edição do mês

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

03jul2020_08h13
Witzel, com seu trompete, nos anos 1970: o governador e o presidente hoje se acusam mutuamente de manipular a polícia, mas, quando aliados, tentaram juntos derrubar o chefe da PF no Rio
Witzel, com seu trompete, nos anos 1970: o governador e o presidente hoje se acusam mutuamente de manipular a polícia, mas, quando aliados, tentaram juntos derrubar o chefe da PF no Rio CREDITO: ÁLBUM DE FAMÍLIA

Na edição de julho, a piauí publica uma reportagem sobre o ocaso do governador Wilson Witzel, do Rio de Janeiro. Acossado pelas investigações de corrupção e órfão do bolsonarismo, Witzel também enfrenta acusações de ligações com a milícia. A reportagem mostra que o governador e o presidente Jair Bolsonaro, quando eram aliados, tentaram demitir o então chefe da Polícia Federal no Rio, e também traz um depoimento exclusivo do miliciano Orlando Oliveira Araújo, conhecido como Orlando Curicica, no qual ele denuncia os elos ocultos entre o governo fluminense e bandidos milicianos. Leia a seguir os pontos mais relevantes da reportagem de Allan de Abreu:

* Em abril de 2019, o então secretário da Polícia Civil, Marcus Vinicius Braga, reclamou ao governador Witzel que seus homens estavam sendo investigados pela Polícia Federal por suspeita de corrupção. Solidário com o secretário, Witzel recorreu ao presidente Bolsonaro e pediu a demissão do então superintendente da PF no Rio, Ricardo Saadi. Bolsonaro concordou com o pleito, pois já estava, ele mesmo, querendo a cabeça de Saadi. A troca só não feita na época por resistência do então ministro da Justiça, Sergio Moro. Saadi acabou sendo demitido em agosto, mas, neste caso, sem a influência do governador.

* Em depoimento ao Ministério Público Federal, Orlando Curicica acusa a cúpula das duas polícias do Rio de Janeiro, a Civil e a Militar, de ligações com bicheiros e milicianos. Suas principais acusações são: 

  • O secretário da Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo de Lacerda, ganhava um mensalão do próprio Orlando Curicica quando comandava o 18º Batalhão da PM em Jacarepaguá. Na época, Figueredo de Lacerda recorria à ajuda de milicianos para combater o tráfico na área.
  • Allan Turnowski, segundo na hierarquia da Polícia Civil, recebeu propina do bicheiro Rogério Andrade.
  • O secretário da Polícia Civil, Marcus Vinicius Braga, que deixou o cargo no final de maio, pediu ajuda da milícia para prender traficantes na Zona Oeste.

 

*A piauí publica três levantamentos inéditos nos quais se constata que a polícia do Rio de Janeiro fez onze vezes mais operações em áreas controladas pelo narcotráfico do que em regiões de milícias. A taxa de letalidade policial é 21% menor nas regiões sob influência paramilitar. Na eleição de 2018, Witzel teve 12% mais votos nas áreas de milícia do que na média geral do Estado. 

Acesse a íntegra da reportagem.



Leia também

Últimas Mais Lidas

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder perguntas vitais que permanecem sem resposta desde o começo da pandemia

A sutil arte de ligar o BBB

Com 77 milhões de menções no Twitter, programa deixou para trás Bolsonaro, Covid, vacina e futebol; Globo acolhe Karol Conká em “operação descancelamento”

Vacina atrasada, variante acelerada

Ritmo lento de imunização aumenta risco de disseminação de mutações do Sars-CoV-2

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais textos
3

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

A representação de Eva

Sua beleza exercia sobre mim um fascínio irresistível, mas meu pai a chamava de bataclana. De Perón, ele não perdoava o presente. De Eva, além do presente, era imperdoável o passado

5

The Ziriguidum Herald: Desfile das Pronatecs de Samba do Grupo Especial

O tradicional desfile das Escolas Técnicas do Samba, implementadas com indiscutível êxito no governo Dilma, ocorrerá no Eixo Monumental. Em portentosa exibição, as escolas prometem sacudir a poeira da Capital Federal exaltando os feitos petistas que a imprensa golpista insiste em difamar.

6

Kendry quer ser rainha

A pequena candidata do povo

7

The Presidential Laquê Herald

Para boa parte dos brasileiros, o primeiro adjetivo que vem à mente quando se menciona o penteado presidencial é “glorioso”. Nada mais natural. Com a possível exceção de Nefertite, cujo adereço capilar seduziu não só Amenófis IV mas todo o Alto Nilo, em 3 mil anos de História nenhum outro chefe de Estado soube usar tão bem suas melenas para cativar o mundo civilizado. O que pouca gente sabe, no entanto, é que o laquê rousseffiano é bem mais do que um ardiloso instrumento de fascínio. 

8

Dois mestres americanos do desenho

Uma edição com David Levine, Robert Crumb e também com as tiras do gaúcho Rafael Sica

9

Período em silêncio faz popularidade de Marina subir 30%

LIMBO - Quando certa manhã Marina Silva acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se na cama metamorfoseada em candidata novamente. "Durante o período mais agudo da Lava Jato, Marina permaneceu em silêncio