questões nacionais

O Brasil onde não passa nada

Um milhão de brasileiros – três vezes a população da Islândia – vivem em municípios sem nenhum tipo de transporte público

Luigi Mazza
10set2018_18h43
FOTO: JOSÉ EMÍLIO PERILLO/FOLHAPRESS

No meio da noite, por volta das 22 horas, Janierly Souza começou a sentir pontadas no estômago. As pontadas viraram uma dor forte e persistente. Poderia ser uma cólica, ou algo mais grave, uma apendicite. Ela não tinha como saber. O médico mais próximo estava a sete quilômetros. Janierly não tem carro, nem moto. Nem tem ônibus, nem van, nem acesso a nenhum transporte público na cidade onde vive, São José do Belmonte, em Pernambuco, quase na divisa com o Ceará. Por sorte, a vendedora de 26 anos conseguiu caminhar na manhã seguinte os sete quilômetros até o hospital, onde precisou ser internada com desidratação.

O drama de Janierly aflige quase 1 milhão de brasileiros, moradores de cidades onde não há transporte público – nem ônibus que circulem dentro  dos municípios ou para cidades vizinhas, nem trem, metrô ou barco. E tampouco há táxi ou mototáxi. São 150 municípios do país onde os moradores, se não tiverem veículo próprio, dependem apenas de seus pés para se locomover, como revela um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, feito a pedido da piauí, com dados da pesquisa Perfil dos Municípios Brasileiros de 2017.

Os números levantados pelo IBGE tendem ainda a ser subnotificados. Levando em conta as cidades onde há apenas ônibus intermunicipais (sem que haja pontos de parada dentro das cidades), são 2,1 milhões de brasileiros que podem apenas caminhar ou contar com veículos particulares. Esses são os brasileiros obrigados a andar a pé, que se somam aos muitos milhões que vivem onde não há transporte coletivo regular perto de casa. São pelo menos 12,4 milhões de Janierlys que vivem onde não passa nem um ônibus sequer.

“Fui me virando com os remédios que tinha em casa, e tive que aguentar e esperar o dia seguinte para ir ao médico”, relembrou a vendedora, sobre o susto que levou-a a caminhar até o hospital. Em São José do Belmonte, município de 34 mil habitantes a 470 quilômetros de Recife, não se encontram ônibus, vans, trens ou táxis. Os poucos mototáxis atendem só até o fim da tarde. “De noite, o único jeito é a pé. Mas depois de uma certa hora é perigoso, principalmente para uma mulher.”

Além da insegurança, há o tempo e energia gastos. Janierly passa todo dia 80 minutos caminhando, no trajeto entre sua casa e a farmácia onde dá expediente, no Centro da cidade. O salário de 870 reais não permite o luxo da viagem de mototáxi, e ela não arrisca pedir caronas.

“É cansativo, mas a necessidade obriga. Faço isso todo dia há quatro anos”, lamentou a vendedora, que mora na Zona Rural de um dos distritos de Belmonte. A cidade é dividida em dois distritos e três povoados, com uma área total de 1 474 quilômetros quadrados – mais do que duas Ribeirão Preto, cidade média do interior de São Paulo. “Ainda não deu para ter um carro, infelizmente. Tem despesas para me manter, pagar água, luz, aluguel. Se eu não caminhar, no final do mês o salário vai todo para mototáxi.”

 

A maior parte das cidades que não oferecem serviços de transporte ficam no Sul e no Sudeste, embora as regiões liderem o ranking de Índice de Desenvolvimento Humano do país. No Sul, são 122 municípios em que, sem veículo próprio, as pessoas só podem andar a pé – somados, são 632 mil brasileiros. Só no Paraná, estado que encabeça a lista, 380 mil pessoas não têm acesso a esses meios. O Sudeste desponta em segundo lugar com 103 cidades e mais de 560 mil pessoas deixadas a pé.

Os ônibus, na prática, são privilégio de uma minoria de cidades brasileiras. Ao todo, 70% dos municípios não oferecem o serviço dentro de seus territórios. Desconsiderando as cidades onde ônibus intermunicipais fazem as vias de transporte interno, segundo critério do IBGE, conclui-se que 48% dos municípios não contam com qualquer tipo de transporte interno por ônibus. São 2 669 cidades e uma população de 33,6 milhões de brasileiros sem acesso à principal opção de transporte coletivo em um país majoritariamente rodoviário.

Desse total de pessoas, mais da metade – 18 milhões – está concentrada no Nordeste. Proporcionalmente, a falta de ônibus é mais acentuada na região Centro-Oeste: nela, 66% dos municípios não têm ônibus cumprindo itinerários urbanos. Isso equivale a 3,3 milhões de pessoas – mais do que o número de habitantes de Brasília, terceira cidade mais populosa do Brasil. O Nordeste vem em seguida, com 61%, índice similar ao da região Norte, onde 59% dos municípios são privados desse tipo de transporte.

 

O caso de Poconé, cidade do interior do Mato Grosso que integra o Complexo do Pantanal, é simbólico: seus 33 mil habitantes dependem exclusivamente de táxis para se locomover. Mas só três taxistas circulam pela cidade. Os demais fazem viagens fixas, de carro cheio, para a capital Cuiabá, que fica a uma distância de aproximadamente 100 quilômetros. O trajeto entre os municípios é o mesmo feito pela única linha de ônibus disponível.

“Já aconteceu de um vizinho me pedir para levar ele ao hospital, porque não tinha táxi e as ambulâncias não podiam atender”, conta Joseval Júnior, de 22 anos, que trabalha como balconista em um supermercado de Poconé. “Como aqui temos muitas comunidades distantes, volta e meia isso acontece.”

Só no Mato Grosso, 112 mil pessoas, de 14 municípios, precisam encontrar alternativas próprias para se locomover dentro de suas próprias cidades. Somando-se às 13 cidades de Goiás que vivem a mesma situação, a região Centro-Oeste concentra, sozinha, uma população de 167 mil brasileiros deixados a pé.

Em Poconé, o que resta é a solidariedade entre os moradores. “O pessoal já se acostumou tanto que, quando acontece algo, a gente vai a pé. Se não der ou for algo sério, um amigo socorre”, diz a gerente de hotel Maria Tereza, de 52 anos, que nasceu e sempre viveu em Poconé. “Até tentaram botar transporte aqui numa época, mas não teve resultado porque o pessoal não estava acostumado.”

Luigi Mazza

Luigi Mazza é estagiário do site da revista e produtor da rádio piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Mais textos
1

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

2

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

3

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

4

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

5

SUS salva Bolsonaro por R$ 367,06

Pago pelo sistema público brasileiro, cirurgião de veias e artérias de Juiz de Fora é tirado de almoço de família para achar e conter hemorragia no candidato

6

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

7

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

8

O mínimo e o justo

Menos Estado gera mais justiça social?

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras