esquina

O sábado antes do domingo

E daí que o papa não gosta?

ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

William Santos tem 22 anos e está desempregado. Hoje, entretanto, está mais preocupado em subir no palco, sem remuneração, e fazer um bom show. No momento, William atende pelo nome de Duda Lacerda. Junto com outras nove drag queens, Duda concorre ao Troféu Chiquita do Ano. O páreo é duro. Ele terá de se haver com Evita Perón (seios fartos) e Shaula Vegas (juba de cabelos rubros, collant de cores radiativas e, como se não bastasse, exímia cuspidora de fogo). Duda não se intimida. O único problema é a hora. Já passa da uma da manhã e, daqui a pouco, ele sairá de cena para que William assuma seu lugar. William-Duda será mais um entre os 2 milhões de católicos que acompanham o Círio de Nazaré, procissão religiosa que há 214 anos percorre as ruas do centro da capital pa-raense no segundo domingo de outubro – Belém tem menos de 1,5 milhão de habitantes. Duda-William é uma das 40 mil pessoas presentes à festa das Filhas da Chiquita, evento gay criado em 1976 e realizado anualmente na véspera do Círio.

A Igreja Católica condena a festa e gostaria que ela fosse abolida. O encontro acontece na praça da República, entre o Theatro da Paz e o Bar do Parque, tradicional ponto de encontro da boemia belenense. É uma praça de guerra, literalmente. Existe ali um clima de conflito permanente. Se não físico, pelo menos ideológico e religioso. Durante o Círio, a praça é palco de diversas homenagens a Nossa Senhora de Nazaré. Um palanque é montado para abrigar um coral religioso. Adiante, turistas endinheirados e a alta sociedade local assistem à procissão de camarote, instalados num hotel cinco estrelas. É também por ali que, no sábado à noite, exatamente durante a Festa da Chiquita, passa a Trasladação, uma procissão menor, mas não menos disputada, na qual a imagem de Nossa Senhora deixa a igreja onde fica ao longo do ano e é levada para a Catedral da Sé, de onde sai o Círio de Nazaré.

Neste sábado, na praça, homens e mulheres andam de mãos dadas com parceiros do mesmo sexo sem serem incomodados. Aos poucos, o território vai sendo demarcado. As escadarias do teatro são reservadas a quem quer beber e conversar. A frente do palco é para namoros ou para os que gostam de dançar música eletrônica e carimbó. Espalhados, ambulantes empreendedores vendem de tudo: comida, bebidas alcoólicas, imagens e camisetas de Nossa Senhora. Os católicos tradicionais que, aos poucos, voltam a pé da Trasladação evitam o tumulto. De esguelha, lançam olhares um tanto escandalizados aos travestis, gays e às lésbicas que passeiam pelo calçadão da praça. Elói Iglesias, um dos criadores da Chiquita e mestre-de-cerimônias da festa, sugere no microfone que todos sigam os mandamentos da ministra Marta Suplicy. Espaventados, beatos ouvem o grito de guerra: “Relaxa e goza!” Vários fazem o sinal-da-cruz.

Os que têm mais sorte são poupados de cruzar a praça na hora em que se entrega o Troféu Veado de Ouro, outorgado segundo critérios que nunca ficaram muito claros. Este ano, o prêmio vai para o estudante de história Adelson Oliveira, autor de uma monografia sobre a homossexualidade na Universidade Federal do Pará. A solenidade é interrompida pela chegada da governadora Ana Júlia Carepa, do PT. A recepção é meio fria. Carepa tenta seduzir a platéia com uma peroração sobre o amor livre e os direitos dos homossexuais. Nada. Iglesias toma a frente e lembra a platéia de que a festa é financiada com dinheiro público. Também não empolga. Animação mesmo, só com a volta dos go-go boys ao palco.

A Chiquita é essencialmente contraditória. Boa parte dos freqüentadores são católicos observantes. Saem direto da festa para a Sé. É o caso de Mel Quiboa, drag queen que abocanhou a Chiquita de 2004, no concurso que elege quem faz o melhor show da festa. Todo ano, Mel organiza uma novena para Nossa Senhora na sexta-feira, vai para a Festa da Chiquita no sábado e acompanha o Círio de Nazaré no domingo. É também o caso de William Santos, o esforçado candidato à Chiquita 2007 (não ganhou). De família católica, jamais deixou de ser um homem de fé. “Todo mundo tem direito ao Círio, até os gays. Nós também temos religião e acreditamos em Deus. Sei que algumas coisas que eu faço são contra a Igreja, mas mesmo assim quero participar da procissão. Acho que Ele vai acabar me perdoando”, diz com paixão.

Leia também

Últimas Mais Lidas

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

6

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

10

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana