esquina

No reino do Nababo Gbagbo

Lições de jornalismo com o grande líder da Costa do Marfim

Fernando Eichenberg
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

No hall de entrada do salão de congressos do Hotel Ivoire, em Abidjan, ex-capital da Costa do Marfim, a Guarda Vermelha espera o presidente Laurent Gbagbo. De botas pretas até o joelho, calças colantes brancas e jaquetas escarlates, os guardas estão a postos para saudar a chegada e a saída do chefe maior da nação. Esparramado, corpos atirados em cadeiras de plástico, pernas para um lado, braços para o outro, o pelotão especial lembra, no entanto, o exército de Brancaleone. “Estamos acabados”, diz um deles, com o comprido capacete dourado meio torto na cabeça.

Sob o sol, a temperatura ronda os 35 graus centígrados. Um viajante francês escreveu certa vez: “Tudo é imóvel no calor do meio-dia. Quando se ergue um turbilhão de poeira cuja extremidade se confunde com a abóbada celeste. É a África inexplicável e imprevisível, a África intensa, aquela que começa no portal das cidades”. Abidjan confirma a regra. A cidade perdeu recentemente o posto de capital política do país para Yamassoukro – uma aldeia que se pretende a Brasília da Costa do Marfim, projetada na prancheta e ainda em faraônica construção -, mas se mantém como capital econômica e sede de governo.

No interior da grande sala de cerimônias do Ivoire, o público também espera o presidente para a abertura da 39ª Sessão da União da Imprensa Francófona, que tem como tema Mídias, Democracia e Paz. Para um país que acaba de pôr fim, com a assinatura dos acordos de paz de Ouagadougou, a cinco anos de conflitos (2002-2007) e no qual a imprensa é obsessivamente vinculada a clãs e partidos políticos, não haverá de faltar assunto.
Como é costume na Costa do Marfim, evento algum começa na hora marcada; o atraso presidencial está dentro do regulamento. Uma poltrona postada no centro da primeira fila da platéia, sobre um quadrado delimitado por um tapete vermelho, aguarda com pompa a autoridade máxima. Quando Gbagbo finalmente adentra o circo, com uma impontualidade já um pouco além da impaciência do público, a mestre-de-cerimônias ordena ao microfone, sem nenhuma cerimônia: “Senhoras e senhores, levantem-se todos e aplaudam fortemente a chegada do presidente Laurent Gbagbo!” Todos obedecem.

O presidente da República da Costa do Marfim é um homem alto, de ventre avantajado e sorriso largo. Ele estava em viagem oficial a Roma quando a guerrilha eclodiu no norte do país, mas conseguiu retornar a tempo de se manter no poder. Depois do beija-mão de praxe, com todos instalados, o programa é anunciado: projeção de dois vídeos produzidos pelos ministérios do Turismo e da Economia, seguida de nove discursos, intercalados cada um por apresentações de artistas locais. O palavrório das autoridades locais – presidentes de associações de imprensa e ministros – varia entre referências toscas aos rudimentos do jornalismo, lições de araque sobre democracia e liberdade de imprensa e acertos de contas internos pós-guerra. Chegada a hora do discurso presidencial, ouve-se: “O jornalista neutro não existe. Cada jornalista está enfeudado em alguma coisa. A linha editorial é a linha política. Ser neutro é ser incolor, inodoro, com textos que não têm nenhum gosto, nem gosto de açúcar nem de sal. E o que não tem gosto não tem graça”, diz Gbagbo. E acrescenta, sem perdão: “Mas ainda estamos no estágio dos erros grosseiros. Os jornalistas são livres para se expressar, mas que sejam sérios. A única coisa que exijo é que a imprensa seja séria”. Sejamos sérios, pois.

Sobre a situação política do país, o líder supremo descarta o separatismo e promete novas eleições até o primeiro semestre de 2008. “Como historiador que sou, sei que cada país constrói sua história com altos e baixos. É o preço da liberdade, a passagem obrigatória para a formação de uma nação. Façamos que ela seja a menos dolorosa possível!”

Gbagbo pára. E uma fieira de atrações artísticas toma conta do palco. Shows de percussão, cantorias, danças. O momento mais aguardado é a presença do humorista Adama Dahico. Com seu humor sutil, ele pergunta: “Por que o biquíni fio-dental simboliza a democracia?” E responde: “Porque ele separa a esquerda da direita, arredonda as beiradas e depois atrai as massas”. Gbagbo sacode o corpanzil às gargalhadas. O público olha para o dignitário, e acompanha.

Quando o evento finalmente se encerra e o presidente se retira – sob os novos e fortes aplausos encomendados pela mestre-de-cerimônias – , a Guarda Vermelha vence a modorra para mais uma saudação. A Costa do Marfim, hoje presidida por Laurent Gbagbo e dirigida por um velho inimigo seu, o primeiro-ministro Guillaume Soro, ex-chefe da guerrilha que dividiu o país em dois, parece buscar o caminho da paz. Como disse recentemente um outro líder guerrilheiro: “Até a próxima traição”.

Fernando Eichenberg

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Quero ver Bolsonaro se eleger só com voto de general”

Eleitorado tradicional do presidente, militares de baixa patente e pensionistas rejeitam projeto de Previdência e mostram decepção com o ex-capitão 

The world without the Amazon

A climate model predicts the effects of turning the forest into cattle pastures: 25% less rain in Brazil and higher temperatures, with “catastrophic” consequences for agriculture and energy production

Six conclusions about a model of the world without the Amazon

The price that Brazil and the world will pay if the forest continues to be cut down so that livestock can graze

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; especialistas cobram do governo federal transparência em uso de programa para conter derrames de óleo

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos