festival piauí de jornalismo

O conservadorismo autoritário que sufoca a democracia na Polônia

Para jornalista polonês,  discurso de ódio e LGBTfobia são traços comuns entre governo de direita de seu país e administração Bolsonaro

05out2019_19h25
Editor-chefe do portal OKO.press, o polonês Piotr Pacewicz (ao centro) foi entrevistado por Alcino Leite Neto, editor da piauí, e pela jornalista Patrícia Campos Mello
Editor-chefe do portal OKO.press, o polonês Piotr Pacewicz (ao centro) foi entrevistado por Alcino Leite Neto, editor da piauí, e pela jornalista Patrícia Campos Mello FOTO: TUCA VIEIRA

Desde a década de 1980, quando a Polônia ainda era dominada pelos comunistas soviéticos, o jornalista investigativo Piotr Pacewicz exerce a profissão em veículos que desafiam de forma crítica o poder vigente. Atualmente é editor-chefe do portal OKO.press, especializado em cobertura de políticas públicas, jornalismo investigativo e checagem de dados. Pacewicz, premiado como defensor dos direitos humanos de seu país, já foi alvo de pressões do poder Executivo, de juízes da Polônia e de uma rede de transporte de mercadorias ilegais. O editor-executivo da piauí Alcino Leite Neto e a repórter da Folha de S. Paulo Patrícia Campos Mello entrevistaram Pacewicz sobre a virada conservadora e nacionalista que abalam as instituições democráticas da Polônia.  

“Kaczyński, liderança populista de direita da Polônia, do Partido Lei e Justiça, que do nome não tem nada, consegue controlar o país formando maioria no congresso. A essência do populismo é a rejeição do pluralismo. Eles acham que só eles representam o povo e excluem todos os movimentos que não estão de acordo com seus princípios”, afirmou. Segundo o jornalista, para se manter no poder, tais grupos vão aos poucos eliminando o que compõe a democracia. “Eles mantêm os processos eleitorais, mas eliminando tudo o que compõe uma sociedade civil. Eliminando grupos de minorias. E isso, infelizmente, atrai muitos apoiadores entre os eleitores. As pessoas gostam de ouvir o candidato dizer: ‘Eu sou aquele que vai representar suas vontades.’ Representam uma segurança nesse mundo moderno”, disse o jornalista, que comparou o contexto do grupo político ultraconservador da Polônia, representado por Kaczyński, com o governo de Jair Bolsonaro. 

“Aqui no Brasil vocês vivem algo parecido com o Bolsonaro. O lema aqui é ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’.  Na Polônia tem uma versão parecida e igualmente radical. Mesma coisa que vale lá, vale aqui, como as narrativas homofóbicas. Uma parte importante dessas narrativas é encontrar um inimigo: LGBTs, comunistas. Um discurso de ódio que não tem racionalidade e uma obsessão com a sexualidade”, disse Pacewicz, que acrescentou que o atual governo da Polônia sufoca e criminaliza críticas, protestos e manifestações públicas.  

A imprensa é um dos alvos preferenciais dos ataques do governo polonês. Além de controlar veículos de mídia públicos, principalmente emissoras de TV, rádio e internet, o governo costuma cortar verbas publicitárias de veículos independentes. E processar jornalistas e veículos.  

“Eu fui processado por um juiz que tenta controlar o Judiciário na Polônia. Fui acusado de difamação. E ele faz parte de um projeto de discursos de ódio administrado por juízes que usam as redes sociais para ofender juízes independentes da Polônia”, disse o jornalista.  Segundo ele, 40% da população de seu país assiste às mensagens de propaganda do governo. “Fizemos pesquisas públicas que mostram que apoiar o governo e estar exposto aos canais governamentais tem uma correlação altíssima.”   

Outro desafio enfrentado pelos jornalistas independentes do país é a produção de fake news em larga escala por parte do governo. “Eles já disseram que o serviço de saúde da Polônia é um dos melhores da Europa. É fácil desmentir. A Polônia, na verdade, tem o segundo pior resultado da União Europeia do investimento do PIB na saúde pública. Eles produzem milhares de fake news diariamente.” 

Segundo o jornalista, o veículo em que trabalha consegue sobreviver com independência graças a um  modelo de negócio no qual 90% do financiamento resulta de contribuições dos leitores. “É o suficiente para o nosso funcionamento. As pessoas nos veem não só como provedores de informações, mas também de um valor democrático.” A autonomia que o OKO.press conquistou permite que Pacewicz produza reportagens sobre temas relevantes, como uma que revelou abusos sexuais na Igreja Católica. Pelos abusos, um padre foi processado e outro afastado das funções.  

Pacewicz também respondeu a perguntas da plateia, e uma delas indagava o que estava escrito em sua camiseta, com dizeres em polonês. “Constituição”, traduziu o jornalista. “Constituição não é uma coisa abstrata, mas um direito cotidiano que precisa ser respeitado.” 


 

 

Leia também

Últimas Mais Lidas

A eleição de nariz tampado

Resultado da votação terá impacto direto na decisão do Reino Unido de manter ou não o Brexit; isolamento do país e direitos sociais estão em jogo

Foro de Teresina #81: A popularidade de Bolsonaro, o pacote anticrime sem Moro e as fake news na mira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Memória do óleo

Mais de um mês depois da chegada do petróleo numa praia do Sul da Bahia, voluntários anônimos enfrentam o cansaço, o sol e a exaustão mental para tentar limpar até a última mancha

Ele e eu – Dziga Vertov em apuros

Biografia de cineasta russo lembra relação estreita entre arte e resistência

Alcolumbre ganha asas

Presidente do Senado toma o lugar de Eduardo Bolsonaro e se torna um dos políticos mais citados em novembro

Maria Vai Com as Outras #8: Feminismo negro

A socióloga Márcia Lima encerra a terceira temporada numa gravação especial com participação da plateia

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Contagem regressiva

A responsabilidade do campo democrático para evitar a catástrofe

2

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

3

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

4

Memória do óleo

Mais de um mês depois da chegada do petróleo numa praia do Sul da Bahia, voluntários anônimos enfrentam o cansaço, o sol e a exaustão mental para tentar limpar até a última mancha

5

A eleição de nariz tampado

Resultado da votação terá impacto direto na decisão do Reino Unido de manter ou não o Brexit; isolamento do país e direitos sociais estão em jogo

6

O minibolsonarista

Um menino que adora fardas

8

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

9

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro