obituário

Um engenheiro e suas obras imateriais

As pesquisas pioneiras de Mauricio Peixoto na matemática

Fernando Tadeu Moraes
A longevidade intelectual de Mauricio Peixoto foi espantosa. Produziu matemática e escreveu artigos até os 93 anos. “Trabalhava duro, muitas vezes varando a madrugada”, disse sua mulher
A longevidade intelectual de Mauricio Peixoto foi espantosa. Produziu matemática e escreveu artigos até os 93 anos. “Trabalhava duro, muitas vezes varando a madrugada”, disse sua mulher ILUSTRAÇÃO: CAIO BORGES_2019

Poucos matemáticos carregam a distinção de terem dado uma contribuição decisiva a um campo de pesquisa, dessas capazes de mudar-lhe o curso e dividi-lo em um antes e um depois. Mauricio Peixoto, que morreu no dia 28 de abril, aos 98 anos, no Rio de Janeiro, fez isso e mais um pouco. Seu trabalho teórico, sem dúvida, “mudou a história da área de sistemas dinâmicos”, afirmou Marcelo Viana, diretor do Instituto de Matemática Pura e Aplicada, o Impa, que Peixoto ajudou a fundar na década de 50, hoje um dos raros centros de excelência – em qualquer área do saber – sediados no Brasil.

Os resultados das pesquisas feitas por Mauricio Peixoto, além de impulsionar e dar vida nova aos estudos dos sistemas dinâmicos em todo o mundo, mudariam também a história institucional da matemática no Brasil: sua área de expertise se tornaria o campo em que alguns dos melhores matemáticos brasileiros, como o próprio Viana e Artur Avila, vencedor da Medalha Fields em 2014, fariam suas mais importantes descobertas. Se o Brasil tem relevância na atual geopolítica da matemática, é por causa de um acúmulo de décadas de estudos nessa área bem específica, tradição em grande medida fundada por Peixoto.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Fernando Tadeu Moraes

É jornalista e escreve editoriais para a Folha de S.Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #84: Ascensão evangélica, Democracia em Vertigem e a Aliança pelo Brasil

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Paraíso Deve Ser Aqui – o que sobrará da mediocridade imposta?

Humor lacônico de cineasta palestino faz refletir sobre como estado policial estende seus tentáculos pelo mundo

Diários de Teerã 

Os oito dias que abalaram a capital do Irã, pelos olhos de uma moradora da cidade

Esperando a lama

Ameaçado por barragem da Vale, vilarejo histórico do interior de Minas tem moeda paralela, moradores divididos em categorias e uma espera que não permite planos

Foro de Teresina #83: EUA x Irã, Bolsonaro x Moro e o atentado ao Porta dos Fundos

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Nos ombros de Queiroz, a volta do Zero Um

Graças a escândalo envolvendo assessor, Flavio Bolsonaro termina o ano como o bolsonarista mais lembrado no Twitter

Vitalina Varela – condenada desde o nascimento

Premiado no exterior, filme de Pedro Costa não causou no Brasil o alarido que merece

Na piauí_160

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas esta semana

Mais textos
1

Memória desarmada

Diretora de Democracia em Vertigem retira armas de foto histórica e abre discussão sobre alteração de imagens em documentários

3

Diários de Teerã 

Os oito dias que abalaram a capital do Irã, pelos olhos de uma moradora da cidade

5

O radical

Como Roberto Alvim faz teatro

7

Esperando a lama

Ameaçado por barragem da Vale, vilarejo histórico do interior de Minas tem moeda paralela, moradores divididos em categorias e uma espera que não permite planos

8

História de uma amizade

Como Emílio Odebrecht conheceu Lula e o que aconteceu depois

9

Dois empresários paulistas contam por que estimulam Bolsonaro

Fundador da Tecnisa e dono de empresa de monitoramento de mídia marcam encontros entre pré-candidato e comunidade judaica de São Paulo. “Apoio quem seja contra a esquerda”, resume incorporador