edição do mês

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

03jul2020_08h13
Witzel, com seu trompete, nos anos 1970: o governador e o presidente hoje se acusam mutuamente de manipular a polícia, mas, quando aliados, tentaram juntos derrubar o chefe da PF no Rio
Witzel, com seu trompete, nos anos 1970: o governador e o presidente hoje se acusam mutuamente de manipular a polícia, mas, quando aliados, tentaram juntos derrubar o chefe da PF no Rio CREDITO: ÁLBUM DE FAMÍLIA

Na edição de julho, a piauí publica uma reportagem sobre o ocaso do governador Wilson Witzel, do Rio de Janeiro. Acossado pelas investigações de corrupção e órfão do bolsonarismo, Witzel também enfrenta acusações de ligações com a milícia. A reportagem mostra que o governador e o presidente Jair Bolsonaro, quando eram aliados, tentaram demitir o então chefe da Polícia Federal no Rio, e também traz um depoimento exclusivo do miliciano Orlando Oliveira Araújo, conhecido como Orlando Curicica, no qual ele denuncia os elos ocultos entre o governo fluminense e bandidos milicianos. Leia a seguir os pontos mais relevantes da reportagem de Allan de Abreu:

* Em abril de 2019, o então secretário da Polícia Civil, Marcus Vinicius Braga, reclamou ao governador Witzel que seus homens estavam sendo investigados pela Polícia Federal por suspeita de corrupção. Solidário com o secretário, Witzel recorreu ao presidente Bolsonaro e pediu a demissão do então superintendente da PF no Rio, Ricardo Saadi. Bolsonaro concordou com o pleito, pois já estava, ele mesmo, querendo a cabeça de Saadi. A troca só não feita na época por resistência do então ministro da Justiça, Sergio Moro. Saadi acabou sendo demitido em agosto, mas, neste caso, sem a influência do governador.

* Em depoimento ao Ministério Público Federal, Orlando Curicica acusa a cúpula das duas polícias do Rio de Janeiro, a Civil e a Militar, de ligações com bicheiros e milicianos. Suas principais acusações são: 

  • O secretário da Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo de Lacerda, ganhava um mensalão do próprio Orlando Curicica quando comandava o 18º Batalhão da PM em Jacarepaguá. Na época, Figueredo de Lacerda recorria à ajuda de milicianos para combater o tráfico na área.
  • Allan Turnowski, segundo na hierarquia da Polícia Civil, recebeu propina do bicheiro Rogério Andrade.
  • O secretário da Polícia Civil, Marcus Vinicius Braga, que deixou o cargo no final de maio, pediu ajuda da milícia para prender traficantes na Zona Oeste.

 

*A piauí publica três levantamentos inéditos nos quais se constata que a polícia do Rio de Janeiro fez onze vezes mais operações em áreas controladas pelo narcotráfico do que em regiões de milícias. A taxa de letalidade policial é 21% menor nas regiões sob influência paramilitar. Na eleição de 2018, Witzel teve 12% mais votos nas áreas de milícia do que na média geral do Estado. 



Acesse a íntegra da reportagem.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

O taxista carioca

Armando Japiassú dirige com o cotovelo para fora, finge que o ar-condicionado quebrou agorinha mesmo e definitivamente não acredita que a reta seja o caminho mais curto entre dois pontos 

7

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

9

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

10

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira