chegada

A volta do ditador

Em Porto Alegre, a avenida da Legalidade e da Democracia reassume o nome do general Castello Branco

Leonardo Pujol
A via adotou o nome do militar em 1973. Perdeu-o em 2014 e o resgatou agora na Justiça
A via adotou o nome do militar em 1973. Perdeu-o em 2014 e o resgatou agora na Justiça FOTO: JC_MARCELO G. RIBEIRO

Os funcionários da prefeitura começaram pelo sentido capital-interior. Estacionaram o caminhão, bloquearam uma das três pistas e se puseram a trabalhar apressadamente. A trégua dada pela chuva permitiu o último ato de uma disputa que se arrastava havia anos: a substituição das placas que nomeiam a principal via de acesso a Porto Alegre. Naquela tarde de terça-feira, a avenida da Legalidade e da Democracia retornava à nomenclatura anterior, avenida Presidente Castello Branco.

Os operários usaram um braço hidráulico acoplado ao caminhão para desinstalar uma das placas de aço galvanizado. Com 34 quilos, 2 metros de largura e 1 de altura, a chapa tinha uma película azul que, em letras brancas, identificava o logradouro. Fabricada do zero, cada placa custa 1 001,20 reais ao município. Mas se a estrutura for reciclada – como era o caso – o valor cai para 250 reais (paga-se apenas o adesivo). Os trabalhadores removeram a placa antiga e a substituíram pela nova, que fica a cerca de 4 metros do solo.

Enquanto se preparavam para repetir a operação no sentido inverso da avenida, a vereadora Mônica Leal, do PP, e três oficiais aposentados do Exército se reuniram embaixo da chapa recém-instalada. Os quatro, sorridentes e abraçados, posaram para uma foto que acabou parando no Facebook. A postagem incluía um trecho do slogan que Jair Bolsonaro adotou durante a última campanha eleitoral: “Brasil acima de tudo.” Homenageado na placa, o general cearense Humberto de Alencar Castello Branco assumiu a Presidência da República logo após o golpe de 1964, que ajudou a articular. Ao longo de seu governo, encerrado em março de 1967, aboliu o pluripartidarismo e cassou parlamentares da oposição.

 

Um dos oficiais que posou para a foto do Facebook é o coronel e advogado Hegel Pereira Britto. Ele representou a bancada municipal do PP num recurso que pedia à Justiça a anulação da lei responsável por transformar a avenida Castello Branco em avenida da Legalidade e da Democracia. O processo de Britto apontava três problemas na legislação. Primeiro: a existência de um largo da Legalidade em Porto Alegre. O espaço, minúsculo, se localiza numa praça em frente ao Palácio Piratini, sede do governo estadual. O segundo problema dizia respeito ao fato de a avenida ter sido renomeada sem que se consultassem os moradores da área. Por fim, o coronel refutou o quórum da sessão que, em 2014, aprovou a mudança por 21 votos a 5. Alegava que, para se rebatizar um logradouro na capital gaúcha, seria preciso o aval de pelo menos 24 dos 36 vereadores.

Em abril passado, o Tribunal de Justiça acatou o recurso e determinou que a avenida assumisse novamente o nome do ditador. “Eu não acreditava que o Judiciário pudesse nos dar ganho de causa. Mas, graças a Deus, as instituições ainda funcionam neste país. Sinto-me honrado em resgatar a memória de um herói nacional”, festejou Britto. O Ministério Público do estado tentou reverter a determinação, mas não teve sucesso. Assim, em setembro, lá estavam os funcionários da prefeitura trocando as placas.

 

O deputado Pedro Ruas, do PSOL, se diz decepcionado com a Justiça. “Isso é a prova do retrocesso que assombra o Brasil”, desabafou em seu gabinete na Assembleia Legislativa. Foi ele quem apresentou, em 2011, como vereador, o projeto de lei que deletava Castello Branco e criava a avenida da Legalidade para marcar o cinquentenário de um episódio muito conhecido no Rio Grande do Sul. Tão logo o presidente Jânio Quadros renunciou, em agosto de 1961, as Forças Armadas quiseram impedir que o vice, João Goulart, ascendesse. Cunhado de Jango, o governador gaúcho Leonel Brizola se opôs à quartelada e liderou a resistência que exigia a posse do parente, como mandava a lei.

Nem a prefeitura, nem a Câmara guardam documentos que reconstituem a história da avenida. Segundo Ruas, a via adotou o nome do general em 1973 por ordem dos militares. Eles avaliavam que Porto Alegre não honrava suficientemente o regime. O parlamentar discorda do coronel Britto em relação à necessidade de consultar moradores para rebatizar a avenida. Oficialmente, ninguém vive nela – seus 3 quilômetros de extensão reservam-se ao tráfego de alta velocidade. À esquerda do logradouro, há o muro do metrô de superfície. E à direita, fábricas e armazéns.

Rejeitado em 2011, o projeto do vereador voltou à carga três anos depois, com o acréscimo da palavra “democracia”. Dessa vez, a Câmara o aprovou. O então prefeito, José Fortunati, se eximiu de sancioná-lo ou mesmo vetá-lo, cabendo ao Legislativo oficializar a nova denominação. Revisionismo semelhante se deu tanto em outras cidades brasileiras, como São Paulo, quanto em outros países, a exemplo da Alemanha, do Chile e da Argentina. Recentemente, em Madri, os nomes de 49 ruas que homenageavam pessoas ligadas à Guerra Civil Espanhola (1936-39) ou ao governo autoritário de Francisco Franco (1936-75) foram substituídos pelas identificações anteriores ou por tributos a mulheres ilustres, instituições de ensino e políticos.

Um levantamento dos Correios em 367 municípios do Brasil, incluindo todas as capitais, demonstra que pelo menos 365 logradouros reverenciam Castello Branco. Duzentos e trinta e sete celebram Artur da Costa e Silva, o segundo presidente da ditadura, e 88 cultuam o terceiro, Emílio Garrastazu Médici.

 

A Rádio Gaúcha, emissora de maior audiência no estado, decidiu continuar se referindo à via como avenida da Legalidade e da Democracia até que ocorresse a substituição das placas. “Durante um mês, muitos ouvintes me atacaram no Twitter. Diziam que sou comunista ou do PSOL”, lembra a repórter de trânsito Marina Pagno.

Nove dias após a troca, a jornalista noticiou que uma das placas amanhecera pichada. Na semana seguinte, outro ato de vandalismo cobriu parcialmente um dos letreiros. O substantivo “vergonha” aparecia em cima do nome de Castello Branco.

Leonardo Pujol

Leonardo Pujol é jornalista e sócio-diretor da República – Agência de Conteúdo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

Foro de Teresina #46: Os 100 dias de governo, o marasmo na economia e a chuva (de tiros) no Rio

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Caso Hammarskjöld – persistência recompensada

Documentário tem chance de ajudar a esclarecer morte de secretário-geral da ONU

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

2

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

5

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

6

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

7

O apocalipse dos insetos

O futuro sinistro de um mundo sem mosquitos nem abelhas

9

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

10

Ordem no bandejão

Universitários se reúnem para celebrar o conservadorismo