esquina

Não vá ao oculista

Uma última esquina em que reaparece um refrigerante

Gustavo Colares

Parintins pode confundir seu visitante mais desavisado. Diante de camisas vermelhas da seleção brasileira e de latinhas azuis da Coca-Cola, o pobre coitado pode achar que passou a vida sem saber que era daltônico. Erro grave. Durante o festival folclórico dos bois Garantido e Caprichoso, mais conhecido como festa do boi, as coisas naquelas bandas são assim mesmo. Quem torce pelo boi vermelho se recusa a usar azul, quem é da turma do boi azul enxerga no vermelho a cor do diabo.

Parintins fica a 420 quilômetros de Manaus. No final de junho, a cidade se transforma no maior pólo turístico do Norte. À tradicional família em férias, soma-se um substancial contingente de jornalistas que descem às bateladas do espantoso trenzinho da alegria movido pelos poderes que patrocinam o evento. Durante as três noites do festival, o município se parte em dois. De um lado, ficam os torcedores do “boi do povão”, de nome Garantido, cujas cores são o vermelho e o branco. Do outro, ficam o azul e o branco do Caprichoso, o “boi da elite”.

Não se deve tomar literalmente a idéia de boi. Ninguém sabe ao certo se algum dia Caprichoso e Garantido pastaram, fizeram mu ou acabaram como picanha no prato de alguém. Caprichoso e Garantido é como se chamam as duas agremiações oponentes. São como escolas de samba, ao som da toada, um ritmo local. Durante o tríduo bovino, cada boi coloca na arena uns 3500 integrantes por dia. Diante da rivalidade, a escala cromática vira um problema. É onde entram a esquisita camisa da seleção brasileira e a latinha idem da Coca-Cola. A idéia da camisa brotou da cabeça de Valdilene Lopes, lojista de 37 anos, torcedora do Garantido – “Claro, meu filho”. A camisa vermelha foi posta à venda dias antes da Copa da Alemanha, no ano passado. Em pouco tempo, as prateleiras da loja Amanda Confecções, no centro de Parintins, ficaram vazias. Enganam-se os que acham que Valdilene Lopes conspurcou um dos nossos mais prezados símbolos nacionais. A seleção brasileira de futebol já vestiu camisa vermelha em partida oficial. Foi em 1917, durante o Campeonato Sul-Americano. Argentina, Brasil, Chile e Uruguai disputaram o torneio. Na época, os três últimos times jogavam de uniforme branco. Para não confundir o torcedor e o árbitro, definiu-se por sorteio qual seleção deveria mudar de cor. O Brasil perdeu: teve de se cobrir de vermelho. Demos de 5 x 0 no Chile.

A Coca-Cola também sucumbiu às paixões locais. Em Parintins, uma das marcas mais valiosas do mundo – 67 bilhões de dólares, segundo a consultoria internacional Interbrand – é obrigada a abrir uma raríssima exceção: em algumas latinhas, sai o vermelho e entra o azul. É a única forma de não melindrar o pessoal do boi Caprichoso e evitar que eles se atirem nos braços da lata contrária, que, convenientemente, já tem o azul na marca. No festival de 2007, a empresa de refrigerantes vai desembolsar cerca de 5 milhões de reais. Segundo Marcos Simões, diretor de comunicação da empresa, a dinheirama é gasta “no patrocínio aos bois e nos gastos para transportar até Parintins, hospedar confortavelmente e acomodar no bumbódromo cerca de 200 formadores de opinião do país e do exterior”. É literalmente a farra do boi.



Gustavo Colares

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Mamadeira de piroca” versão 2020

Monitoramento em oito capitais mostra como candidatos conservadores acusaram adversários usando “ideologia de gênero”

Inválidos, Paes e o Bispo

Paes derrota Crivella em todas as 49 zonas eleitorais, mas perde para abstenções em números absolutos

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a íntegra do programa ao vivo está disponível no YouTube

Jogada pela direita rumo a 2022

DEM e MDB saem fortalecidos do segundo turno diante de derrotas petistas e de um bolsonarismo menos enraizado do que se previa em 2018

PT saudações

Partido do ex-presidente Lula perde prefeituras e vereadores e fica fora das capitais; para cientista político, "polarização afetiva" ajuda a explicar rejeição à legenda

Nas redes, deu Boulos; nas urnas, Covas

Candidato do Psol foi maior surpresa das mídias sociais na eleição este ano 

Redes bolsonaristas mentem mais sobre eleição

Boatos sobre fraudes na votação e nas urnas eletrônicas se espalharam em novembro, estimulados por apoiadores do presidente e pelo próprio Bolsonaro

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Lições de literatura e sociedade

Antonio Candido fala sobre o fazendeiro Pio e a invasão da USP

4

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

7

Incompreendido e compreendido

A briga, a separação, começam aí, assim, entre dois filmes como que realizados a quatro mãos, até que a fita de celuloide que os unia, se parta e as luzes se acendam.

8

Um teto todo seu

Conquistas de uma blogueira

9

Departamento de apelidos da Odebrecht exportará tecnologia

A capacidade produtiva do departamento de apelidos da Odebrecht chamou atenção do mercado internacional.