tempos da peste

O medo nos trilhos

Um ensaio fotográfico dentro do metrô de São Paulo

Egberto Nogueira

Nas últimas semanas, o fotógrafo Egberto Nogueira esteve em hospitais, laboratórios, velórios, cemitérios, supermercados, farmácias e casas onde houve vítimas fatais da Covid-19. Em todos esses lugares, até mesmo na casa dos mortos, há todo um protocolo nestes tempos de pandemia: o que se pode e não se pode tocar, o uso de máscaras e luvas, a distância recomendada entre as pessoas, a frequência com que se deve lavar as mãos. Quase tudo é diferente no metrô de São Paulo, sistema que, em épocas normais, transporta mais de 5 milhões de passageiros por dia. Ali, sobre os trilhos e dentro dos túneis, o protocolo se desmancha, sobretudo em relação à distância entre as pessoas, e o risco de contaminação dispara. É lá que, mesmo mergulhados na luz artificial, mesmo escondidos atrás de máscaras, os rostos revelam com mais clareza a carga emocional da pandemia: a tensão sólida, o estado de alerta, a ansiedade contida. Em 1998, convidado para fazer um ensaio sobre a cidade de São Paulo cujas imagens foram adquiridas para integrar a Coleção Pirelli/Masp de Fotografia, Egberto Nogueira escolheu fotografar as pessoas no transporte público. Queria capturar a expressão dos passageiros durante o tempo ocioso da viagem. A pedido da piauí, ele voltou ao mesmo ambiente – e viu o que nunca tinha visto antes. Agora, as pessoas estão num lugar onde temem estar. “É uma multidão e, no entanto, é uma enorme solidão”, diz Nogueira. O vírus é invisível. O medo, não.

Egberto Nogueira

Sociólogo e fotojornalista, é colaborador da piauí desde a primeira edição e fundador da Ímã Foto Galeria

Leia também

Últimas

A noite mais fria, na capital mais fria

As histórias de quem vive nas ruas geladas de Curitiba  - e por que muitos ainda recusam acolhimento nos abrigos públicos

O limbo brasileiro em Cannes

No maior festival de cinema do mundo, protestos contra Bolsonaro e apreensão com o futuro dos filmes no país

Após o fogo, o remendo

Um dia depois do incêndio em galpão da Cinemateca Brasileira, governo publica chamada aguardada há quase um ano para tentar resolver crise da instituição; proposta inclui até cobrança de taxa para quem quiser guardar filmes no acervo

Foro de Teresina #161: Bolsonaro, o Arenão e suas obras

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Cinemateca Brasileira em chamas

Filmes e documentos foram relegados a abandono criminoso; incêndio de hoje se tornou tragédia anunciada

Mais textos