esquina

Plano a plano

A fita métrica cinematográfica

Clara Meirelles
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2011

Yuri Tsivian, professor de cinema da Universidade de Chicago, nunca levou a sério a crença romântica de que arte e ciência não combinam. Por isso, em vez de interpretar os filmes com os instrumentos usuais, provenientes da estética, da sociologia, da semiologia etc., Tsivian passou a fazer contas e medições.

“Nos estudos de poesia, se contam sílabas; nos de cinema, se contam planos”, disse. Ele estudou primeiro as técnicas usadas por Lev Kuleshov e Dziga Vertov, dois diretores da vanguarda russa que em meados dos anos 20 já faziam diagramas de edição e contagens de planos. Queria mais detalhes, mais rigor, objetividade. Queria ter os fundamentos para desenvolver uma métrica do cinema.

A ideia foi posta em prática manualmente, pelo próprio professor, em estudos do início dos anos 90. Havia um problema, porém, um problema subjetivo: a contagem da duração dos planos era uma tarefa tediosa, repetitiva, burocrática. Talvez porque estagiários estivessem em falta em Chicago, ou talvez porque não fossem suficientemente cordatos e embotados, foi necessário desenvolver um dispositivo sem subjetividade para fazer a contagem.

Já existiam programas de edição que permitiam ao editor de cinema medir os planos de um filme em andamento, durante o processo de montagem. Mas era preciso ter uma mesa de edição, uma aparelhagem cara. Cinco anos depois, sob os auspícios de Tsivian, nasceu o Cinemetrics, um software que permite saber a duração dos planos de um filme em tempo real. A novidade do Cinemetrics é que ele pode ser usado por internautas, sem nenhuma especialização, em qualquer filme que se queira xeretar.

O programa foi criado pelo estatístico e programador Gunars Civjans, a partir das pesquisas de Tsivian sobre Intolerância, do americano D. W. Griffith. Uma vez aberto o programa, o procedimento é simples: iniciar o contador de tempo ao mesmo tempo em que se dá partida no filme a ser analisado, e clicar no botão a cada mudança de plano. (Um plano, relembre-se, começa num corte e acaba no corte seguinte. Festim Diabólico, de Hitchcock, por exemplo, tem apenas um corte: o que encerra o filme.)

Ao final da projeção – e, provavelmente, na iminência de uma tendinite – o Cinemetrics fornece algumas estatísticas básicas: a duração do filme, o número de planos e a média de duração de cada plano. Se o pesquisador quiser explorar ainda mais os dados obtidos, para, por exemplo, ver a curva de velocidade de corte do filme, ele pode acessar o site do Cinemetrics, e lá gerar os gráficos e compartilhar com outros pesquisadores as informações de sua pesquisa. É um projeto colaborativo.

 

A técnica agregou estudiosos do mundo todo, surpreendendo o próprio professor, que não imaginava que existiria tanta gente disposta a contar planos de um filme. Tsivian deu o pontapé inicial e mediu dois filmes. Um ano depois, já havia quase 300 obras medidas. Hoje, com o aumento dos adeptos, a base de dados já conta com cerca de 7 mil filmes, devidamente metrados e tabelados.

Com isso, é possível ficar sabendo, por exemplo, que no filme Dez, do iraniano Abbas Kiarostami, cada plano dura em média 13,9 segundos. Já em Kill Bill 1, de Quentin Tarantino, um plano se estende em média por 1,4 segundo. Ou seja, o filme de Tarantino é muito mais acelerado e entrecortado que o de Kiarostami. Toda pessoa que viu ao menos um filme de um e outro sabe disso. Mas não com essa precisão.

Há 25 filmes brasileiros no banco de dados do Cinemetrics. Entre eles, Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha (9,2 segundos de média de duração de planos), Cabra Marcado para Morrer, de Eduardo Coutinho (7,5s), O Beijo da Mulher Aranha, de Hector Babenco (4,8s), e até realizações mais recentes, como A Mulher Invisível, de Cláudio Torres (2,7s).

Seria possível imaginar que, com dados como esse, o crítico cinematográfico se aproximaria dos comentaristas esportivos, que trabalham com planilhas, tabelas e gráficos? Não, de jeito nenhum, diz Tsivian. “A história do cinema não é a história do esporte”, escreveu o professor. “Mas não dá para não reparar que os filmes se tornaram mais rápidos.”

Alguns críticos tradicionais acham que a onda da contagem não trouxe nada de novo, em matéria de análise e interpretação de filmes. Outros estudiosos, mais pragmáticos, observam que, depois de passar um filme inteiro clicando para contar os planos, é fatal o aparecimento de bolhas ou calos nos dedos.

Tsivian não se importa com as observações jocosas. Ele acha que o Cinemetrics terá impacto em outras áreas de estudo, extrapolando a do cinema. Dá como exemplo o artigo de um psicólogo que relaciona a duração dos planos com a atividade cerebral do espectador. “Eisenstein amaria esse tipo de estudo”, disse.

Clara Meirelles

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

3

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

4

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

6

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

8

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

9

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

10

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023