esquina

Quem ronca mais alto adormece primeiro

No caso de você não ser rã, saia do fundo desse poço

Maria Dolores
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

Os sócios e amigos Douglas, Renato, Binho e Ângelo acabam de chegar a um restaurante da capital paulistana, depois de encerrar a reunião quinzenal em que discutem os negócios. É um estabelecimento que participa da promoção de uma rede de cartões de crédito. O cliente paga a conta com o cartão e ganha um biscoito, dentro do qual poderá ter a sorte de encontrar a mensagem premiada. O quarteto se entusiasma, na expectativa de um deles ser o felizardo a levar para casa uma panela de cor azul ou laranja, a escolher. Chega a hora crucial: a sobremesa, acompanhada do biscoitinho. A sorte, infelizmente, não lhes sorri. O sonho de ampliar o arsenal de utensílios culinários fica para mais tarde.

Menos mau. Seria difícil convencer os organizadores de que esta não era uma promoção de biscoitos marcados. Afinal, são eles, os quatro amigos, os fabricantes da guloseima. “Quando é para uma campanha assim, as mensagens são auditadas e a distribuição é feita pelo cliente”, esclarece Sahib Tsuzaki, o Binho, a quem compete tocar o dia-a-dia da fábrica e supervisionar a produção mensal de 1 milhão e 200 mil biscoitinhos da sorte, distribuídos por todo o país. É a bem-aventurança indo ao encontro do povo.

Os sócios, todos de ascendência japonesa, começaram a produzir os biscoitinhos há onze anos, artesanalmente, para atender ao restaurante de telentrega China in Box, na época com três lojas. Em pouco tempo, a rede de comida chinesa disparou e se tornou impossível suprir a demanda à maneira antiga, biscoito a biscoito. Douglas, Renato, Binho e Ângelo compraram uma máquina nos Estados Unidos e montaram a fábrica, na rua Alvarenga Peixoto, na Lapa. Um tanto exoticamente, batizaram o empreendimento de Hakuna Matata, nome que pode soar vagamente japonês, mas vem do idioma suaíli, foi popularizado pelo desenho animado Rei Leão e significa “Nada de preocupações!”. Hoje com treze funcionários, são os maiores produtores de biscoitos da sorte no país.

A cada dia, as quatro máquinas têm capacidade de produzir 60 mil unidades, que abrigam, em seu interior, as tirinhas de papel de 7 centímetros de comprimento por 1,5 de largura, acomodadas em 5 gramas de massa doce. De um lado, o papelzinho anuncia a boa-nova; no outro, traz uma seqüência de seis números, de 1 a 60. É uma combinação randômica para serventia dos apostadores da Mega-Sena. “Nós paramos de imprimir as dezenas por um tempo, mas tivemos tanta reclamação que fomos obrigados a voltar atrás”, explica Binho. Vitória do consumidor. Ou, ao menos, a daquela parcela que se sentiu lesada na hora da fé. A maioria, porém, só se interessa pela frase auspiciosa. O que não é mau, porque, se todos levassem a sério sugestões numéricas em biscoitos da sorte, o concurso 529 da Mega-Sena teria tido mais 169 500 vencedores, número de pessoas que receberam, com a sobremesa, a tirinha com a seqüência 01, 13, 33, 38, 45 e 56, sorteada em 14 de janeiro de 2004.

Bastou as bolinhas saltarem dos globos para a Caixa Econômica Federal se ver diante do inesperado: quinze pessoas haviam acertado as seis dezenas. Todos os ganhadores moravam no Nordeste. Efetuada a investigação para detectar fraudes e possível formação de quadrilha, o inquérito concluiu, singelamente, que os quinze haviam apostado nos números de biscoitos da sorte fabricados por um senhor chamado Fong Yu, dono de uma cadeia de restaurantes chineses que se espalha pelo Nordeste. Sorte deles, e dos quatro sócios da Hakuna Matata. Embora os biscoitos premiados não tenham sido fabricados por eles, nunca se vendeu tanta mercadoria. Houve, inclusive, uma migração de pontos-de-venda: “As lotéricas passaram a dar de brinde para os clientes”, conta Douglas Kitagawa, nostálgico.

 

Uns buscam sua fortuna nos biscoitos, outros nem ligam. Segundo Renato Watanabe, os consumidores se dividem em três grupos: os que partem o biscoito, lêem a mensagem e comem o quitute; os que partem, comem e depois lêem; e os que apenas comem, com a mensagem e tudo. Esses literalmente engolem a própria sorte. Dos que lêem, há quem ache graça, discorde, ignore ou leve a frase mais a sério do que se aconselharia. Por isso, cada vez que uma frase dá problema, é expurgada da coleção.

No começo, as mensagens eram importadas dos Estados Unidas. Já vinham em português, impressas, mas a tradução literal do inglês gerava confusão. O pessoal abria o biscoito, não compreendia nada e reclamava. A campeã de críticas, rapidamente retirada de circulação, era esta: Em Deus nós confiamos, os outros pagam à vista. Todos os sorteados a encaravam como um espessíssimo enigma teológico. Provavelmente derivava do dístico da moeda americana, In God we trust, mas vá lá saber. Por via das dúvidas, os estrategistas da Hakuna Matata decidiram deixar o Altíssimo fora dos negócios. “Resolvemos eliminar qualquer frase com a palavra Deus”, explica Renato, “para evitar complicações.”

De modo geral, o mais sábio é apostar em sentenças como Aquele que ronca mais alto adormece primeiro, A tempestade arranca a árvore solitária, Esteja a cavalo quando for procurar um cavalo melhor, Não aja como uma rã sentada no fundo do poço –, que podem carecer de substância, mas atrapalhar, não atrapalham. Algumas têm até origem certificada: vêm diretamente do milenar repertório de imprecisões do I-Ching. Lê-se nelas o que bem se entende.

Mas mesmo exercendo máxima cautela, o que parece céu de brigadeiro pode virar tormenta. Frases inofensivas podem gerar um verdadeiro estardalhaço. Entram imediatamente para o index proibitorum dos dizeres da sorte. Foi o que aconteceu com Você vai receber uma herança. Quis o destino que ela fosse parar nas mãos de um menino de 13 anos, filho temporão. Como os pais já eram sexagenários, o moleque achou que ia ficar órfão ali mesmo e desatou numa crise de choro em pleno restaurante. Nem comeu o biscoito.

Maria Dolores

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

Cinema em mutação –  É Tudo Verdade reinventado

Festival adia mostra presencial, mas fará exibições online; quando a epidemia passar, o hábito de ir ao cinema persistirá?

A carteira de trabalho como alvo

As idas e vindas de uma jovem repórter para conseguir o documento, enquanto direitos trabalhistas são cada vez mais ameaçados pelas medidas de Bolsonaro e pela crise, em meio à epidemia de coronavírus

Mais textos
1

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

2

O enigma japonês

Com pouco mais de mil casos de coronavírus, Japão contraria recomendações sanitárias e causa desconfiança às vésperas de uma Olimpíada cada vez mais improvável

3

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

4

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo

6

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

7

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

8

Um médico a menos

Fora do Mais Médicos desde a eleição de Bolsonaro, clínico cubano sobrevive aplicando acupuntura em Salvador enquanto sonha em combater o coronavírus

9

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

10

Posto Ipiranga, o último a admitir

Em meio ao avanço do coronavírus, demorou dez dias até Paulo Guedes ser convencido por auxiliares de que a cartilha fiscalista seria insuficiente e o aumento de gastos, inevitável