festival piauí de jornalismo

Na Venezuela, o medo na pauta cotidiana

Repórter Beatriz Adrián detalha perseguições à imprensa em seu país e dificuldades para exercer profissão

05out2019_12h23
Na abertura do Festival Piauí de Jornalismo, a jornalista venezuelana Beatriz Adrián (ao centro) foi entrevistada pelo diretor de redação da piauí, Fernando de Barros e Silva, e pela professora Edilamar Galvão, da Faap
Na abertura do Festival Piauí de Jornalismo, a jornalista venezuelana Beatriz Adrián (ao centro) foi entrevistada pelo diretor de redação da piauí, Fernando de Barros e Silva, e pela professora Edilamar Galvão, da Faap FOTO: TUCA VIEIRA

“Eu pensei duas vezes antes de sair da Venezuela e vir aqui [ao Brasil]. Muitos jornalistas já tiveram seus passaportes apreendidos. Eu também poderia ser presa. Continuo com medo até agora”. Foi assim que a repórter venezuelana Beatriz Adrián começou a responder às questões sobre seu trabalho, na abertura do Festival Piauí de Jornalismo. Ela participou de uma mesa que discutiu a situação da imprensa na Venezuela em meio à crise política e humanitária vivida pelo país sob o governo de Nicolás Maduro. A sexta edição do festival, que acontece neste fim de semana (5 e 6) no auditório da Faap, em São Paulo, discute as dificuldades vividas por jornalistas em países onde a liberdade de imprensa está sob ameaça.

Adrián é correspondente, em Caracas, da Caracol Televisión, emissora de tevê colombiana. Antes disso, trabalhou por anos na Globovisión, um canal venezuelano de televisão por assinatura. No festival, conversou com Fernando de Barros e Silva, diretor de redação da piauí, e Edilamar Galvão, coordenadora do curso de jornalismo da Faap, e fez um relato sobre as intimidações e ameaças que ela e outros jornalistas têm sofrido na Venezuela.


Em janeiro deste ano, Adrián e uma colega foram detidas por agentes de segurança do governo ao tentar cobrir a prisão de Juan Guaidó, principal opositor do regime chavista e autoproclamado presidente da Venezuela. Elas, assim como Guaidó, foram liberadas horas depois, após pressão de entidades estrangeiras e órgãos de imprensa venezuelanos.

 

“Nós fomos até a sede do Sebin [Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional] para ver se o Guaidó chegava. Vários homens armados nos levaram até o sótão do edifício. Pegaram meu celular, minha carteira, baixaram os vídeos que tínhamos feito”, contou Adrián. “Começou uma pressão internacional por meio do Twitter e da televisão. Como eu trabalho para um veículo grande, isso me dá certa proteção, então fomos liberadas.”

Episódios como esse são recorrentes, disse Adrián. Segundo ela, a perseguição à imprensa agora se estende também às fontes e a quaisquer outras pessoas que colaborem com o trabalho dos jornalistas. “O governo venezuelano está perseguindo também aqueles que contam histórias a jornalistas. Eles dizem que a fonte está traindo a pátria por falar com um veículo estrangeiro. Por isso, muita gente não quer falar com a imprensa, não quer denunciar."

Adrián se emocionou e chorou ao se lembrar de amigos e familiares que tiveram de deixar o país para fugir da crise. Pediu apoio do público a uma campanha realizada nas redes sociais para libertar Jesús Medina, um fotojornalista detido pelo governo venezuelano. “Muitos colegas precisaram largar a profissão para sobreviver em outros países”. Apesar das dificuldades, disse que pretende permanecer exercendo a profissão na Venezuela. “O jornalismo tem que estar onde está a notícia. Tem jornalista que vai para a Síria e entra em situações ainda mais perigosas. No meu caso, isso acontece no meu próprio país.”

Leia também

Últimas Mais Lidas

Às vésperas de protestos, PM associa “antifas” à violência

Polícia mineira usa símbolos e bandeiras do movimento antifascista para “reconhecimento de  possíveis manifestantes violentos”

Aula de longe, mas ao pé do ouvido

Municípios do Rio Grande do Norte apostam no rádio para manter ensino durante a quarentena e atraem adultos de volta à escola

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Mais textos
1

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

5

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

6

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

7

A gestação do menino diabo

Como traduzir Memórias Póstumas de Brás Cubas para o inglês com dicionários frágeis e bases de dados gigantescas

8

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão

9

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

10

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho