a dança dos números

Veja os últimos resultados de Datafolha e Ibope

Acompanhe a atualização diária das pesquisas eleitorais

José Roberto de Toledo
01out2018_22h47

*

Os números do gráfico acima são atualizados diariamente. A reportagem abaixo foi publicada na segunda-feira, 1 de outubro, após a publicação de pesquisa Datafolha que mostrou crescimento de Bolsonaro entre as mulheres.

*



Mesmo após o #EleNão, o crescimento de Bolsonaro foi maior entre as mulheres do que entre os homens: seis pontos percentuais em cinco dias, segundo o Ibope (contra três pontos no eleitorado masculino). Embora a diferença esteja diminuindo, ainda há um fosso de gênero entre os bolsonaristas: o capitão reformado tem 39% entre homens e 24% entre mulheres. No eleitorado total, Bolsonaro chegou a 38% dos votos válidos. A seis dias do primeiro turno, está a “um Ciro” de ser eleito presidente (o candidato do PDT tem 13% dos válidos).

A pesquisa do Ibope começou no sábado, dia em que as manifestações do #EleNão levaram centenas de milhares de mulheres às ruas de dezenas de cidades de todas as regiões do Brasil para protestar contra a misoginia do candidato do PSL, e continuou no domingo. A despeito do crescimento de Bolsonaro no eleitorado feminino, 51% das eleitoras dizem que não votariam nele de jeito nenhum.

Uma hipótese para explicar a falta de impacto eleitoral do movimento #EleNão é que apenas as mulheres que já eram contra Bolsonaro participaram e ficaram sabendo dos atos. As manifestações não tiveram cobertura ao vivo das emissoras de tevê aberta e receberam pouca cobertura nos telejornais. No Jornal Nacional, por exemplo, foram quatro minutos, contra onze dedicados à alta hospitalar de Bolsonaro e a entrevista de sua ex-mulher negando tudo o que havia acusado o ex-marido de ter feito e que ficou registrado no processo de separação de ambos.

Outra razão para o crescimento de Bolsonaro é o aumento explosivo da rejeição de Fernando Haddad, do PT, que chegou a 38%. É um reflexo da campanha negativa feita pelos adversários no horário eleitoral gratuito e dos ataques que o petista sofreu nos dois últimos debates entre candidatos a presidente. À medida que mais eleitores o identificam ao PT, Haddad é mais rejeitado. Isso também estancou o crescimento do petista, que oscilou de 26% para 25% dos votos válidos (ele tem 21% nos votos totais).

Os ataques a Haddad e ao PT tendem a se intensificar na reta final do primeiro turno. A pesquisa do Ibope não registrou eventuais efeitos eleitorais, por exemplo, da delação premiada do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, tornada pública nesta segunda-feira pelo juiz Sérgio Moro.

O crescimento em soluços de Bolsonaro (cresce e para, cresce e para) e a interrupção do crescimento de Haddad aumentam a possibilidade de vitória do candidato do PSL no primeiro turno – embora essa probabilidade ainda seja pequena. Para que isso ocorresse, seria necessário, por exemplo, que Ciro, Alckmin e Marina transferissem metade de seus votos diretamente para Bolsonaro. Não é provável mas não é impossível.

As novas pesquisas dirão. Haverá Datafolha nesta terça, Ibope na quarta, Datafolha na quinta, e Ibope e Datafolha no sábado.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia