Igualdades

Menos carbono na quarentena

Luigi Mazza e Renata Buono
25maio2020_10h36

A quarentena poupou a atmosfera do planeta de 1 bilhão de toneladas de gás carbônico desde o início do ano. O céu ficou mais limpo em vários países, aliviando, ao menos temporariamente, a escalada do aquecimento global. No Brasil, a indústria, os carros e os aviões reduziram suas emissões de carbono em 9,7 milhões de toneladas em março e abril. Apesar disso, o saldo total das emissões brasileiras está em alta. Por conta do avanço do desmatamento na Amazônia, o país caminha hoje na contramão do mundo: enquanto o planeta deve reduzir suas emissões de carbono em 6% até o fim do ano, o Brasil corre risco de aumentar as suas em até 20%, segundo uma estimativa feita pelo Observatório do Clima. Com apenas quatro dias de desmatamento, o Brasil compensa todo o gás carbônico que deixou de lançar na atmosfera durante a quarentena. O =igualdades dá dimensão desses números.

Em 2019, de janeiro a abril, foram lançados 11 bilhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera. Em 2020, no mesmo período, foram 10 bilhões de toneladas.

A cada 100 toneladas de dióxido de carbono que deixaram de ser emitidas este ano, 23 foram na China, 21 nos Estados Unidos, 12 na Europa, 9 na Índia, 5 na Rússia, 4 na América do Sul e Central e 26 em outros países.

A China deixou de emitir 246 milhões de toneladas de carbono desde o começo da pandemia. Isso é o dobro do que a Europa deixou de emitir (123 milhões de toneladas).



Desde o começo do ano, o Brasil deixou de emitir 9,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono da indústria, da energia e dos transportes. A Índia deixou de emitir dez vez isso: 98 milhões de toneladas.

O setor de aviação dos Estados Unidos deixou de emitir 27 milhões de toneladas de carbono em 2020. Isso é o triplo de todo o carbono que o Brasil deixou de emitir (9,7 milhões).

A cada 20 toneladas de carbono que emitia por mês em 2019, na indústria, no setor de energia e nos transportes, o Brasil passou a emitir 15 toneladas em março deste ano. Em abril, volume cresceu para 18 toneladas.

Desde o começo da pandemia, o Brasil deixou de lançar 9,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera. Isso corresponde ao volume de carbono que o desmatamento e as queimadas no país produziram a cada quatro dias, em 2018.

Estudo feito pelo Observatório do Clima aponta que as emissões de carbono causados pelo desmatamento podem aumentar até 51% este ano. Nesse cenário, a cada 10 toneladas de carbono emitidas em 2018 pelo desmatamento, 15 seriam emitidas até o fim de 2020.

A projeção do Observatório do Clima aponta que a emissão de carbono deve cair 6% no mundo por causa da pandemia; no Brasil, volume de carbono lançado na atmosfera pode subir até 20%.

Fontes: Estudo publicado por pesquisadores da Universidade de East Anglia; International Energy Agency (IEA); Observatório do Clima.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí, produtor da rádio piauí e diretor do podcast Foro de Teresina

Renata Buono (siga @revistapiaui no Twitter)

Renata Buono é designer e diretora do estúdio BuonoDisegno

leia mais

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

5

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos