anos atrás eu fiz uma ilustração da Casa Branca do Trump com um monte de ouro e de vulgaridades. Interessa?” Mande, por favor!

A ilustração chegou tarde para aquele fechamento. Foi emoldurada e ganhou uma parede de honra, da qual agora foi sacada para retratar a chegada desta improvável figura à Casa Branca. Foi quando nos demos conta: no verso, rabiscada a lápis, aparecia a data – 1990. Meio despudoradamente, pedimos então que McCall explicasse a origem dessa ilustração visionária, a única em que o futuro do pretérito do qual ele é o mestre indiscutível tornou-se tristemente atual.

MARIA CECILIA MARRA



 

A CASA BRANCA DE TRUMP

Em retrospecto, foi tudo muito inocente: eu queria zombar de um pateta inofensivo e pretensioso. Como eu – ou qualquer outra pessoa no universo progressista da mídia nova-iorquina – poderia imaginar que Donald J. Trump um dia irromperia no poder, pondo em risco nossas crenças e nossos direitos? Em círculos letrados, ele sempre havia sido uma criatura ridícula, desde que surgira como figura pública, nos anos 70. Não passava de objeto de risadas e desdém. Seu gosto de novo-rico e a absoluta falta de percepção de si mesmo – tão grande que não dava margem a uma nesga de humildade – eram típicos do homem de negócios materialista, ganancioso e implacável que os nova-iorquinos adoram odiar.

Ele teve, sim, um momento de triunfo na década de 80, quando, com dinheiro próprio e seu costumeiro estilo ditatorial, reformou a pista de patinação no gelo do Central Park, uma obra que a cidade passara anos sem conseguir fazer. Gabava-se disso sempre e sem parar, mesmo que seus piores críticos, ainda que a contragosto, já o tivessem elogiado. Mas essa foi a única exceção em sua trajetória de valentão, recheada de mentiras, acordos escusos e incompetência financeira. Quando anunciou sua candidatura à Presidência – para uma claque de atores, minutos depois de descer a escada rolante de seu próprio edifício –, seus críticos exultaram com a perspectiva de ver aquele babaca horroroso fazer papel de idiota. E foi o que ele fez durante um ano e meio, mas ainda assim, pavoneando-se o tempo todo, conseguiu pavimentar seu caminho até a Casa Branca.

Meu retrato de uma Casa Branca de Donald Trump nasceu de uma fanfarronice qualquer, já esquecida, alguma bobagem que ele cometeu em algum momento dos anos 90. Era tão ridículo imaginar que ele pudesse chegar perto de liderar a nação que, na época, aquela minha ideia nem pareceu tão engraçada – afinal, Trump vivia dizendo aquelas idiotices. Afirmar-se qualificado para ser presidente era só mais uma entre milhares.

Queria nunca ter feito esta ilustração. Fico parecendo um visionário que acreditou na chegada de Trump, o que constitui uma cruel inversão da verdade.

BRUCE MCCALL

Maria Cecilia Marra

Desenhista, é diretora de arte da piauí

Bruce McCall

Bruce McCall é ilustrador e escritor canadense radicado em Nova York. É colaborador da revista The New Yorker

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia