festival piauí de jornalismo

O conservadorismo autoritário que sufoca a democracia na Polônia

Para jornalista polonês,  discurso de ódio e LGBTfobia são traços comuns entre governo de direita de seu país e administração Bolsonaro

05out2019_19h25
Editor-chefe do portal OKO.press, o polonês Piotr Pacewicz (ao centro) foi entrevistado por Alcino Leite Neto, editor da piauí, e pela jornalista Patrícia Campos Mello
Editor-chefe do portal OKO.press, o polonês Piotr Pacewicz (ao centro) foi entrevistado por Alcino Leite Neto, editor da piauí, e pela jornalista Patrícia Campos Mello FOTO: TUCA VIEIRA

Desde a década de 1980, quando a Polônia ainda era dominada pelos comunistas soviéticos, o jornalista investigativo Piotr Pacewicz exerce a profissão em veículos que desafiam de forma crítica o poder vigente. Atualmente é editor-chefe do portal OKO.press, especializado em cobertura de políticas públicas, jornalismo investigativo e checagem de dados. Pacewicz, premiado como defensor dos direitos humanos de seu país, já foi alvo de pressões do poder Executivo, de juízes da Polônia e de uma rede de transporte de mercadorias ilegais. O editor-executivo da piauí Alcino Leite Neto e a repórter da Folha de S. Paulo Patrícia Campos Mello entrevistaram Pacewicz sobre a virada conservadora e nacionalista que abalam as instituições democráticas da Polônia.  

“Kaczyński, liderança populista de direita da Polônia, do Partido Lei e Justiça, que do nome não tem nada, consegue controlar o país formando maioria no congresso. A essência do populismo é a rejeição do pluralismo. Eles acham que só eles representam o povo e excluem todos os movimentos que não estão de acordo com seus princípios”, afirmou. Segundo o jornalista, para se manter no poder, tais grupos vão aos poucos eliminando o que compõe a democracia. “Eles mantêm os processos eleitorais, mas eliminando tudo o que compõe uma sociedade civil. Eliminando grupos de minorias. E isso, infelizmente, atrai muitos apoiadores entre os eleitores. As pessoas gostam de ouvir o candidato dizer: ‘Eu sou aquele que vai representar suas vontades.’ Representam uma segurança nesse mundo moderno”, disse o jornalista, que comparou o contexto do grupo político ultraconservador da Polônia, representado por Kaczyński, com o governo de Jair Bolsonaro. 

“Aqui no Brasil vocês vivem algo parecido com o Bolsonaro. O lema aqui é ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’.  Na Polônia tem uma versão parecida e igualmente radical. Mesma coisa que vale lá, vale aqui, como as narrativas homofóbicas. Uma parte importante dessas narrativas é encontrar um inimigo: LGBTs, comunistas. Um discurso de ódio que não tem racionalidade e uma obsessão com a sexualidade”, disse Pacewicz, que acrescentou que o atual governo da Polônia sufoca e criminaliza críticas, protestos e manifestações públicas.  

A imprensa é um dos alvos preferenciais dos ataques do governo polonês. Além de controlar veículos de mídia públicos, principalmente emissoras de TV, rádio e internet, o governo costuma cortar verbas publicitárias de veículos independentes. E processar jornalistas e veículos.  

“Eu fui processado por um juiz que tenta controlar o Judiciário na Polônia. Fui acusado de difamação. E ele faz parte de um projeto de discursos de ódio administrado por juízes que usam as redes sociais para ofender juízes independentes da Polônia”, disse o jornalista.  Segundo ele, 40% da população de seu país assiste às mensagens de propaganda do governo. “Fizemos pesquisas públicas que mostram que apoiar o governo e estar exposto aos canais governamentais tem uma correlação altíssima.”   

Outro desafio enfrentado pelos jornalistas independentes do país é a produção de fake news em larga escala por parte do governo. “Eles já disseram que o serviço de saúde da Polônia é um dos melhores da Europa. É fácil desmentir. A Polônia, na verdade, tem o segundo pior resultado da União Europeia do investimento do PIB na saúde pública. Eles produzem milhares de fake news diariamente.” 

Segundo o jornalista, o veículo em que trabalha consegue sobreviver com independência graças a um  modelo de negócio no qual 90% do financiamento resulta de contribuições dos leitores. “É o suficiente para o nosso funcionamento. As pessoas nos veem não só como provedores de informações, mas também de um valor democrático.” A autonomia que o OKO.press conquistou permite que Pacewicz produza reportagens sobre temas relevantes, como uma que revelou abusos sexuais na Igreja Católica. Pelos abusos, um padre foi processado e outro afastado das funções.  

Pacewicz também respondeu a perguntas da plateia, e uma delas indagava o que estava escrito em sua camiseta, com dizeres em polonês. “Constituição”, traduziu o jornalista. “Constituição não é uma coisa abstrata, mas um direito cotidiano que precisa ser respeitado.” 


 

 

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

4

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

5

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

7

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana