obituário

O príncipe dos tempos

Meu amigo João Paulo de Carvalho, que mandou e desmandou no ritmo da tevê brasileira

João Moreira Salles
João Paulo de Carvalho e Honeyboy Edwards. Depois de acelerar a velocidade da televisão brasileira, João decidiu experimentar com a lentidão. Foi como passar do rock para o blues
João Paulo de Carvalho e Honeyboy Edwards. Depois de acelerar a velocidade da televisão brasileira, João decidiu experimentar com a lentidão. Foi como passar do rock para o blues FOTO: WALTER CARVALHO_1989

Da primeira vez que vi João Paulo de Carvalho eu estava com frio e com sono. Foi por volta das três da manhã, numa ilha de edição da antiga Rede Manchete, no Rio de Janeiro. Meu irmão Walter editava uma série sobre o Japão que eu ajudara a escrever. Fazia meses, entrávamos na ilha à uma da manhã e saíamos às oito, mau horário para sinapses. Walter girava em falso naquela noite – não achava o ponto de determinado corte –, e a cada vez que a fita voltava tínhamos de ouvir o mesmo fragmento de frase de novo e de novo. Era exasperante, como se tivessem amarrado o tempo.

Foi quando a porta da ilha se abriu e entrou pela sala um sujeito pequeno, magro e de cabelo encaracolado, cujas feições, na penumbra, eu não distingui. Parou atrás do Walter, que lhe falou do problema. O cara cruzou os braços e pediu que voltassem a fita. Assistiu. “De novo.” Cravei os olhos nele e notei uma coisa estranha: embora seu tronco não se mexesse, havia nele a iminência de movimento, coisas represadas, como se molas corressem por dentro do esqueleto, recolhidas mas prestes a se soltar. De olho numa imagem que corria rumo ao ponto fatal do corte, João Paulo esperava para dar o bote. Ela veio, veio, percebi o esboço de um sorriso e ele soltou, suave: “Quíu…!” (o inglês cue, distendido à brasileira – todos nós passaríamos a pronunciar igual).

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

João Moreira Salles

Documentarista, é editor fundador da piauí. Dirigiu Santiago, Entreatos e Nelson Freire, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

3

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

4

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

5

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

8

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

10

De volta à Rua do Ouvidor

Uma pequena livraria no Centro do Rio sobrevive à catástrofe econômica causada pela quarentena