a dança dos números

Veja os últimos resultados de Datafolha e Ibope

Acompanhe a atualização diária das pesquisas eleitorais

José Roberto de Toledo
01out2018_22h47

*

Os números do gráfico acima são atualizados diariamente. A reportagem abaixo foi publicada na segunda-feira, 1 de outubro, após a publicação de pesquisa Datafolha que mostrou crescimento de Bolsonaro entre as mulheres.

*

Mesmo após o #EleNão, o crescimento de Bolsonaro foi maior entre as mulheres do que entre os homens: seis pontos percentuais em cinco dias, segundo o Ibope (contra três pontos no eleitorado masculino). Embora a diferença esteja diminuindo, ainda há um fosso de gênero entre os bolsonaristas: o capitão reformado tem 39% entre homens e 24% entre mulheres. No eleitorado total, Bolsonaro chegou a 38% dos votos válidos. A seis dias do primeiro turno, está a “um Ciro” de ser eleito presidente (o candidato do PDT tem 13% dos válidos).

A pesquisa do Ibope começou no sábado, dia em que as manifestações do #EleNão levaram centenas de milhares de mulheres às ruas de dezenas de cidades de todas as regiões do Brasil para protestar contra a misoginia do candidato do PSL, e continuou no domingo. A despeito do crescimento de Bolsonaro no eleitorado feminino, 51% das eleitoras dizem que não votariam nele de jeito nenhum.

Uma hipótese para explicar a falta de impacto eleitoral do movimento #EleNão é que apenas as mulheres que já eram contra Bolsonaro participaram e ficaram sabendo dos atos. As manifestações não tiveram cobertura ao vivo das emissoras de tevê aberta e receberam pouca cobertura nos telejornais. No Jornal Nacional, por exemplo, foram quatro minutos, contra onze dedicados à alta hospitalar de Bolsonaro e a entrevista de sua ex-mulher negando tudo o que havia acusado o ex-marido de ter feito e que ficou registrado no processo de separação de ambos.

Outra razão para o crescimento de Bolsonaro é o aumento explosivo da rejeição de Fernando Haddad, do PT, que chegou a 38%. É um reflexo da campanha negativa feita pelos adversários no horário eleitoral gratuito e dos ataques que o petista sofreu nos dois últimos debates entre candidatos a presidente. À medida que mais eleitores o identificam ao PT, Haddad é mais rejeitado. Isso também estancou o crescimento do petista, que oscilou de 26% para 25% dos votos válidos (ele tem 21% nos votos totais).

Os ataques a Haddad e ao PT tendem a se intensificar na reta final do primeiro turno. A pesquisa do Ibope não registrou eventuais efeitos eleitorais, por exemplo, da delação premiada do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, tornada pública nesta segunda-feira pelo juiz Sérgio Moro.

O crescimento em soluços de Bolsonaro (cresce e para, cresce e para) e a interrupção do crescimento de Haddad aumentam a possibilidade de vitória do candidato do PSL no primeiro turno – embora essa probabilidade ainda seja pequena. Para que isso ocorresse, seria necessário, por exemplo, que Ciro, Alckmin e Marina transferissem metade de seus votos diretamente para Bolsonaro. Não é provável mas não é impossível.

As novas pesquisas dirão. Haverá Datafolha nesta terça, Ibope na quarta, Datafolha na quinta, e Ibope e Datafolha no sábado.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

Moro em queda livre

Ministro e seu pacote anticrime perdem espaço no governo, no TCU e no Twitter

Foro de Teresina #72: Bolsonaro contra o PSL, o governo contra a imprensa, e o Sínodo pela Amazônia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Entre a cruz e a motosserra

Na Amazônia profunda, missionária católica enfrenta a falta de padres, os pastores evangélicos e o desmatamento, enquanto papa faz Sínodo sobre a região

O retorno da audácia à Nicarágua

Estudante que desafiou Daniel Ortega volta do autoexílio para retomar resistência ao regime

Frans Krajcberg – dignidade e revolta

Documentário faz reviver inconformismo do artista diante da destruição ambiental brasileira 

Extra: Foro de Teresina especial no Festival Piauí de Jornalismo

Programa gravado ao vivo em São Paulo já está disponível

Mais textos