esquina

Podólatra de boa cepa

O fornecedor de meias de Bush pai

Audrey Furlaneto
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2015

Na última visita que fez a George H. W. Bush, em Houston, Texas, no ano passado, Vivek Nagrani já estava com o pé na soleira quando o anfitrião o puxou pelo colarinho. O visitante virou-se e o ex-presidente americano sussurrou: “Meu jovem, estou orgulhoso de você.” A razão do orgulho? Suas meias.

Doze anos atrás, quando visitou Bush pai pela primeira vez, Nagrani ainda era um principiante, embora já tivesse certa reputação por dar tratamento de alta-costura a tão prosaica peça do vestuário. O velho político, a quem um amigo presenteara com um par da marca VK Nagrani, pediu que o estilista fosse a seu escritório. Embora desconfiado de trote, ele aceitou o convite e voou para Houston com uma dezena de meias – algumas sérias e outras, como diz, ousadas. Quando as exibiu, viu o ancião afastar os modelos em preto, cinza e azul, e escolher os amarelos e alaranjados, os com estampas florais e listras.

Desde então, comerciante e cliente encontram-se pelo menos uma vez por ano, quando o primeiro ouve conselhos e o segundo renova seu estoque. O nonagenário, que já se declarou viciado em meias em comunicado aos membros do Partido Republicano, coleciona centenas de pares. A sua casa, toda semana chegam caixas delas, nem sempre de boa qualidade, segundo o estilista, mas mesmo assim apreciadas pelo ex-presidente.

 

Bush pai já teve os pés fotografados com estampas como a bandeira dos Estados Unidos – ao lado de 23 voluptuosas líderes de torcida do Houston Texans –, com o símbolo do Super-Homem – num carrinho de golfe, em seu aniversário de 89 anos – ou com o próprio rosto impresso sobre a bandeira – numa partida de futebol americano. Em 2013, quando Bill Clinton fez-lhe uma visita, o republicano calçou um par com estampa de cactos sobre fundo laranja – o democrata postou uma foto no Twitter e confessou ter inveja do modelo.

“Odeio malha ordinária”, diz Nagrani em seu ateliê nova-iorquino, acomodado num sofá do século XIX, de costas para um móvel que abriga 144 modelos de meias de sua confecção. “Acho até desrespeitoso enviar-lhe pares baratos. Ele é um homem que foi presidente dos Estados Unidos, e as pessoas lhe mandam lixo, não veem que ele é um homem de outro nível, entende? Nunca falo sobre essas meias com ele, não o critico, mas uma vez ele me disse que, desde que passou a usar as minhas, tem recusado muitas. Outro dia, ele me confessou: ‘Tenho centenas de meias e não sei o que fazer com elas.’”

Tamanho é seu apreço pelo produto de Nagrani que em 2013, quando se completavam 25 anos do início de sua Presidência, em 1989, Bush encomendou peças comemorativas. O estilista desenhou, sobre um fundo azul-marinho, a bandeira dos Estados Unidos com o número 41 (Bush foi o 41º mandatário do país). Foram confeccionados mil pares no Peru, onde, diz o designer, nasce uma das melhores variedades de algodão do mundo. Vendidos a 41 dólares o par, esgotaram-se em quatro horas.

Não obstante alegar conhecer o político “como um ser humano normal, que leva bronca de Barbara Bush a cada dois minutos”, Nagrani nunca viu os pés de seu notável consumidor. “Ver seus pés? Isso seria algo, digamos, muito pouco presidenciável.” Ao ser informado de que, no Brasil, certa feita o então presidente Fernando Henrique Cardoso foi fotografado de meia furada, disse: “Certamente precisamos nos conhecer, eu poderia aconselhá-lo.”

Valendo-se da fama das meias do membro honorável, o Partido Republicano decidiu fisgar possíveis doadores pelos pés. Em abril do ano passado, o comitê do partido disparou e-mails a seus filiados, oferecendo, a 35 dólares, meias com listras coloridas, sobre as quais estava impressa a assinatura do ex-presidente. O próprio Bush assinava o texto do e-mail: “Eu me defino como um homem de meias. Quanto mais vivo e louco o padrão, melhor.” O partido, que há pouco conquistou maioria no Senado e no Congresso, informou outra vitória: arrecadou 1 milhão de dólares com as peças – que, na avaliação de Nagrani, foram feitas na China ou na Coreia. “Detesto dizer, mas elas são meio vagabundas. Bush não as usaria.”

 

De origem indiana, Vivek Nagrani migrou para os Estados Unidos aos 3 anos. Sem nunca ter estudado moda, recorreu a uma fábrica bicentenária na França para entender do negócio, iniciado quinze anos atrás. À época, cada par custava 20 dólares. Hoje, que ostenta o título de criador das melhores meias do mundo (ranking da revista Esquire), os preços partem de 35 e alcançam inacreditáveis mil dólares – no topo, meias de lã de vicunha, um parente andino do camelo que só é tosado de três em três anos. “Fiz uma tiragem de 36 pares, dos quais já vendi 29”, conta Nagrani. A joia jaz numa caixa de madeira maciça com um grampo banhado a ouro e é acompanhada de expertise. “Se dei uma dessas ao Bush? Jamais. Nem ele comprou. Gastar mil dólares num par de meias não é algo socialmente correto.”

Ao homem que governou a América de 1989 a 1993, Nagrani costuma enviar modelos de sua linha normal, ou seja, pares que custam em torno de 85 dólares. A única exigência do ex-mandatário, explica, é que sejam de cano curto. “Quando nos conhecemos, ele gostava das de cano longo, mais confortáveis, mas que exigem mobilidade para serem calçadas. Com a idade, Bush já não é tão ágil. No ano passado, por exemplo, ele esteve hospitalizado e mandei-lhe belas meias de cashmere, de cano curto. Lembro-me de ele ter dito que pareciam meias de um milhão de dólares.”

Já as de 41 dólares, dedicadas aos fãs de Bush pai, voltarão às prateleiras em 2015. Convocado a desenvolver uma coleção para atender ao séquito republicano, Nagrani promete algo mais arrojado: fará uma colagem com o rosto do ex-presidente em vários momentos – Bush bebê, Bush piloto da Marinha, Bush capitão do time de beisebol de Yale. Ainda não sabe se conseguirá incluir Bush diretor da CIA e Bush pai de outro presidente dos Estados Unidos – você sabe quem. “Só sei que, quanto mais ousada, melhor. Ele é um homem conservador, clássico, mas enlouquece nas meias.”

Audrey Furlaneto

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; governo federal segue sem explicar por que não acionou programa criado em 2013 para conter derrames de petróleo

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

4

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

7

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira