questões da opinião pública

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

José Roberto de Toledo
26nov2020_13h51
FOTO: ERASMO SALOMÃO/MINISTÉRIO DA SAÚDE

A confiança em nenhuma outra instituição brasileira aumentou tanto depois da pandemia de Covid-19 quanto no sistema público de saúde. Entre julho de 2019 e setembro de 2020, o SUS cresceu onze pontos no Índice de Confiança Social (ICS) – uma  pesquisa nacional feita desde 2009 pelo Ibope Inteligência, e divulgada na piauí em primeira mão. A confiança no sistema de saúde chegou ao seu patamar mais alto em doze anos a despeito de o ministro da Saúde confessar que não conhecia o SUS antes de tomar posse, de o governo não executar integralmente as verbas orçamentárias para o setor e de o presidente Jair Bolsonaro ter assinado um decreto – depois revogado – que abria as portas para a privatização do Sistema Único de Saúde.

Como se justifica a melhora, então? Márcia Cavallari, CEO do Ibope Inteligência, explica: “Com a pandemia, cresce a confiança no sistema público de saúde por experiência, uma vez que mais brasileiros tiveram contato com a sua estrutura e com o seu atendimento.” Ou seja, quem usa confia mais do que quem não usa.

Embora o aumento da confiança no SUS tenha sido excepcionalmente grande, o sistema de saúde não foi o único serviço público que melhorou sua imagem junto à população. As escolas públicas também cresceram quatro pontos após a pandemia e chegaram a seu mais alto ICS em toda a série histórica: 70 pontos. Nesse período de interrupção das aulas, muitos pais transferiram seus filhos de escolas privadas para públicas.

Infografia: Camille Lichotti

 

Em média, a confiança nas vinte instituições analisadas cresceu 3 pontos, continuando um movimento ascendente que começou em 2019 e que havia sido capitaneado justamente pela recuperação de parte do prestígio da Presidência da República. Com Michel Temer como presidente, o comando do país havia caído ao patamar mais baixo entre todas as instituições em toda a série histórica em 2017 e em 2018. No primeiro ano de sua gestão, Bolsonaro viu a confiança na Presidência crescer 35 pontos. No segundo ano, caiu dois e, se o rumo seguir o mesmo, deve cair mais.



O ICS de 2020 foi medido em setembro, no auge da popularidade de Bolsonaro, alcançada graças ao auxílio emergencial de 600 reais aprovado pelo Congresso. Desde então, a aprovação do presidente tem diminuído quinzena a quinzena, provavelmente por causa da explosão do desemprego, do aumento continuado do preço dos alimentos, e da redução à metade do valor pago mensalmente à população afetada pela pandemia. Pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo PoderData mostra que a maior parte dos brasileiros desaprova o governo Bolsonaro: 48%. Já sua taxa de apoio voltou ao patamar pré-auxílio emergencial.

 

Com a segunda onda da pandemia voltando a provocar o fechamento forçado da economia na Europa e nos Estados Unidos, e a previsão de fim do pagamento da ajuda financeira à população em janeiro, Bolsonaro e seu governo tendem a enfrentar o agravamento da desconfiança popular. Mesmo antes disso acontecer, o presidente colecionou derrotas nas batalhas de opinião pública que provocou. Todas as instituições atacadas por ele ao longo de 2020 viram sua confiança aumentar junto à população: a do Judiciário cresceu 4 pontos, as ONGs cresceram 3, o Congresso Nacional e os governos locais subiram 2, e até o sistema eleitoral e os partidos cresceram. Foi a revanche da política.

Embora ainda tenham a menor confiança entre todas as instituições, os partidos praticamente voltaram ao nível de confiança que tinham em 2009, quando a pesquisa começou a ser feita. Os 30 pontos atuais são quase o dobro do que amargaram entre 2015, quando começou o processo que levaria ao impeachment de Dilma Rousseff, e 2018, ano da eleição de Bolsonaro. A volta por cima se repetiu com a confiança no Congresso. A recuperação do sistema político em geral só não foi maior porque a retomada do prestígio da Presidência da República parou em 2020. O salto de 13 para 48 pontos do ICS do presidente entre 2018 e 2019 foi impressionante, mas ainda continua muito longe do que já foi o prestígio do cargo. Em 2010, quando Lula elegeu Dilma, a confiança na instituição presidencial era de 69 pontos, 23 a mais do que é hoje. Nenhuma outra instituição perdeu mais confiança na década.

Quem viu crescer seu prestígio justamente no período de decadência da confiança na Presidência foram seus algozes, as duas instituições que lideraram a operação Lava Jato e investigaram corrupção nos governos de Dilma e Temer: a Polícia Federal se tornou a segunda instituição mais confiável para a população, atrás apenas do Corpo de Bombeiros, e o Ministério Público viu sua confiança crescer 8 pontos desde 2016. Não à toa houve um crescimento exponencial nas candidaturas de policiais nas eleições de 2020.

E os militares? Foram afetados negativamente pela perda de confiança em Bolsonaro e no governo federal? Não. A confiança nas Forças Armadas continua em alta. Saltou 7 pontos entre 2018 e 2019 e voltou a crescer em 2020, embora menos: ganhou 3 pontos e chegou a 72 pontos, ficando em quarto lugar no ranking de confiança nas instituições, logo atrás das igrejas.

Em resumo, a necessidade de uso fez aumentar a confiança das pessoas nos sistemas públicos de saúde e escolar, as instituições políticas e partidárias recuperaram o pouco prestígio que tinham, e os mecanismos de fiscalização e controle policial continuam em alta. Apenas Bolsonaro andou para trás.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

A Floresta do Camboatá resiste

Depois de quase virar um autódromo, última área plana de Mata Atlântica no Rio pode se transformar em Unidade de Conservação

O dilema do impeachment

Especialistas divergem sobre possibilidade legal de Trump ser condenado após terminar o mandato; no fim, decisão deve ser política

A guerra da soja

Ao responsabilizar a produção de soja pelo desmatamento da Amazônia, presidente Emmanuel Macron optou por uma mentira conveniente

A gastança amazônica dos militares

Na virada do ano, Ministério da Defesa comprou satélite de 179 milhões de reais e fechou 2020 gastando o triplo dos órgãos ambientais para monitorar a floresta

Mais textos
1

Romário convoca CPI para investigar a cor do cabelo de Marin

BARRACA DO PEPÊ - Decidido a colocar em pratos limpos tudo que acontece na CBF, o deputado federal Romário recolheu assinaturas para uma CPI que investigará a cor do cabelo do presidente da entidade. "Se o Marin está diante de um fundo azul, o cabelo fica acaju. Se o fundo é branco, fica tudo meio esverdeado", desconfiou o craque, enquanto fazia aquecimento para uma partida de futevôlei com Aécio Neves.

2

Uma família de poder

A imagem reproduzida nesta página não é uma foto de família, apesar de representar quatro gerações de uma mesma família. Não foi feita para ser vista apenas por seus membros mas por um público amplo e não serviu para lembrar uma reunião de parentes, mas para passar uma clara mensagem política: a perenidade da dinastia reinante sobre a Inglaterra, então a nação mais poderosa do mundo. Tirada em 1899, às vésperas do novo século que prenunciava uma nova era, mostra a Rainha Vitória, então muito mais soberana do mundo que simplesmente rainha da Inglaterra, cujo reinado completara 62 anos, cercada por seu filho e herdeiro, o futuro Edward VII, seu neto, o futuro George V e seu bisneto, o futuro Edward VIII, cujo reinado, por oposição à sua bisavó, bateria o recorde de brevidade (apenas dez meses em 1936).

3

Após esfaquear Bolsonaro, agressor disse cumprir “ordem de Deus”

Policiais Federais que prenderam Adelio Bispo de Oliveira em Juiz de Fora imediatamente após o atentado afirmaram duvidar de sua “integridade psicológica”

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

A planta inteligente

Cientistas debatem um novo modo de entender a flora

6

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

7

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

10

Mentalizar pinos

Repetir uma série de movimentos antes de cada arremesso pode ser fundamental ao boliche