esquina

Misoginia e sadismo na Zona da Mata

Cláudio Assis defende o seu Baixio das Bestas

Autor Anônimo

Na madrugada da última terça-feira do mês passado, Raquel Cristina, de 18 anos, foi morta a tiros quando voltava para casa com um amigo. Ela morava em Afogados da Ingazeira, no interior de Pernambuco. A polícia suspeitava de que a jovem tivesse sido assassinada pelo namorado ciumento, que matou também o amigo que a acompanhava. Pelas contas do Fórum de Mulheres de Pernambuco, Raquel foi a 96ª mulher assassinada no Estado nos quatro primeiros meses de 2007.

Como explicar que a violência contra mulheres bata recordes em Pernambuco? Como dar forma artística ao horror de sociedades patriarcais e machistas?

Baixio das bestas lida com as duas questões. O filme, que se passa na Zona da Mata pernambucana, mostra o horror com agrado e crueza. Ele conta a história de um avô que, em troca de dinheiro, exibe uma menina de 14 anos nua, para que uma platéia de machos se masturbe. A menina é, simultaneamente, sua filha e neta. Outro entrecho expõe os divertimentos de um grupo de jovens ricos da região. Eles são exibidos, longamente, em nu total, coçando a genitália. Num cinema abandonado, estuporados, bebem, fumam maconha e gritam obscenidades. Um aparece pisoteando a cabeça de uma prostituta. Outro, enfiando um toco de madeira numa mulher. Outro, estuprando uma adolescente. São cenas realistas, iluminadas com esmero detalhista. Os personagens são de dois tipos: moderadamente estúpidos ou escarradamente boçais.

O filme é tão repulsivo, tão estúpido, tão abjeto, que dá até vontade de interpelar quem o concebeu, o auteur pernambucano Cláudio Assis, diretor de Amarelo manga. Marcou-se um almoço na Casa da Suíça, restaurante antigo e simpático no decadente bairro da Glória, no Rio. Assis chegou um pouco atrasado. Com 46 anos, vestia o uniforme dos adolescentes filhinhos-de-papai: jeans, camiseta estampada fora da calça e boné enterrado na testa. Demonstrou também os modos (estudadamente) mal-educados de um púbere mimado, pois almoçou sem tirar o boné e pontuou todas as frases com palavrões. Pediu um steak tartare, que nunca havia provado.

Como era de se prever (em se tratando de um pernambucano macho paca) adorou o prato de carne crua. Como também era de se imaginar, Assis se disse um artista de esquerda. Na juventude, chegou a freqüentar uma organização comunista. “Saí do partido porque não queriam que eu fumasse maconha, bebesse e falasse palavrão”, afirmou. “Ora, eu sou um homem do povo, bebo e falo palavrões.”

Informou que seu filme tem dupla intenção: denunciar e provocar debate. Debatamos, pois. Foi com amolação que ouviu o argumento de que Baixio das bestas se compraz em mostrar a nudez da garota Auxiliadora, interpretada pela atriz Mariah Teixeira (que é maior de idade, mas parece uma adolescente). O cineasta não se agüentou, e interrompeu: “Mas eu quis mostrar o que é a exploração!” Mas, então, por que a câmera se deleita em exibi-la, durante um tempão, tomando banho de rio, só de calcinha? “Porque eu precisava mostrá-la no espaço dela”, respondeu. Ficou definitivamente agastado quando lhe foi dito que a cena é uma exploração, é manipulativa, baixa e resvala na pornografia de inspiração pedófila. “A pedofilia está em você”, atacou. Assim, não há debate intelectual que vá adiante. Briga de homem cheira a sangue.

Cláudio Assis insistiu em defender sua oeuvre. Falou que, por mostrar plantação, colheita e moagem de cana-de-açúcar, Baixio das bestas é um ataque à “civilização do etanol” (como se a justaposição mecânica de bestialidade e produção econômica fosse cinema épico). Revelou que, “por pudor”, exibiu apenas sombras da seqüência do estupro de uma prostituta com um bastão (o que a tornou ainda mais grotesca). E contou que uma cena de “homossexualismo explícito” que estava no roteiro virou uma “sugestão” no filme pronto (ou seja: as mulheres pobres podem ser humilhadas com estrondo e escândalo, mas machos pederastas, desde que ricos, devem ser focalizados com pudicícia). Explicou que ao filmar as surubas dos “agroboys” num cinema abandonado e aos pedaços, quis fazer uma crítica ao cinema brasileiro atual, “que não tem nada a dizer”.

O cineasta, que tomou duas taças de vinho, parecia feliz da vida com o que tinha a dizer, no filme e no almoço. Motivos para satisfação não lhe faltam. Baixio das bestas ganhou meia-dúzia de prêmios no Festival de Brasília e um no de Roterdam, na Holanda – e em ambos foi considerado o melhor filme. É sinal de que quem se refocila no sadismo misógino está sintonizado com o imaginário perverso dos tempos que correm.

Pobre Raquel Cristina, que vivia na realidade.

Autor Anônimo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

Parasita – nepotismo, corrupção e benfeitores

Em conexão inesperada com o Brasil, sátira coreana ajuda a pensar sobre parasitas e hospedeiros

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

5

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

6

Na piauí_158

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

7

Cientista da democracia

O que os experimentos de Claudio Ferraz têm a dizer sobre o nosso sistema político, a sabedoria do eleitor e o governo de Jair Bolsonaro

9

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

10

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana