esquina

Volta às origens

Depois do crime, o exílio

Tiago Coelho
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016

Com um turbante colorido, salpicado de desenhos tribais africanos, Pedro Alvarenga desce o morro do Vidigal, no Leblon. São sete da manhã. Por volta das nove, precisa estar no outro lado da cidade para uma aula de estética. No sopé do morro, pega o primeiro dos dois ônibus que o levarão até a Ilha do Fundão, onde se localiza o campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a UFRJ. Enquanto faz o trajeto, observa a paisagem mudar drasticamente. Na orla da Zona Sul, as grades que rodeiam os prédios o incomodam. “O medo virou o principal afeto do Rio”, comenta um tanto aflito, talvez sentindo o peso de usar como sinônimo palavras quase antagônicas – medo e afeto. Depois de atravessar o túnel Santa Bárbara, desemboca no Centro e avalia a Zona Portuária, reconstruída para os Jogos Olímpicos. “Chamam de revitalização o que se deu aqui, só que as obras soterraram o passado.” Na Zona Norte, avista a favela da Maré e se impressiona com a imensidão da comunidade. “É precária, mas potente, viva.” Quando finalmente chega à Ilha do Fundão, desce em frente ao prédio modernista que abriga a Escola de Belas Artes e vai para o 7º andar.

Terminada a aula, caminha em silêncio até a janela da sala. “Foi ali que encontraram o Diego”, diz, enquanto aponta para a Baía de Guanabara. “Preto, pobre e viado, como eu. Quem o matou deve continuar por aí.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Tiago Coelho

Repórter da piauí e roteirista de cinema

Leia também

Últimas

Queridos, encolhi o país

Brasil piorou em PIB, renda per capita, indicadores de saúde e educação

Passou a boiada e agora chama a polícia

Bolsonaro desmonta sistema de fiscalização ambiental e, pressionado por Biden, diz que Força Nacional vai combater desmatamento

A cada 15 minutos, um Henry pede socorro

Serviços de saúde atendem por ano quase 33 mil crianças de até 9 anos com sinais de violência física, sexual ou psicológica; em cada quatro agressões, três acontecem dentro de casa

Temas recorrentes, tragédias perenes

A Última Floresta documenta, com olhar antropológico, aldeia na terra Yanomami

É praia, é piscina, é viagem oficial!

As equipes precursoras de Bolsonaro aumentam o número de dias das viagens e aproveitam para fazer turismo às custas do dinheiro público

Sem clima pra boiada

Conferência de chefes de Estado quer metas concretas de redução do desmatamento ilegal; estratégia bolsonarista atropela acordos com Biden

Mais textos