esquina

Roberto vê tevê

Um canal bom pra cachorro

Camila Zarur
ANDRÉS SANDOVAL_2018

Os olhos seguem atentamente os movimentos na tevê, as orelhas reagem com sutileza aos sons que o aparelho emite. Sentado no sofá diante da telinha, Roberto, um carioca parrudo recém-saído da adolescência, é todo atenção. O programa mostra cachorros correndo num parque, em imagens de tom alaranjado. A câmera foi posicionada na altura dos animais, de tal modo que os humanos que eventualmente entram em cena só aparecem da cintura para baixo, como num desenho animado. A trilha sonora é agitada, com uma música incrementada por toques de campainha. As imagens não parecem seguir nenhum roteiro, mas Roberto não desgruda os olhos da tela; só se desconcentra quando escuta um barulho na rua ou sente uma coceira atrás da orelha.

Roberto é um vira-lata de quase 2 anos que mora num apartamento de dois quartos na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro. Todos os dias ele acorda cedo, dá uma volta com o dono na praça Afonso Pena e volta para casa. Após o exercício, costumava se deitar em algum canto para tirar uma soneca ou brincar com um frango de plástico que tem desde a infância. Isso até que lhe foi apresentado um canal com a programação voltada para cães; desde então, segue direto para a frente da tevê enquanto o dono se arruma para o trabalho.

A rotina mudou em setembro, quando o canal americano Dogtv estreou na grade de uma operadora brasileira de tevê a cabo. A proposta da emissora é distrair cachorros que ficam muito tempo em casa e diminuir a sensação de abandono depois que os donos saem. Com Roberto funcionou: o cão tijucano não saiu de perto da tevê durante o mês em que o sinal esteve aberto ao público – agora os assinantes precisam comprar um pacote adicional.

Não que Roberto seja um telespectador fácil: quando seu dono, o jornalista Thales Machado, participa da bancada do Redação SporTV, uma mesa-redonda sobre futebol do canal temático, o cachorro não dá a menor bola. Só fica alerta no momento em que, durante o Fantástico, o jornalista Tadeu Schmidt exibe o vídeo de uma bela defesa e imita o rosnado de um felino após dizer o bordão “Como um gato!”

Quando a piauí visitou sua casa, poucos dias antes do segundo turno da eleição presidencial, Roberto vestia uma gravata vermelha. “É uma forma de ele se posicionar nesses tempos de polarização”, explicou o dono. O período de degustação gratuita já havia terminado, mas Machado continuava a entreter o cão mostrando vídeos da Dogtv no canal da emissora no YouTube. No que depender dele, Roberto vai ter que se contentar com os aperitivos disponíveis na internet. “Sei que é maldade minha, mas quem vai pagar quase 30 reais por mês para um cachorro ver tevê?”, perguntou.

 

O canal para cães foi criado por Ron Levi, um nova-iorquino míope de 44 anos radicado em São Francisco que fez carreira como roteirista e apresentador de rádio e tevê. A ideia surgiu depois de ele observar que Charlie, seu gato malhado, se interessava pela tevê quando o aparelho ficava ligado. Sentindo-se culpado por deixar o bichano sozinho e vendo a mesma preocupação em outros donos de cães e gatos, teve um estalo: “Por que não criar um canal com conteúdo feito para animais?”, pensou. Definiu seu público-alvo em função de critérios mercadológicos. “O nicho dos cachorros era imenso”, contou à piauí numa entrevista feita por Skype. “Havia uma necessidade e um mercado, e nenhuma concorrência.”

Para entender como cativar a atenção dos cães, Levi foi atrás de dezenas de estudos científicos que tentavam explicar como eles percebem sons e imagens. “O olfato é o principal sentido dos cachorros”, explicou o diretor. “Como não conseguiríamos fazer uma tevê com cheiro, acabamos investindo na visão e audição.” Levi pesquisou as frequências sonoras mais adequadas para cães e a percepção que esses animais têm das cores. “Eu pensava, assim como muita gente, que eles viam apenas em preto e branco, mas estava enganado”, afirmou. “Eles enxergam cores como azul, amarelo e cinza, ainda que não de uma maneira tão viva como nós, humanos.” Com base nesses achados, as imagens transmitidas no canal passam por um processo de coloração durante a montagem para tornar os tons mais atraentes para os cachorros.

Os programas duram cerca de seis minutos – os produtores estimam que esse seja o tempo máximo capaz de capturar o interesse dos cães sem entediá-los. As imagens mostram cachorros buscando bolinhas, interagindo com outros bichos ou recebendo petiscos de humanos, sempre filmados da perspectiva deles próprios, por cinegrafistas de joelhos. O próprio Levi aderiu à prática. “Eles não conseguem ver nitidamente quando um objeto está parado, parece-lhes desfocado, por isso tirei os meus óculos e comecei a engatinhar pela cidade para ver as coisas embaçadas”, contou.

O Brasil é o 13º país a receber o sinal da Dogtv. Distribuída por 32 operadoras de tevê a cabo, a emissora chega a 20 milhões de assinantes. Levi não mencionou números específicos sobre a audiência do canal, mas disse que o público inclui também gatos e papagaios. “Temos até casos de humanos que gostam de assistir aos nossos programas depois de fumarem certas substâncias”, brincou.

Antes que o canal estreasse, em 2012, durante um ano programas-piloto foram exibidos como teste em 38 apartamentos com cachorros em Nova York e Los Angeles. Os resultados convenceram Levi de que sua aposta era acertada: alguns telespectadores ficavam hipnotizados pelas imagens, outros chegavam a pular em cima da tevê e tentavam lamber a tela. Nem todos, porém, eram fisgados – alguns pareciam ignorar por completo a programação.

Foi o caso das duas cadelas da repórter da piauí, que não se interessaram pelas imagens. Ao saber disso, o criador do Dogtv explicou que, nas casas com mais de um cachorro ou com muito espaço aberto, o canal não faz muito sucesso. “Com companhia e espaço para brincar, os bichos se sentem menos sozinhos e têm mais o que fazer do que assistir à tevê”, justificou Levi.

Camila Zarur

Camila Zarur é jornalista. Trabalhou na piauí e no jornal O Globo

Leia também

Últimas Mais Lidas

O amigo oculto de Temer

Dono de empreiteira é apontado nas investigações como operador do ex-presidente

Um infográfico interativo sobre a avaliação do governo Bolsonaro

Clique nas setas para selecionar um grupo específico e conhecer os números

A vingança da Lava Jato

Após contra-ataque do Supremo, operação responde com prisão de Temer e recado a tribunal

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #43: Viagem à Trumplândia e o troca-troca pela Previdência

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

Trilogia do Luto – filme como instrumento de vingança

Cristiano Burlan expõe memórias, culpa e busca por justiça no terceiro documentário sobre mortes na família

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

5

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

6

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

8

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais

9

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

10

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão