chegada

Napoleão em Lima

A nova vitória eleitoral e as polêmicas peruanas do franco-argentino Luis Favre

Claudia Antunes
Paródias bem-humoradas ajudaram a propagar os cartazes da campanha do Não à revogação do mandato da prefeita de Lima, Susana Villarán
Paródias bem-humoradas ajudaram a propagar os cartazes da campanha do Não à revogação do mandato da prefeita de Lima, Susana Villarán

Luis Favre tem um fraco por Napoleão Bonaparte. No dia 16 de março, um sábado, o consultor político, ex-dirigente da Quarta Internacional trotskista e ex-marido da petista Marta Suplicy, postou no Twitter: Claude Maurice, demain tu verras le soleil d’Austerlitz. A provocação, remetendo à batalha vencida em 1805 pelo imperador francês, era dirigida a Mauricio Mulder, deputado peruano que nas semanas anteriores acusara Favre de usar identidade falsa, trabalhar ilegalmente no Peru e ser um agente de empresas brasileiras. Mulder, que tem ascendência suíça e de fato se chama Claude Maurice, respondeu na mesma língua: Et toi ton Waterloo – referindo-se à queda de Napoleão.

No dia seguinte, deu Austerlitz. A prefeita de Lima, Susana Villarán, sobreviveu por 51% a 49% a um referendo convocado para revogar seu mandato (há quatro meses, quase 70% dos limenhos diziam querer vê-la pelas costas). Mulder e o ex-presidente Alan García estavam entre os defensores do Sim à saída antecipada da prefeita. Os dois pertencem à Aliança Popular Revolucionária Americana, Apra, o mais antigo partido peruano, que anda num viés de baixa – sua bancada no Congresso encolheu de 36 para 4 deputados nas eleições nacionais de 2011. Ambos são inimigos figadais do presidente Ollanta Humala, que, como Susana agora, teve Favre como marqueteiro de campanha.

Nas duas vezes, o franco-argentino adaptou a fórmula do “Lula paz e amor” de 2002.

 
Não é só pela presença de Favre que a disputa em Lima pode ser observada como um espelho da política brasileira. Susana Villarán vem da esquerda católica. Em 2010, elegeu-se pela sigla nanica Força Social, com apenas 38 mil votos de vantagem sobre Lourdes Flores, do Partido Popular Cristão, de centro-direita. A revista The Economist e o jornal espanhol El País publicaram reportagens elogiosas a Susana, e tanto o escritor Mario Vargas Llosa quanto os dois diminutos partidos comunistas peruanos disseram Não à sua destituição.

Apesar dessa frente amplíssima, a prefeita nunca conquistou de fato a capital, onde mora um terço dos 29 milhões de peruanos. Seu governo chegou a ter apenas 13% de aprovação. Susana tem ideias sobre uma “nova política” que remetem à Rede Sustentabilidade, o partido-ONG de Marina Silva.“Sua gestão era mal avaliada não só pela pregação dos oposicionistas, mas pela ausência de uma política de comunicação que mostrasse sua atuação e pelo isolamento político, fruto de uma incompreensão, segundo explicou [a própria] Susana, do que significa construir uma governabilidade que dê sustentação à ação municipal”, disse Favre, diplomaticamente.

Traduzindo: Susana ignorou os demais partidos que apoiaram sua eleição e ficou sem base no Legislativo local. Além disso, gastava pouco com propaganda. O oposto do que fazia seu popular antecessor, Luis Castañeda, que, notabilizado por grandes obras e por acusações de corrupção, é uma espécie de versão peruana de Paulo Maluf.

Castañeda foi o promotor oculto do referendo. Ele esperava que, com Susana derrotada, fosse voltar facilmente ao cargo em eleições suplementares, sem ter que esperar o fim do atual mandato, em 2014. Seu agente na coleta de assinaturas para a convocação da consulta foi o advogado Marco Túlio Gutiérrez, um xará perfeito de Marco Feliciano, o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Duas frases da lavra de Gutiérrez: “As mulheres sempre começam dizendo não e terminam dizendo sim”, “Não sou homofóbico, sou maricofóbico.”

O acúmulo de declarações desse tipo foi um dos fatores que reverteram a desvantagem inicial de Susana. Gutiérrez se tornou tão inconveniente que Castañeda cogitou tirá-lo de cena com um “ceviche inoculado com bactérias”. Outros ingredientes, menos letais, também favoreceram a prefeita: o apoio da ex-rival Lourdes Flores e o tom otimista da propaganda do Não, que deu ênfase a personalidades contrárias ao seu afastamento – entre elas a boxeadora Kina Malpartida, a atriz de telenovelas Mónica Sánchez e o atacante Paolo Guerrero, do Corinthians.

 
No início de fevereiro, essas celebridades apareceram dizendo Não em outdoors e comerciais de tevê. Paródias dos cartazes viraram febre nas redes sociais. Foi o início do que a imprensa peruana denominou “etapa Favre” da campanha, e também dos piores ataques ao marqueteiro, chamado, inclusive, de “serial killer matrimonial”. Gutiérrez criou o neologismo “favrecado”, atribuindo-lhe maquinações sinistras. Mauricio Mulder, sem mostrar provas, afirmou que ele era pago pela construtora brasileira OAS, responsável pela maior obra viária de Lima.

A essa acusação, Favre deu uma resposta-padrão: as empresas brasileiras já estavam no Peru antes de suas campanhas, e ampliaram seus negócios nos governos anteriores, incluindo o de Alan García. O Brasil é o sexto maior investidor no país, com companhias que incluem Odebrecht, Vale e Petrobras. Seus adversários não costumam estar no palácio presidencial, mas em grupos indígenas e ambientalistas contrários à exploração intensiva de recursos como o gás e o cobre. Favre e o comando da campanha do Não dizem que ele foi contratado pela FX Comunicação Global, empresa do petista Valdemir Garreta. A FX, segundo os aliados de Susana, recebeu 150 mil dólares pela assessoria.

Favre conhece o Peru desde que andou por lá em missão da Quarta Internacional, nos anos 70. Sua proximidade de Humala criou controvérsia quando aliados à esquerda do presidente nacionalista, antes identificado com o chavismo, o acusaram de ter influência excessiva no governo. O consultor, hoje com 63 anos, alega que atualmente só tem com Humala uma relação de amizade. Mas não renega a possibilidade de assessorar uma eventual candidatura à Presidência da primeira-dama, a jovem e bela Nadine Heredia (a reeleição imediata para o cargo é proibida no Peru).

À parte as mensagens no Twitter, Favre não falou durante a campanha do referendo. Depois, anunciou que se defenderia das “calúnias e mentiras”. No domingo seguinte ao da votação, três jornais peruanos publicaram entrevistas com ele, que também gravou para um programa de tevê, Cuarto Poder. O marqueteiro mostrou aos jornalistas o passaporte francês, com o pseudônimo que adotou durante a ditadura argentina incorporado a seu nome – Felipe Belisario Wermus dit Luis Favre. Foi então que voltou a citar o imperador que liderou o golpe de 1799 e consolidou o poder da burguesia francesa. Segundo Favre, os promotores do Sim erraram ao tentar colocá-lo no centro da campanha. “No marketing eleitoral, penso, como dizia Napoleão, que se o adversário comete um erro não temos que avisá-lo.”

Claudia Antunes

Claudia Antunes é jornalista. Foi editora de piauí entre 2012 e 2015

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Foro de Teresina #102: Tensão máxima no Planalto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

4

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

5

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

6

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

7

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

8

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

9

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA