esquina

Um conto da peste

A caça ao rato que dividiu os moradores de um condomínio no Rio

Consuelo Dieguez
CREDITO: ANDRÉS SANDOVAL_2021

No Decameron, escrito por Giovanni Boccaccio por volta de 1350, dez jovens se refugiam num castelo próximo à Florença, a fim de escapar da peste negra que assola a Europa. Para passar o tempo, eles se entretêm contando histórias.

Sete séculos depois, o mundo voltou a ser atacado por nova praga, a Covid-19, que, como a peste negra, surgiu na China. No Rio de Janeiro, não num castelo, mas num prédio de classe média alta no bairro de São Conrado, os moradores, sem se dar conta, também contam histórias – ou criam casos – no grupo de WhatsApp do condomínio, talvez como forma de enfrentar o confinamento.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Consuelo Dieguez

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas

O padre, o filho e a pensão alimentícia

Justiça manda religioso pagar três salários mínimos mensais a ex-fiel que diz ter tido um romance e um filho com ele; o padre nega

Pela simplificação dos planos diretores

Legislação complicada e genérica precisa ser substituída por outra capaz de ser entendida pela população

O encalhe de Pantanal e Dona Beija

Acervo com mais de 25 mil fitas da Rede Manchete vai a leilão, mas não atrai nenhum comprador

Foro de Teresina #154: Boom, bola e bolso

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dias de alívio e de pranto

Vestibulanda relata angústia de ver sua avó, vacinada, se recuperar da Covid, enquanto um amigo chorava a morte do pai, sem vacina

Mais textos