esquina

Pedra e poesia

Um dia com artistas na Cracolândia

Adriana Abujamra
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2014

A dependência do crack fez Morgana perder a guarda da filha. Bob, um vira-lata encardido que ela chamava de “meu anjo de patas”, nunca mais deu as caras. Seu companheiro, um mestre de capoeira que ela tirou do crime e virou o galã do pedaço, escafedeu-se também. Nome de bruxa ela tem, mas não descobriu mandinga que o traga de volta. Morena, com traços indígenas e cabelos lisos e compridos até a cintura, Morgana não é de se jogar fora. Mas as marcas nos braços e nas pernas traem o que lhe rói por dentro. Ela costuma cortar a própria carne à navalha.

Morgana passa boa parte dos seus dias na Cracolândia, a região degradada do Centro de São Paulo em que dependentes de crack se reúnem ao ar livre para consumir a droga. Numa tarde de sábado em junho, ela estava ali sentada no chão quando as atrizes Vera Abbud e Juliana Gontijo se aproximaram. Juliana abriu uma pequena caixa de madeira cheia de papéis coloridos dobrados e pediu que Morgana escolhesse um. Ela pegou um papel, abriu e viu a palavra “estrela” escrita ali. Juliana recitou então um poema de Manuel Bandeira:

Onde está a estrela da manhã?

Meus amigos, meus inimigos



Procurem a estrela da manhã.

Morgana, que já estava com os olhos esverdeados mareados, desandou a chorar. Uma colega sentada ao seu lado tentou confortá-la. “A vida é assim. Deu certo, beleza. Não deu, paciência”, disse, a boca sem vários dentes aberta num sorriso e com os lábios cobertos de batom. “E olha, sempre vai ter alguém que te ache bonita”, arrematou enquanto lambuzava as pernas com creme hidratante. Guardou o tubo numa bolsa cheia de cosméticos e pegou um frasco de rímel para pintar os olhos. Produto de beleza ela compartilha com Morgana, mas cachimbo de crack cada uma que garanta o seu. “Não peço e não dou”, foi logo avisando.

As duas atrizes trocaram mais dois dedos de prosa com Morgana e sua amiga. Vera, que tinha um violão pendurado no ombro, sacou uma canção de Itamar Assunção antes de se despedir:

Sei dos caminhos que chegam,

Sei dos que se afastam

Conheço como começa,

Como termina o que faço

Só não sei como chegar

Ao nosso próximo passo.

Durante três semanas, Vera e Juliana participaram de um projeto da companhia de teatro Pessoal do Faroeste, que organizou uma turma de dez artistas para levar música, poesia e dança à Cracolândia. O objetivo das intervenções era reduzir os danos causados pelo crack e diminuir o sofrimento dos dependentes da droga, nem que fosse por alguns minutos. Batizado de Luz Solar, o projeto foi desenvolvido em parceria com o programa “De Braços Abertos”, lançado em janeiro pela Prefeitura de São Paulo para oferecer assistência aos dependentes.

 

Muitos se acostumaram com a presença das atrizes na região. Bastava a dupla aparecer com o violão e a caixinha de madeira para Paulinha vir correndo. Conhecida como Calopsita por causa do corte de cabelo, raspado nas laterais e todo espetado no meio, a moça já fugiu de três internações para tratar o vício e voltou à Cracolândia em todas as ocasiões. “Aqui tem tudo que gosto”, disse. “Mulher, rock e drogas.”

“Olha só! Hoje você está toda de mulherzinha, vestindo até camiseta com a cor rosa”, provocou um travesti quando ela chegou. Paulinha sorriu, abaixou os óculos escuros espelhados até a ponta do nariz e respondeu olhando nos olhos da outra, com um sorriso maroto. “Tô mesmo bem mulherzinha. Só hoje apanhei três vezes.” Como prova, exibiu um furo que a namorada fez com um alicate de unha em seu braço, um arranhão perto dos olhos e uma marca roxa na perna.

Voltando-se para as duas atrizes em busca de simpatia, Paulinha atribuiu as agressões a um ataque de ciúmes da namorada. Vera brincou com ela: “Também, com você andando com 500 mulheres por aí, a oficial tem toda a razão para ficar cabreira.” Paulinha estufou o peito, toda gabola, e a atriz começou a dedilhar no violão, como um convite ao canto. Com a voz que era um fiapo, de quem já queimou muita pedra de crack, a garota arriscou uma canção de Seu Jorge:

Tive razão, posso falar

Não foi legal, não pegou bem

Que vontade de chorar, dói.

Paulinha cantou marcando o compasso com o dedo indicador em riste e balançando o corpo, alternando o peso sobre as pernas a cada movimento. Vera a acompanhou ao violão, enquanto Juliana, segurando sua caixinha, seguia o ritmo com a cabeça. A canção teve que ser interrompida algumas vezes, porque Paulinha esquecia a letra. “Tô sequelada”, desculpava-se, antes de retomar o fio da meada.

Aos poucos, a roda foi ganhando novos participantes. Um sujeito vestindo gorro com o desenho do músico jamaicano Bob Marley apareceu com uma gaita. Outro apenas parou ali e acompanhou o ritmo com o pé. O som de uma sirene atrapalhou a música quando uma ambulância do Samu estacionou por perto e os funcionários pegaram a maca para recolher um usuário que passara mal no meio da rua.

Uma mulher, com a foto 3×4 do filho na mão, apareceu perguntando se alguém sabia do paradeiro do rapaz. Ninguém tinha notícia. Uma moça, toda tatuada e com um skate na mão, aproximou-se das duas atrizes e pediu “cinco contos”. Em vez de dinheiro, Vera e Juliana ofereceram poesia e música. Feito. A garota aceitou a proposta. Pegou o microfone imaginário da mão de Paulinha e, “dando uma de MC”, como disse, improvisou um rap na hora:

Ei, me responde

Se você discrimina a mina

O crack

Se ela passa fome

Se gosta de mulher ou gosta de homem

Fuja do preconceito

Viva a união racial

Agora, me passa 1 real?

“MC” agradeceu as atrizes e os aplausos inclinando o tronco para a frente. Jogou o skate no chão, pulou sobre ele e pegou embalo se agarrando à traseira de um ônibus que passava.

Adriana Abujamra

Adriana Abujamra, jornalista freelancer, é colaboradora do jornal Valor Econômico e coautora de À Mesa com o Valor: 50 Personalidades

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

Mais textos
3

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

4

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

5

O sem-carro

Sinistro foi o dia em que Diesel concebeu o seu funesto engenho

7

O calculista

A estratégia de Marcelo Viana para fazer o Brasil ser reconhecido como parte da elite da matemática

8

Direita, volver

Pré-candidato à Presidência, Jair Bolsonaro coloca o ultraconservadorismo no jogo eleitoral

9

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão

10

A crise que deixou o Posto Ipiranga sem resposta

Com avanço do coronavírus, queda do preço do petróleo e recessão no horizonte, economistas cobram do governo Bolsonaro investimento público e ação além da cartilha fiscalista