edição do mês

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

03jul2020_08h13
Witzel, com seu trompete, nos anos 1970: o governador e o presidente hoje se acusam mutuamente de manipular a polícia, mas, quando aliados, tentaram juntos derrubar o chefe da PF no Rio
Witzel, com seu trompete, nos anos 1970: o governador e o presidente hoje se acusam mutuamente de manipular a polícia, mas, quando aliados, tentaram juntos derrubar o chefe da PF no Rio CREDITO: ÁLBUM DE FAMÍLIA

Na edição de julho, a piauí publica uma reportagem sobre o ocaso do governador Wilson Witzel, do Rio de Janeiro. Acossado pelas investigações de corrupção e órfão do bolsonarismo, Witzel também enfrenta acusações de ligações com a milícia. A reportagem mostra que o governador e o presidente Jair Bolsonaro, quando eram aliados, tentaram demitir o então chefe da Polícia Federal no Rio, e também traz um depoimento exclusivo do miliciano Orlando Oliveira Araújo, conhecido como Orlando Curicica, no qual ele denuncia os elos ocultos entre o governo fluminense e bandidos milicianos. Leia a seguir os pontos mais relevantes da reportagem de Allan de Abreu:

* Em abril de 2019, o então secretário da Polícia Civil, Marcus Vinicius Braga, reclamou ao governador Witzel que seus homens estavam sendo investigados pela Polícia Federal por suspeita de corrupção. Solidário com o secretário, Witzel recorreu ao presidente Bolsonaro e pediu a demissão do então superintendente da PF no Rio, Ricardo Saadi. Bolsonaro concordou com o pleito, pois já estava, ele mesmo, querendo a cabeça de Saadi. A troca só não feita na época por resistência do então ministro da Justiça, Sergio Moro. Saadi acabou sendo demitido em agosto, mas, neste caso, sem a influência do governador.

* Em depoimento ao Ministério Público Federal, Orlando Curicica acusa a cúpula das duas polícias do Rio de Janeiro, a Civil e a Militar, de ligações com bicheiros e milicianos. Suas principais acusações são: 

  • O secretário da Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo de Lacerda, ganhava um mensalão do próprio Orlando Curicica quando comandava o 18º Batalhão da PM em Jacarepaguá. Na época, Figueredo de Lacerda recorria à ajuda de milicianos para combater o tráfico na área.
  • Allan Turnowski, segundo na hierarquia da Polícia Civil, recebeu propina do bicheiro Rogério Andrade.
  • O secretário da Polícia Civil, Marcus Vinicius Braga, que deixou o cargo no final de maio, pediu ajuda da milícia para prender traficantes na Zona Oeste.

 

*A piauí publica três levantamentos inéditos nos quais se constata que a polícia do Rio de Janeiro fez onze vezes mais operações em áreas controladas pelo narcotráfico do que em regiões de milícias. A taxa de letalidade policial é 21% menor nas regiões sob influência paramilitar. Na eleição de 2018, Witzel teve 12% mais votos nas áreas de milícia do que na média geral do Estado. 



Acesse a íntegra da reportagem.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Quando gente vira cobaia

Fernando Reinach explica quais são e como funcionam os controles que existem para cientistas não ultrapassarem limites éticos em suas pesquisas

Vacinas na mira dos boatos

De carona na recusa do governo federal à vacina chinesa, conteúdos falsos e enganosos sobre imunização se intensificam nas redes sociais

Faltou combinar com a Bahia

Defensor do apoio a Ciro Gomes em 2018, senador Jaques Wagner minimiza encontro do pedetista com Lula e diz que presidenciável cearense se aproxima da direita

As incríveis aventuras do ministro-astronauta

Pontes nomeou para cargo de confiança sócia com quem mantém rede de empresas para venda de bonecos, livros, palestras motivacionais e viagens ao espaço

A esquerda que se arma contra Trump

Cultura armamentista típica dos conservadores americanos ganha cada vez mais adeptos entre minorias e grupos de tradição democrática

Foro de Teresina #124: O bolsonarismo frita seus generais

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Pastores, polícias e milícias

As eleições municipais e a multiplicação do bolsonarismo

Mais textos
1

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

3

Entre o planejamento e o improviso

Pelo mesmo motivo que escolhi a Argentina para torcer na semifinal, me decidi pela Alemanha na decisão. Ao menos os alemães ganharam suas três partidas de mata-mata com a bola rolando. Além disso, uma vitória da seleção alemã premiará o planejamento, a renovação e o trabalho bem feito, ampliando o tamanho da lição que recebemos no dia que não existiu.

4

Viva o quarto aniversário!

Uma edição com poesia, ficção, ensaios e chulices de primeira

5

Le roi est mort, vive Gotlib

Pérolas aos poucos

7

O Gênesis

A versão oficial da Bíblia no traço do cartunista americano

8

Elos perdidos

Entre o Palácio do Planalto e os traficantes, as associações de moradores de favelas

10

Dado Dolabella exige que seus namoros sejam cobertos pelo SUS

RIO DE JANEIRO – O ator, cantor e enfant terrible Dado Dolabella declarou ontem que tem mais de dez anos de bons serviços prestados à saúde pública brasileira "sem jamais ter recebido um tostão por isso”. Dolabella se referia à afirmação do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, segundo a qual o sexo é um dos meios mais eficientes para combater a hipertensão, um mal que aflige uma fatia crescente da população brasileira.