colunistas

“Michelle, encolhi os ministros”

Bolsonaro se emancipa de seus tutores e mostra quem manda no governo

José Roberto de Toledo
06jul2019_10h24

Os tutores não tutelam mais. Nem Paulo Guedes, nem Sergio Moro, tampouco os generais. Jair Bolsonaro tomou posse em 1º de janeiro, mas só se emancipou como presidente em junho. Foram quase seis meses até que o empossado tomasse posse do Palácio e da Esplanada. 

O lento processo de emancipação culminou no mês passado. Foi numa noite de domingo, a do vazamento das conversas nas quais Moro rasga a toga e comanda os acusadores da Lava Jato, que o presidente começou a se livrar das últimas amarras. Avançou demitindo o general Santos Cruz da Secretaria de Governo e consolidou seu poder fritando em público o presidente do BNDES sem avisar o chefe da vítima, o ministro Guedes.

Desde então, Bolsonaro mostrou, repetidamente, quem manda. O capitão demitiu o general sem dar-lhe quaisquer explicações, atropelou o Posto Ipiranga na reforma da Previdência tentando emplacar uma exceção para os policiais e beneficiou-se do desgaste público de Moro, seu mais próximo concorrente em 2022. Bolsonaro cresceu enquanto seus pretensos tutores encolheram. Quem não era minion está ficando. Dentre os miniaturizados, a competição é dura para ver quem perdeu mais massa crítica, mas o general Augusto Heleno seria protagonista na versão brasiliense da comédia intitulada “Michelle, encolhi os ministros”. 

Quando não está fazendo papel de figurante em live presidencial pelo Facebook, o titular do Gabinete de Segurança Institucional, o GSI, perpetra frases que emulam o conhecimento aritmético do seu chefe: “Esses índices de desmatamento são manipulados. Se você somar os percentuais que já anunciaram até hoje de desmatamento na Amazônia, a Amazônia seria um deserto”. 

A frase soa especialmente chocante para quem acreditava que o ex-comandante das forças das Nações Unidas no Haiti fosse o cão de guarda plantado no Palácio do Planalto pelo generalato para corrigir rumos, não apenas palavras mal-pronunciadas pelo presidente. A convivência diária com Bolsonaro parece ter surtido mais efeitos em Heleno do que o contrário. A frase sobre o desmatamento amazônico pressupõe que o ministro somou taxas de crescimento como se fossem números absolutos, e concluiu, equivocadamente, que elas superavam 100% da floresta.

Pode ter sido blague, ou outra tentativa de desqualificar o que resta de técnico e científico no governo. Afinal, basta começar por “I” de instituto que o bolsonarismo transforma em alvo: Inpe, IBGE, Ibama. Até instituições privadas, como o Ibope, sofrem campanha permanente de descrédito. Fato é que o general não perde chance de demonstrar seu senso de humor peculiar. Quando um sargento da Aeronáutica foi preso pela polícia espanhola com 39kg de cocaína na mala que trouxera dentro de um avião da comitiva de Bolsonaro, Heleno eximiu-se de responsabilidade pela falha de segurança fazendo piada: “Só se fôssemos videntes, se o GSI tivesse bola de cristal”.

Fossem mesmo adivinhos, talvez os militares pensassem duas vezes antes de aderir ao governo Bolsonaro.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Mais textos de José Roberto de Toledo

Uma “mula” ocasional de 2 milhões de euros

Os 39 quilos de cocaína apreendidos com militar da comitiva de Bolsonaro chamam a atenção da Polícia Federal; “mulas” costumam transportar entre um e dois quilos

2019 não virou 1961

Ruas mostram ruim/péssimo maior que ótimo/bom, mas Bolsonaro tem militância que faltou a Dilma e a Collor; segue o impasse

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

O presidente inseguro

Enquanto Guedes e Mourão tratam do que importa, Bolsonaro demite civis do segundo escalão

Venezuela, seus dois presidentes e o vizinho

Eleição de Bolsonaro precipitou ação diplomática coordenada pelos Estados Unidos contra Maduro, avalia especialista

Bolsonaro-dependência

Oposição ao novo presidente joga sem pressa e no erro adversário

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

Super Moro 2022

Ao nomear juiz para ministério, Bolsonaro controla a própria sucessão

Mais textos