esquina

O fura-fila

A arte de guiar famosos na Disney

Julia Duailibi
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016

Em meados deste ano, o mineiro Caio Giardini, guia de turismo que mora em Orlando, nos Estados Unidos, atendeu uma ligação de Isabelle, mulher do jogador Thiago Silva, zagueiro da Seleção. Com os dois filhos e o marido, Belle pretendia desfrutar as férias de julho nos parques do Walt Disney World e ouvira dizer que Giardini poderia ajudá-la. “Não é porque o Thiago é famoso, mas ninguém gosta de pegar fila, né?”, confidenciou. Ela falava com a pessoa certa. Giardini é o mais eficiente “fura-fila” das celebridades brasileiras que almejam selfies com o Pateta, mas não estão dispostas a encarar até 200 minutos de espera para entrar nas principais atrações do complexo americano.

O precioso know-how do mineiro lhe permitiu ciceronear mais de 190 famosos e seus familiares no Magic Kingdom, principal parque da Disney. Uma carreira de provocar inveja na Tia Augusta, que fez fama a partir da década de 70 ao conduzir turmas de adolescentes pela terra do Mickey. Detalhe: Giardini tem apenas 22 anos.

O rapaz já mostrou o Pato Donald à apresentadora Eliana, posou com a atriz Juliana Paes em frente ao castelo da Cinderela, levou a cantora Daniela Mercury para conhecer Rapunzel e suas tranças, retratou outra baiana, Ivete Sangalo, usando orelhas da Minnie, e acompanhou Deborah Secco, grávida, num ensaio fotográfico pelo parque. Entre as imagens da série, destinada a uma revista de celebridades, sobressai aquela em que a estrela da Globo faz biquinho e um joinha enquanto se descabela numa montanha-russa, a 80 quilômetros por hora.

Em 2015, a socialite Val Marchiori, ex-participante do reality show Mulheres Ricas, elogiou o cicerone no seu blog. “Temos o melhor guia da Disney, o Caio Giardini, que sabe tudo sobre a cidade e ainda nos dá um tratamento VIP! Hello!” O mineiro não minimiza seu “diferencial”: “Realmente, comigo ninguém pega fila.” Parte do truque se deve ao FastPass+. Oferecido pela própria Disney, o serviço possibilita aos visitantes agendar horário em até três atrações. Giardini, porém, parece ter o superpoder de turbinar o FastPass+. Ele consegue reservas não apenas para três atrações, mas para quantas o cliente quiser. “Tomaria duas horas do seu tempo explicando minha logística. Melhor não”, despista.

O jovem conhece a burocracia dos ingressos, o que, de fato, lhe dá certa vantagem competitiva. No entanto, o maior superpoder do guia talvez seja o de manter estreita proximidade com os public relations da Disney, a quem interessa exibir celebridades gargalhando em seus brinquedos.

 

Graças às manobras de Giardini, a filha de uma atriz global logrou visitar o backstage de um show no castelo de A Bela e A Fera. O cicerone, em parceria com a amiga Andréa Guimarães, também ajudou a organizar festas para os rebentos de Angélica e Luciano Huck dentro do complexo – privilégio que custa algo como 200 mil reais.

Os contatos do mineiro ainda lhe garantem perambular por lugares da Disney inacessíveis ao público, como o andar subterrâneo, em que os funcionários vestem as roupas dos personagens. Com cabelos de mechas loiras, modelados por gel, o guia se mostra sempre prestativo, simpático e otimista. “Não costumo falar de coisas ruins no parque.” Às vezes, publica fotos sem camisa no Instagram, exibindo seu abdômen sarado. Consta que a modelo Fernanda Tavares, sua cliente, chegou a dizer que Giardini leva jeito para modelo, embora seja um pouco mais baixo do que ela.

 

O cicerone nasceu em Ponte Nova, no interior de Minas, viveu em Belo Horizonte e, aos 10 anos, se mudou para o Rio de Janeiro. Aos 14, sem falar inglês, convenceu os pais a levar a família para uma temporada nos Estados Unidos. “Eles são meio louquinhos e acabaram topando”, relembra. Em dezembro de 2008, os Giardini  desembarcaram na Flórida, de onde nunca mais saíram. Enquanto cursava a high school, o rapaz prestou concurso para virar guia de uma operadora de turismo. Tinha 17 anos e foi aprovado. Em janeiro de 2011, levou o primeiro grupo aos parques – uma turma da CVC. Manteve os bicos durante a faculdade de administração até se tornar guia da apresentadora Adriane Galisteu, que costuma divulgar os resorts locais. “Como ela também adora a Disney, rolou uma conexão entre nós, e Adriane ofereceu meus serviços no Instagram.”

A partir daí, o rapaz caiu no gosto das celebridades, a ponto de a crise não afetar seu negócio. Hoje, além de orientar os brasileiros dentro do complexo, ele os pega no aeroporto e acompanha às compras, dirige carros alugados e faz reservas em hotéis e restaurantes. Conta, para isso, com quatro auxiliares. No final da viagem, os turistas ganham mimos, como chocolates belgas com o nome de Giardini grafado. Pelos serviços, o cicerone cobra aproximadamente 200 reais por hora.

Nos últimos tempos, seus potenciais clientes andam nervosos com a eleição de Donald Trump. Há o receio de o novo presidente barrar a entrada dos compatriotas de Zé Carioca nos Estados Unidos. “PQP! Logo agora que eu ia usar seus trabalhos, Caio!”, escreveu um deles no Instagram do guia.

Pergunto quantas pessoas Giardini já pajeou na Disney, entre VIPs ou não. “Umas 4 mil”, responde, depois de um breve cálculo. “Mais ou menos, 300 famílias. É muita gente furando a fila…”

Julia Duailibi

Julia Duailibi trabalhou na piauí, na TV Bandeirantes, na Folha de S.Paulo, na Veja e n’O Estado de S. Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Mais textos
2

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

6

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo