obituário

Um engenheiro e suas obras imateriais

As pesquisas pioneiras de Mauricio Peixoto na matemática

Fernando Tadeu Moraes
A longevidade intelectual de Mauricio Peixoto foi espantosa. Produziu matemática e escreveu artigos até os 93 anos. “Trabalhava duro, muitas vezes varando a madrugada”, disse sua mulher
A longevidade intelectual de Mauricio Peixoto foi espantosa. Produziu matemática e escreveu artigos até os 93 anos. “Trabalhava duro, muitas vezes varando a madrugada”, disse sua mulher ILUSTRAÇÃO: CAIO BORGES_2019

Poucos matemáticos carregam a distinção de terem dado uma contribuição decisiva a um campo de pesquisa, dessas capazes de mudar-lhe o curso e dividi-lo em um antes e um depois. Mauricio Peixoto, que morreu no dia 28 de abril, aos 98 anos, no Rio de Janeiro, fez isso e mais um pouco. Seu trabalho teórico, sem dúvida, “mudou a história da área de sistemas dinâmicos”, afirmou Marcelo Viana, diretor do Instituto de Matemática Pura e Aplicada, o Impa, que Peixoto ajudou a fundar na década de 50, hoje um dos raros centros de excelência – em qualquer área do saber – sediados no Brasil.

Os resultados das pesquisas feitas por Mauricio Peixoto, além de impulsionar e dar vida nova aos estudos dos sistemas dinâmicos em todo o mundo, mudariam também a história institucional da matemática no Brasil: sua área de expertise se tornaria o campo em que alguns dos melhores matemáticos brasileiros, como o próprio Viana e Artur Avila, vencedor da Medalha Fields em 2014, fariam suas mais importantes descobertas. Se o Brasil tem relevância na atual geopolítica da matemática, é por causa de um acúmulo de décadas de estudos nessa área bem específica, tradição em grande medida fundada por Peixoto.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Fernando Tadeu Moraes

É jornalista e escreve editoriais para a Folha de S.Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

3

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

4

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

5

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

8

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

10

De volta à Rua do Ouvidor

Uma pequena livraria no Centro do Rio sobrevive à catástrofe econômica causada pela quarentena