questões da opinião pública

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Emily Almeida
26maio2020_16h45
Ilustração: Carvall

Desde a chegada da pandemia da Covid-19 ao país, o presidente Jair Bolsonaro tem fechado os olhos para as recomendações de cientistas e pesquisadores. Defende o uso da cloroquina – mesmo reconhecendo que não há comprovação científica de sua eficácia – e aparece constantemente em público em aglomerações, ignorando recomendações do Ministério da Saúde. Entre os brasileiros, no entanto, a confiança na ciência tem crescido: em pesquisa inédita do IDEA Big Data, 76% dos entrevistados declaram que seu interesse em ouvir a opinião, os conselhos e as orientações de especialistas qualificados, como cientistas e pesquisadores, aumentou.

A pesquisa foi realizada de 19 a 20 de maio com pessoas de 18 anos ou mais em todo o país. Para 34% dos entrevistados, o perfil mais adequado de líder para enfrentar a pandemia é o de uma pessoa da área da ciência, e 6% acreditam que um militar deve ocupar essa posição. Com a saída do médico Nelson Teich da Saúde após 29 dias no cargo, a pasta passou a ser comandada, interinamente, pelo general Eduardo Pazuello, que admite ser leigo com relação a questões técnicas da área da saúde. Antes de Teich, o também médico Luiz Henrique Mandetta deixou o ministério após divergências com Bolsonaro.

Ainda que o interesse dos entrevistados em ouvir especialistas tenha aumentado, 60% admitem que leram ou receberam algum tipo de informação falsa sobre a epidemia. A rede social em que esse tipo de conteúdo mais aparece é o WhatsApp, com 41%, seguida pelo Facebook, com 34%. O nível de conhecimento das pessoas sobre a Covid-19 também varia de acordo com a avaliação que têm do governo brasileiro: 82% dos que o classificam como ruim ou péssimo declaram que seu grau de informação sobre a epidemia aumentou. Dos que o classificam como ótimo ou bom, 68% dizem estar mais informados.

A tendência de aumento da confiança das pessoas nos cientistas se confirma também em outros países. Pesquisa semelhante realizada pela Open Knowledge Foundation no início de maio no Reino Unido mostrou que cerca de 64% dos entrevistados estavam mais abertos às orientações de cientistas e pesquisadores. No país britânico, 51% disseram ter tido algum tipo de acesso a notícias falsas relacionadas ao coronavírus.



No estudo com os brasileiros, 59% acham que as pesquisas e resultados sobre a Covid-19 devem estar disponíveis para qualquer pessoa acessar, enquanto 21% acreditam que os dados devem ser mantidos em sigilo, e 20% não sabem. O questionário do IDEA Big Data sobre acesso a pesquisas leva em conta, principalmente, o trabalho realizado por cientistas e empresas farmacêuticas em busca de uma vacina contra a Covid-19.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia