questões da opinião pública

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Emily Almeida
26maio2020_16h45
Ilustração: Carvall

Desde a chegada da pandemia da Covid-19 ao país, o presidente Jair Bolsonaro tem fechado os olhos para as recomendações de cientistas e pesquisadores. Defende o uso da cloroquina – mesmo reconhecendo que não há comprovação científica de sua eficácia – e aparece constantemente em público em aglomerações, ignorando recomendações do Ministério da Saúde. Entre os brasileiros, no entanto, a confiança na ciência tem crescido: em pesquisa inédita do IDEA Big Data, 76% dos entrevistados declaram que seu interesse em ouvir a opinião, os conselhos e as orientações de especialistas qualificados, como cientistas e pesquisadores, aumentou.

A pesquisa foi realizada de 19 a 20 de maio com pessoas de 18 anos ou mais em todo o país. Para 34% dos entrevistados, o perfil mais adequado de líder para enfrentar a pandemia é o de uma pessoa da área da ciência, e 6% acreditam que um militar deve ocupar essa posição. Com a saída do médico Nelson Teich da Saúde após 29 dias no cargo, a pasta passou a ser comandada, interinamente, pelo general Eduardo Pazuello, que admite ser leigo com relação a questões técnicas da área da saúde. Antes de Teich, o também médico Luiz Henrique Mandetta deixou o ministério após divergências com Bolsonaro.

Ainda que o interesse dos entrevistados em ouvir especialistas tenha aumentado, 60% admitem que leram ou receberam algum tipo de informação falsa sobre a epidemia. A rede social em que esse tipo de conteúdo mais aparece é o WhatsApp, com 41%, seguida pelo Facebook, com 34%. O nível de conhecimento das pessoas sobre a Covid-19 também varia de acordo com a avaliação que têm do governo brasileiro: 82% dos que o classificam como ruim ou péssimo declaram que seu grau de informação sobre a epidemia aumentou. Dos que o classificam como ótimo ou bom, 68% dizem estar mais informados.

A tendência de aumento da confiança das pessoas nos cientistas se confirma também em outros países. Pesquisa semelhante realizada pela Open Knowledge Foundation no início de maio no Reino Unido mostrou que cerca de 64% dos entrevistados estavam mais abertos às orientações de cientistas e pesquisadores. No país britânico, 51% disseram ter tido algum tipo de acesso a notícias falsas relacionadas ao coronavírus.



No estudo com os brasileiros, 59% acham que as pesquisas e resultados sobre a Covid-19 devem estar disponíveis para qualquer pessoa acessar, enquanto 21% acreditam que os dados devem ser mantidos em sigilo, e 20% não sabem. O questionário do IDEA Big Data sobre acesso a pesquisas leva em conta, principalmente, o trabalho realizado por cientistas e empresas farmacêuticas em busca de uma vacina contra a Covid-19.

Emily Almeida (siga @emilycfalmeida no Twitter)

Repórter da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Monitoramento à beira da explosão

Falhas nas tornozeleiras eletrônicas colocam em xeque o rastreamento de presos no Paraná

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Lobo nasce endividado

Com a dívida da União batendo recorde em 2020, governo federal emite títulos públicos até para pagar propaganda da nota de 200 reais

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

121

2

Natasha

Presente raro: a experiência metafísica e visionária de uma donzela russa, num conto que permaneceu guardado na Biblioteca do Congresso americano até o início deste ano, 31 anos após a morte do autor

5

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

6

Ceci n’est pas une poire

Um retratista da polícia insiste em trabalhar com lápis e papel

7

Documentário Obit será exibido na véspera do Festival

Margalit Fox é uma das entrevistadas do filme que estará em cartaz em São Paulo

8

Retrospectiva 2011: Biografia de Jobs revela que Apple lançará iSarney

CUPERTINO – A biografia de Steve Jobs que chegou hoje às livrarias americanas causou impacto imediato nas ações da Apple, que subiram 23% só na parte da manhã. A valorização se deve à revelação de que, nos meses que antecederam sua morte, Jobs trabalhou incansavelmente no desenvolvimento do iSarney, um aplicativo para dispositivos móveis que permitirá ao usuário criar, em menos de 30 segundos, cinco ONGs de inclusão social, dois ministérios com orçamento superior a um bilhão de reais e pelo menos um novo estado nordestino.

9

Cria Bolsonaros

Mais popular cabo eleitoral do presidenciável do PSL no Nordeste, cearense de 20 anos abandonou sonho de ser candidato a Whindersson Nunes para ser candidato a deputado

10

Ndongo quer ser titular

A viagem e o sonho de um imigrante senegalês em terras gaúchas