festival piauí de jornalismo

Na Rússia de Putin, falar mal de Putin é proibido

Preso injustamente, repórter russo foi libertado graças à pressão da sociedade civil

06out2019_19h29
Na foto, a repórter da piauí Thais Bilenky, o convidado Ivan Golunov, do portal russo Meduza, e Jaime Spitzcovsky, colunista da Folha de São Paulo
Na foto, a repórter da piauí Thais Bilenky, o convidado Ivan Golunov, do portal russo Meduza, e Jaime Spitzcovsky, colunista da Folha de São Paulo FOTO: TUCA VIEIRA

O jornalista Ivan Golunov estava sendo interrogado pela polícia russa quando recebeu, no celular, o convite para vir ao Brasil participar da sexta edição do Festival Piauí de Jornalismo. Mostrou a mensagem aos investigadores, salientando que a sua prisão já virara notícia mundo afora. Repórter investigativo especializado em cobrir casos de corrupção, Golunov foi preso em junho deste ano, acusado – com base em provas forjadas – de tráfico de drogas em larga escala. Na época em que foi detido, ele apurava um esquema de pagamento de propina a agentes que administravam ilegalmente os cemitérios públicos de Moscou.

A acusação foi logo considerada uma tentativa de silenciar Golunov, que também já fizera reportagens apontando o enriquecimento ilícito de figuras do governo. Em 10 de junho, poucos dias depois de ele ter sido preso, três dos principais jornais russos – Vedemosti, RBK e Kommersant – publicaram capas quase idênticas com um slogan que a partir daquele momento se tornaria viral: “Eu sou/Nós somos Ivan Golunov”. A campanha ganhou corpo e fez com que a polícia voltasse atrás na denúncia. No dia seguinte à publicação das manchetes, Golunov foi solto e hoje está livre de qualquer acusação.

“Os jornalistas entenderam que isso pode acontecer com eles. Você pode ser acusado e preso sem provas”, afirmou o repórter russo neste domingo (6), em São Paulo, no Festival Piauí de Jornalismo, realizado no auditório da Faap em Higienópolis. Golunov conversou com a repórter da piauí Thais Bilenky e com o colunista da Folha de São Paulo Jaime Spitzcovsky. “Estou livre”, ressaltou, “mas hoje não há acusação contra as pessoas que foram envolvidas na minha prisão. Não aconteceu nada.”


A partir de sua experiência, Golunov falou da rotina de censura e das restrições há muito assimiladas pela imprensa na Rússia. Segundo ele, há assuntos deliberadamente proibidos pelo governo: não se pode fazer críticas ao presidente Vladimir Putin, não se deve falar sobre a família dele, e não é permitido publicar reportagens negativas sobre a Igreja Católica Ortodoxa e seus líderes. Ele contou a história de um veículo que, após publicar uma reportagem sobre uma das filhas do presidente, sofreu enorme pressão e mudou de controlador, passando para as mãos de um apoiador do governo.

“Não existe a palavra democracia, nem mesmo alternativas”, disse Golunov, ao fazer um saldo dos vinte anos de governo Putin. “Na Rússia se pergunta: ‘se não é Putin, vai ser quem?’ Muitas pessoas não sabem responder. O objetivo do governo é não ter oposição. Não há nenhum líder opositor, e, se ele surge, logo começa um movimento para sujar o seu nome.”


O governo Putin, no entanto, vive hoje um refluxo de popularidade. Em setembro deste ano, as eleições municipais fortaleceram a oposição em Moscou. Os governistas ainda têm controle sobre o Legislativo, mas receberam um recado da população. “O partido do governo está perdendo popularidade”, constatou Golunov. O que não permite otimismo, segundo ele. “A principal questão hoje é quem será o próximo presidente. Ninguém acredita que o povo possa eleger alguém. A gente só quer saber quem vai ser colocado lá.”

Nesse contexto, Golunov avalia que sua prisão, por ter repercutido de forma tão ampla, tornou-se um caso exemplar para os russos. O slogan “Eu sou/Nós somos Ivan Golunov” se popularizou e extrapolou o contexto do jornalismo. Segundo ele, esses dizeres já foram usados até mesmo em protestos contra o cancelamento de uma linha de ônibus. No fim das contas, sintetizou o jornalista, esse episódio “mostrou que a pressão da sociedade civil pode mobilizar e mudar algo.”

Leia também

Últimas Mais Lidas

The world without the Amazon

A climate model predicts the effects of turning the forest into cattle pastures: 25% less rain in Brazil and higher temperatures, with “catastrophic” consequences for agriculture and energy production

Six conclusions about a model of the world without the Amazon

The price that Brazil and the world will pay if the forest continues to be cut down so that livestock can graze

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; especialistas cobram do governo federal transparência em uso de programa para conter derrames de óleo

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

3

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

4

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

7

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

10

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana