festival piauí de jornalismo

“Ilhas de jornalismo independente” resistem numa Hungria autoritária

Para jornalista Tamás Bodoky, controle do parlamento e da mídia ajudou a construir regime de Orbán, elogiado por Bolsonaro  

06out2019_13h02
O jornalista húngaro Tamás Bodoky (ao centro), conversou com Rafael Cariello, da piauí, e com Luciana Garbin, da FAAP
O jornalista húngaro Tamás Bodoky (ao centro), conversou com Rafael Cariello, da piauí, e com Luciana Garbin, da FAAP FOTO: TUCA VIEIRA

A vigilância do poder e dos abusos cometidos pelo Estado define a carreira do jornalista Tamás Bodoky, um dos principais jornalistas investigativos da Hungria. Com a ascensão, nos últimos dez anos, de governos populistas de direita no país europeu, os desafios do jornalismo aumentaram. Sob o governo autoritário de Viktor Orbán, jornalistas de veículos independentes são difamados e têm seus trabalhos prejudicados por cortes de verbas, campanhas constantes de difamação e dificuldade para obtenção de dados públicos. 

Editor e fundador do portal Atlatszo, com foco em jornalismo investigativo e transparência na circulação de informações em seu país, Bodoky coleciona prêmios na cobertura sobre liberdade de imprensa, brutalidade policial, corrupção e direitos humanos. O jornalista abriu o segundo dia do Festival Piauí de Jornalismo, neste domingo (6), em São Paulo, em conversa com o editor da piauí Rafael Cariello e a professora da Faap Luciana Garbin. 

Bodoky decidiu ser jornalista em meados dos anos 1990, quando, após a queda do muro de Berlim, floresceu na Hungria um ambiente de liberdade de expressão, com o surgimento de vários veículos de imprensa e um quadro de pluripartidarismo. Com a ascensão de Viktor Orbán, do Fidesz, partido nacional-conservador direita e o maior partido político da Hungria, Tomás Bodoky diz que viu o país regredir. “Temos agora a volta de um partido único que controla todos os aspectos da vida pública. Saiu o governo socialista soviético, de partido único que dominava a imprensa e o governo, e agora o Viktor Orbán que tenta voltar ao governo único”, disse o jornalista.

Depois de uma carreira como repórter e editor de ciência e tecnologia, em 2006, Bodoky decidiu enveredar pelo jornalismo investigativo e focar no poder, por achar que o jornalismo na Hungria estava ficando comercial e irrelevante. “Queria fazer algo para o bem público. Passei a investigar todo tipo de coisa errada na Hungria, recebia relatos e notícias de informantes anônimos. Fazia reportagens sobre corrupção do Estado. Achei que era o tipo de notícia a ser revelada. O resto era publicidade.” 

O Fidesz, segundo o jornalista, vem se perpetuando no poder com ampla maioria no congresso, que permite que Orbán faça reformas autoritárias na constituição que dificultam o trabalho de jornalistas. O Congresso, de maioria governista, chegou a propor uma medida para que os jornalistas do país revelassem suas fontes, mas acabou derrotado. “O partido mudou a constituição, a imprensa e os princípios fundamentais democráticos. Os outros partidos passaram a ser apontados como traidores pelo Fidesz. E uma das primeiras medidas foi controlar a imprensa oficial, sufocando as vozes da oposição.” 

Outra forma de ataque de Orbán contra a imprensa é o uso constante de uma campanha difamatória. “Ainda não sofremos ameaças físicas, mas o governo faz o que pode para cortar anúncio e nos difamar. Eles acham que empresas sem fins lucrativos e instituições de fora são inimigas e contra o governo. O Soros, que ajuda veículos críticos ao governo, foi vítima de difamação. O governo espalha que Soros é responsável pela entrada de imigrantes no país”, disse o jornalista.

“O governo não fala com a gente, não responde nossas perguntas, precisamos do Judiciário para obter dados. Queremos descobrir a verdade, somos jornalistas. Mas o governo nos chama de ativistas políticos e fantoches da oposição.” Mais uma demonstração da arbitrariedade do poder de Orbán apontada por Tamás Bodoky foi a criação de um estádio de futebol com capacidade para cinco mil pessoas numa cidadezinha de apenas dois mil habitantes.


Bodoky diz que na Hungria não há força política capaz de derrotar o Fidesz, e que acha que o partido vai permanecer ainda por muito tempo no poder. Uma decisão que poderia, em alguma medida, conter a violação dos valores democráticos por parte do governo seria uma intervenção da comunidade europeia. “A Hungria se beneficia de subsídios provenientes de fundos da comunidade europeia. A União Europeia devia dizer: não vamos subsidiá-los se não respeitarem os valores democráticos e a liberdade de imprensa. Mas não fazem. Há muitos direitos que garantem a permanência dos países que entram no bloco.”

Quando perguntado sobre a proximidade de Orbán com outros governos conservadores, o jornalista acredita que o político de seu país acredita fazer parte de um clube de “autoritários”. “Orbán tem uma fixação bizarra por autoritários: Netanyahu, Putin, Trump e Bolsonaro. Ele tenta ser parte desse clube exclusivíssimo de líderes mundiais autoritários. Por isso ele estabelece essas relações. E porque compartilha dos mesmos ideais.” O jornalista concluiu a conversa com pessimismo: “Eu vivi a experiência de transição da ditadura para a democracia. O contrário não. Mas parece que vou ver.”



Leia também

Últimas Mais Lidas

Na estrada da agonia

Sem UTIs suficientes contra Covid, cidades do interior sofrem para transferir pacientes para capitais - que também estão lotadas

A polícia não pode tudo

Decisão do STJ obriga policial a gravar em áudio e vídeo autorização do morador para entrar numa casa

Foro de Teresina #140: A variante Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na piauí_174

A capa e os destaques da edição de março

Luz no Fim da Quarentena: A melhor vacina

A vacina da Pfizer tem aprovação definitiva da Anvisa e os melhores resultados em campanhas de vacinação ao redor do mundo; o que falta para ser aplicada no Brasil?

Depois da festa, o pior da Covid

Rio Grande do Sul vive momento mais grave da pandemia, com mais jovens internados e a chegada da variante P.1; hospital aluga contêiner para corpos

Mais textos
1

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

3

Greve de PMs no Rio faz violência despencar 40%

UPP - Com um efetivo menor de policiais militares nas ruas do Rio de Janeiro, os índices de criminalidade despencaram. Foram registradas quedas expressivas de interceptação truculenta de meliante sem camisa (65%), tapas na cara de playboy da Zona Sul (44%) e sacode em camelô (39%). Padarias e bares comemoraram a brusca diminuição do número de viaturas exigindo arrego. O comércio paralelo de cafezinhos caiu 87%. "A greve da PM é um passo importantíssimo para o processo de pacificação da cidade", explicou José Mariano Beltrame.

4

Duelo na selva

Os ingleses se preparam para ir a Manaus

5

STF afasta Nacional-URU e Corinthians volta à Libertadores

ARENA BRASÍLIA - Após suspender o mandato do deputado Eduardo Cunha, o plenário do STF iniciou o julgamento de novos casos.

6

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

7

Em protesto contra Feliciano, Lula divulga foto beijando o espelho

ID - Ávido por se reconciliar com sua porção militante, enrustida desde que assumiu o poder em 2003, o ex-presidente em exercício Luiz Inácio da Silva postou no instagram uma foto contra o pastor Marco Feliciano. "Nunca antes na história deste país um presidente emérito havia beijado um trabalhador nordestino de origem pobre na boca", escreveu. Em seguida, associou o beijo na boca ao sucesso de seu governo e disse que ele é o pai do smak!

9

Seymour Hersh e o massacre de My Lai

Em 1969, a Guerra do Vietnã se arrastava por 14 anos e ainda contava com o apoio da maioria dos americanos. Naquele ano, o jornalista Seymour Hersh recebeu de uma fonte sigilosa a informação de que um oficial do exército americano seria julgado como responsável pelo massacre de civis em uma aldeia no Vietnã.

10

O candidato enjaulado

Há três décadas, um macaco disputou eleições em um Brasil conflagrado – poderia ser hoje