chegada

A volta das que não foram

Uma árvore considerada extinta está, na verdade, sob o nariz dos pesquisadores

Bernardo Esteves
Desde 2015 foram achadas 229 guarajubas, árvores declaradas extintas na natureza em 1998
Desde 2015 foram achadas 229 guarajubas, árvores declaradas extintas na natureza em 1998 FOTO: IUCN_UNIÃO INTERNACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E RECURSOS NATURAIS

Há alguns meses, o biólogo Eduardo Fernandez não dispunha de muitas opções se quisesse ter acesso a seu principal objeto de estudo, uma árvore conhecida popularmente como guarajuba, que só ocorre em território fluminense. Ele podia observá-la no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, onde existem apenas seis exemplares, ou se contentar com amostras preservadas em herbários.

Dona de um tronco claro e vistoso que parece estar descascando, a guarajuba chega a atingir 30 metros de altura. Em 1846, quando a descreveu, o naturalista Francisco Freyre Allemão batizou-a de Terminalia acuminata e notou que predominava na baixada litorânea do Rio. Como sua madeira é de boa qualidade e flutua bem, a árvore se presta perfeitamente à fabricação de móveis e embarcações. Por isso, acabou sofrendo exploração indiscriminada e, em 1998, entrou na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. O catálogo – produzido por uma ONG com sede na Suíça – enumera bichos e plantas que se encontram em perigo ou já desapareceram. Nele, a guarajuba figura como “extinta na natureza”.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Bernardo Esteves

Repórter da piauí, é autor do livro Domingo É Dia de Ciência (Azougue Editorial)

Leia também

Últimas

Covid rouba dois anos da expectativa de vida dos brasileiros

Mortalidade associada à doença diminui esperança de vida de 77 para 75 anos; Rio e Porto Alegre registraram mais mortes que nascimentos em 2020

Desenvolver vacina no Brasil é dose

Além do coronavírus, cientista batalha contra negacionismo, orçamento curto, burocracia e exaustão

Memória de uma dor sem fim

Mãe da menina Isabella Nardoni, assassinada em 2008, troca mensagens de apoio com o pai do menino Henry Borel

“Queremos testar medicamento contra Covid no Brasil”

Brasileiro reproduz em laboratório de universidade americana anticorpos que combatem coronavírus

Bolsonaros cumprem quarentena

Enquanto o presidente sabota medidas para frear o coronavírus no país, seus parentes se beneficiam do lockdown em Eldorado, no interior paulista

Mais textos