esquina

Movidos a vapor

Eles são gente como a gente, mas pendem para o século XIX

Bruno Moreschi
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL

O grupo de dezoito pessoas achava muito pertinente que o primeiro encontro oficial de steampunks brasileiros tivesse se realizado no Memorial do Imigrante, em São Paulo. De fato, estava-se à vontade naquele prédio antigo, entre milhares de documentos sobre a imigração para o Brasil no século XIX. O problema era o calor daquele sábado. Vestidos com dois ternos, perneiras, chapéus e gravatas apertadas, os homens suavam. As mulheres, com até três saias e os devidos espartilhos, pareciam a ponto de desmaiar como moças de antigamente. Todavia, apesar do bafo, a conclusão era uma só: o sarau estava supimpa, daqui, ó.

O primeiro foi em 2008. De lá para cá, houve outras quinze reuniões no Memorial. Nem todo mundo gosta: “Não temos nada contra eles”, diz o segurança José Guimarães, “mas que eles são estranhos, são. O dia de entrada gratuita mudou de sábado para domingo, mas não adiantou. Eles passaram a vir no domingo.”

O termo steampunk surgiu na década de 1980, quando os escritores americanos Bruce Sterling e William Gibson lançaram livros de ficção científica ambientados no século XIX. Durante uma entrevista, quando lhe perguntaram se havia criado um novo subgênero literário, Sterling concordou e, de brincadeira, juntou as palavras steam (“vapor”) e punk (referência, no caso, ao cyberpunk, uma vertente nostálgica da ficção científica) – era assim que definia sua escrita.

A coisa pegou rápido nos Estados Unidos e na Europa. Já no Brasil, a estética steampunk só chegou em 2007, quando o carioca Bruno Accioly, de 39 anos, criou o steampunk.com.br, o primeiro site em português sobre o tema. Bruno é categórico: “Steampunk é, acima de tudo, literatura.” Os integrantes do grupo costumam citar de memória textos de H. G. Wells, Júlio Verne, Edgar Allan Poe, Bram Stoker e Mary Shelley. “A Mary”–  assim mesmo, íntimo – “renovou o terror e a ficção científica. Ela criou um monstro com a ajuda da energia elétrica! Não é maravilhoso?” Para Bruno, Frankenstein é tudo.



Antes que o questionem, tolamente, sobre o motivo de os steampunks usarem celulares, computadores e outras maravilhas dos séculos XX e XXI, Bruno explica: “Não achamos que vivemos no século XIX. Somos pessoas de hoje fascinadas por um tempo que já passou.” Alguns steampunks resolvem de maneira criativa a suposta contradição. Por exemplo: customizam o teclado do computador para ter a impressão de que usam uma velha máquina de escrever.

Comparecer aos encontros vestido a caráter é prática sempre bem-vinda, mas não obrigatória. No entanto, se a pessoa decide se fantasiar, precisa usar a criatividade. Bruno explica: “Ninguém aparece de Darth Vader, um produto já inventado. Cada um é estimulado a criar seu próprio personagem, com suas características particulares.”

Jéssica Soares, de 24 anos, é um bom exemplo. Ela é Lady Jesse, mulher corajosa que luta contra a opressão masculina no século XIX. Seu figurino se compõe de uma saia preta longa, coturno, camisa branca e espartilho bem apertado. Para não enjoar da personagem, Jéssica às vezes aparece como Alice, a do País das Maravilhas.

Em contato telefônico, Lady Jesse explicou o lado bom de ser uma steampunk mulher: “O senhor há de concordar comigo”, diz ela, a um repórter de 28 anos, “pelo menos publicamente, os senhores do século XIX eram muito mais educados com as senhoras e as senhoritas.” A Jéssica do século XXI toma a palavra: “É tão mais legal um homem beijar a minha mão, dar passagem e me convidar para um chá das cinco…” No dia a dia, Jéssica e seu povo não adotam a moda do século retrasado, mas normalmente, quando vão às reuniões, saem de casa já caracterizados e, de preferência, usam transporte público, para chamar mais atenção. Não raro, os rapazes ouvem um comentário simpático: “Que lindo! Meu pai/avô/antepassado se vestia assim!”

 

Em São Caetano do Sul, no ABC paulista, mora um dos mais ativos steampunks do Brasil. Hoje com 24 anos, Cândido Ruiz era um moleque de 8 anos quando leu O Homem de Areia, um conto de 1815 do alemão E. T. A. Hoffmann. É a história de um rapaz, Nathanael, que encontra o suposto assassino do pai. Nascia ali uma paixão pelo século XIX. Quando se deparou com o site criado por Bruno, Cândido viu que outras pessoas também flertavam com o passado. Não teve dúvida: mandou um e-mail para Bruno e, dali a pouco, estavam bolando um plano de expansão do steampunk no Brasil.

A ideia era criar um conselho amplamente democrático, do qual qualquer um poderia participar sem maiores enrolações formais. Em pouco tempo, o movimento já contava com membros por todo o Brasil. Veio então uma segunda ideia: criar lojas regionais. Não, não se tratava de barraquinhas para vender relógios de bolso ou polainas. Como na maçonaria, lojas seriam os locais de encontro.

Atualmente existem lojas em doze estados, todas com site próprio. Cada uma tem sua especialidade. São Paulo, a mais ativa, revela talentos literários e conta com membros que produzem vestuário do século XIX à perfeição. Rio de Janeiro cuida mais de conteúdo para a internet. Minas anda parada, mas é famosa pela produção de ilustrações segundo os cânones da estética steampunk. Rio Grande do Sul é bamba na confecção de joias com cara de priscas eras.

Cândido Ruiz adora quando lhe perguntam se, no Brasil, não é meio fraquinho o catálogo de grandes vultos históricos ao gosto steampunk: “Engano! Os brasileiros têm, sim, ídolos steampunks nacionais!” Ele recita: Santos Dumont, Barão de Mauá, José do Patrocínio, o fictício Brás Cubas… Um nome, porém, merece dele uma explicação emocionada. Vocalizando os sentimentos da maioria, afirma: “Dom Pedro II – esse era um legítimo steampunk. Foi um homem incrível, que incentivou a cultura e as inovações tecnológicas no Brasil.”

Quem precisa de Napoleão? Quem precisa de rainha Vitória? Quem precisa de vultos estranhos aos nossos costumes, à nossa história, à nossa índole? Já insinuava Pero Vaz de Caminha: nesta terra, em se plantando, dá. Eles estão entre nós, e crescendo. Já passam de 200 os steampunks nacionais.

Bruno Moreschi

Bruno Moreschi, jornalista e artista plástico, é coautor de 501 Grandes Artistas, da Sextante.

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Editoras na berlinda

As editoras de revistas científicas foram objeto de uma polêmica inflamada na internet durante a semana que passou. A discussão foi desencadeada por uma coluna do ambientalista George Monbiot no jornal The Guardian, que as definiu como “os capitalistas mais impiedosos do mundo ocidental” e as acusou de violar o direito humano de acesso ao conhecimento. A mais ácida das reações despertadas pelo artigo veio de um editor do grupo Nature, para quem Monbiot usou argumentos simplistas e ignorou mudanças recentes do mercado editorial.

9

Crise na Bahia: Cláudia Leitte rouba sotaque de Ivete Sangalo

TODOS OS SANTOS - A greve de policiais na Bahia gerou uma onda de saques, pânico e rebolation nunca antes registrada. Em Itapuã, foram surrupiados o torso de seda, o brinco de ouro, o pano-da-costa, a bata engomada e a sandália enfeitada que a baiana tinha. Denúncias anônimas dão conta de que onomatopeias de Carlinhos Brown são traficadas à luz do Farol da Barra. Já em Amaralina, duas rimas de Caetano Veloso foram furtadas. Ou não.

10

Cremosa como um brie

Água incolor, insípida e inodora é para deseducados