festival piauí de jornalismo

O conservadorismo autoritário que sufoca a democracia na Polônia

Para jornalista polonês,  discurso de ódio e LGBTfobia são traços comuns entre governo de direita de seu país e administração Bolsonaro

05out2019_19h25
Editor-chefe do portal OKO.press, o polonês Piotr Pacewicz (ao centro) foi entrevistado por Alcino Leite Neto, editor da piauí, e pela jornalista Patrícia Campos Mello
Editor-chefe do portal OKO.press, o polonês Piotr Pacewicz (ao centro) foi entrevistado por Alcino Leite Neto, editor da piauí, e pela jornalista Patrícia Campos Mello FOTO: TUCA VIEIRA

Desde a década de 1980, quando a Polônia ainda era dominada pelos comunistas soviéticos, o jornalista investigativo Piotr Pacewicz exerce a profissão em veículos que desafiam de forma crítica o poder vigente. Atualmente é editor-chefe do portal OKO.press, especializado em cobertura de políticas públicas, jornalismo investigativo e checagem de dados. Pacewicz, premiado como defensor dos direitos humanos de seu país, já foi alvo de pressões do poder Executivo, de juízes da Polônia e de uma rede de transporte de mercadorias ilegais. O editor-executivo da piauí Alcino Leite Neto e a repórter da Folha de S. Paulo Patrícia Campos Mello entrevistaram Pacewicz sobre a virada conservadora e nacionalista que abalam as instituições democráticas da Polônia.  

“Kaczyński, liderança populista de direita da Polônia, do Partido Lei e Justiça, que do nome não tem nada, consegue controlar o país formando maioria no congresso. A essência do populismo é a rejeição do pluralismo. Eles acham que só eles representam o povo e excluem todos os movimentos que não estão de acordo com seus princípios”, afirmou. Segundo o jornalista, para se manter no poder, tais grupos vão aos poucos eliminando o que compõe a democracia. “Eles mantêm os processos eleitorais, mas eliminando tudo o que compõe uma sociedade civil. Eliminando grupos de minorias. E isso, infelizmente, atrai muitos apoiadores entre os eleitores. As pessoas gostam de ouvir o candidato dizer: ‘Eu sou aquele que vai representar suas vontades.’ Representam uma segurança nesse mundo moderno”, disse o jornalista, que comparou o contexto do grupo político ultraconservador da Polônia, representado por Kaczyński, com o governo de Jair Bolsonaro. 

“Aqui no Brasil vocês vivem algo parecido com o Bolsonaro. O lema aqui é ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’.  Na Polônia tem uma versão parecida e igualmente radical. Mesma coisa que vale lá, vale aqui, como as narrativas homofóbicas. Uma parte importante dessas narrativas é encontrar um inimigo: LGBTs, comunistas. Um discurso de ódio que não tem racionalidade e uma obsessão com a sexualidade”, disse Pacewicz, que acrescentou que o atual governo da Polônia sufoca e criminaliza críticas, protestos e manifestações públicas.  

A imprensa é um dos alvos preferenciais dos ataques do governo polonês. Além de controlar veículos de mídia públicos, principalmente emissoras de TV, rádio e internet, o governo costuma cortar verbas publicitárias de veículos independentes. E processar jornalistas e veículos.  

 

“Eu fui processado por um juiz que tenta controlar o Judiciário na Polônia. Fui acusado de difamação. E ele faz parte de um projeto de discursos de ódio administrado por juízes que usam as redes sociais para ofender juízes independentes da Polônia”, disse o jornalista.  Segundo ele, 40% da população de seu país assiste às mensagens de propaganda do governo. “Fizemos pesquisas públicas que mostram que apoiar o governo e estar exposto aos canais governamentais tem uma correlação altíssima.”   

Outro desafio enfrentado pelos jornalistas independentes do país é a produção de fake news em larga escala por parte do governo. “Eles já disseram que o serviço de saúde da Polônia é um dos melhores da Europa. É fácil desmentir. A Polônia, na verdade, tem o segundo pior resultado da União Europeia do investimento do PIB na saúde pública. Eles produzem milhares de fake news diariamente.” 

Segundo o jornalista, o veículo em que trabalha consegue sobreviver com independência graças a um  modelo de negócio no qual 90% do financiamento resulta de contribuições dos leitores. “É o suficiente para o nosso funcionamento. As pessoas nos veem não só como provedores de informações, mas também de um valor democrático.” A autonomia que o OKO.press conquistou permite que Pacewicz produza reportagens sobre temas relevantes, como uma que revelou abusos sexuais na Igreja Católica. Pelos abusos, um padre foi processado e outro afastado das funções.  

Pacewicz também respondeu a perguntas da plateia, e uma delas indagava o que estava escrito em sua camiseta, com dizeres em polonês. “Constituição”, traduziu o jornalista. "Constituição não é uma coisa abstrata, mas um direito cotidiano que precisa ser respeitado." 


 

 

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Foro de Teresina #102: Tensão máxima no Planalto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

6

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

7

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

8

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

9

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

10

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana